Porco: Além da carne, o animal oferece outras utilidade

Compartilhar

Além de carne, o animal fornece banha, couro e seus dejetos podem ser aplicados como adubo em lavouras.

São poucos os que resistem a um leitão à pururuca regado a limão. Saboroso e crocante, é um dos pratos mais apreciados nas festas de fim de ano. A carne não oferece risco à saúde, como se pensava erroneamente até algumas décadas atrás. Ao contrário, é a mais consumida no mundo, à frente da carne bovina e do frango.

Além de melhoramento genético e de novas técnicas, cuidados rígidos na criação ajudaram a acabar com o preconceito e a impulsionar o mercado. Como o manejo de suínos pode ser realizado por fases, a atividade oferece boas oportunidades, mesmo aos interessados em pequenos criatórios.

Antes de tudo, é importante ter claro o objetivo da criação. Se for apenas para subsistência, bastam poucos animais. Os porquinhos podem ser adquiridos de alguma propriedade por perto. Nesse caso, o investimento é baixo e, após alguma adaptação, as estruturas existentes no local podem ser aproveitadas.

Contudo, recomenda-se que as instalações estejam localizadas com orientação leste-oeste em relação ao sol. Se a opção for pela produção de leitões para abate ou engorda, a partir de matrizes da propriedade, as exigências aumentam. Mesmo que seja em pequena escala, a atividade requer cuidados semelhantes ao de uma criação comercial. Também é indicado que a criação esteja próxima de centros consumidores de médio a grande porte, inclusive que disponham de abatedouros.

Apesar de não gostarem de temperatura e umidade do ar elevadas, os suínos se adaptam a qualquer clima tomados os devidos cuidados. Em lugares frios, recomenda-se o uso de cortinas, enquanto em locais quentes deve-se contar com ventilação.

Embora predomine na Região Sul, a suinocultura está em vários estados brasileiros. Entre as raças brasileiras, a piau e a moura apresentam melhor potencial de desempenho. As estrangeiras vêm da Europa, como a dinamarquesa landrace, as inglesas large white e wessex e a belga pietrain, e dos Estados Unidos, como a hampshire e a duroc.

As raças puras são usadas pelas empresas de melhoramento genético para a produção de reprodutores. Para criação de qualquer porte, uma das mais indicadas é a F1, resultado do cruzamento da landrace com a large white. Segundo a Embrapa Suínos e Aves, a MS 115 fornecida pela própria instituição possui alto desempenho e custo acessível.

Fonte: GLOBORURAL.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *