Zoneamento agrícola

Zoneamento agrícola de risco climático com novas metodologias

Compartilhar

Novas metodologias vão aperfeiçoar zoneamento agrícola de risco climático.

Veja também: Vazio sanitário do algodão em São Paulo é estabelecido

Zoneamento agrícola de risco climático

ZARC é um estudo agrometeorológico que delimita regiões de produção e épocas de plantio de acordo com suas probabilidades de perda de produção causadas por eventos meteorológicos adversos.

A análise de tendências mais recentes na estimativa de riscos e o zoneamento para níveis de manejo devem reduzir os impactos de eventos climáticos severos consecutivos como os ocorridos no País nas duas últimas safras. As metodologias foram apresentadas na terça-feira (24) por especialistas da Embrapa a representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Banco Central, no primeiro dia do workshop da Rede de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC), que segue até amanhã, na sede da Embrapa Agricultura Digital, em Campinas/SP.

Na abertura do evento, por meio de vídeo, o diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Guy de Capdeville, enviou mensagem aos integrantes da rede ZARC, “que tem levado segurança ao setor produtivo e agências de financiamento e crédito no suporte à tomada de decisão”, disse. Um caso de sucesso que tem atraído o interesse internacional pelos resultados alcançados em alinhamento com o Mapa e em parceria com o Banco Central, apontou.

O diretor destacou a necessidade de incluir mais cadeias produtivas no ZARC e manter o foco na crescente modernização e refinamento das metodologias de análise. Em referência à seca e geadas que atingiram as safras 2020/2021 e 2021/2022 na região Centro-Sul do País, o  secretário de Política Agrícola do Mapa, Guilherme Bastos, indicou a necessidade de antecipação de tendências de eventos climáticos de risco, a partir do monitoramento da safra, para orientação de políticas públicas e destinação de recursos em atendimento às áreas afetadas.

O chefe-geral da Embrapa Agricultura Digital, Stanley Oliveira, lembrou que 33 Unidades da instituição integram a Rede, que tem parceiros também entre Organizações Estaduais de Pesquisa na validação das metodologias em campo. De janeiro de 2020 até meados deste ano, a parceria permitiu a conclusão de 23 novos Estudos Nacionais de Zarc. Houve a geração de novos recursos para informação e comunicação digital, como o Zarc Plantio Certo.

Para 2022, está prevista, ainda, a continuidade das ações visando outros 27 estudos de Zarc nacionais para culturas com necessidades de atualização ou ainda sem estudos de zoneamento e o aperfeiçoamento das novas metodologias propostas.

PROGRAMAS DE POLÍTICA AGRÍCOLA

O painel que abordou avanços e perspectivas da gestão de riscos nos programas de política agrícola contou com a participação do diretor de Gestão de Riscos do Mapa, Pedro Loyola, e do chefe do Departamento de Crédito Rural e do Proagro do Banco Central, Cláudio Filgueiras.

Ao traçarem um histórico dos programas, ambos indicaram a necessidade de atuar junto a pequenos e médios agricultores, difundindo informações que estimulem a cultura da gestão de risco focada em boas práticas de manejo, promovendo a adaptação da produção com redução de riscos, para além da busca pelo seguro rural.

O coordenador da Rede Zarc Embrapa, pesquisador Eduardo Monteiro, destacou a iniciativa do GT, que visa conciliar o estudo de séries históricas à análise de tendências mais recentes para aperfeiçoar a estimativa de riscos. Bem como  o projeto piloto com a cultura da soja, que avalia o potencial e vantagens do zoneamento para níveis de manejo, que tem como objetivo diminuir riscos associados ao solo. As ações foram detalhadas pelos especialistas e recebidas com entusiasmo pelos dirigentes.

ZARC

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um estudo agrometeorológico que delimita regiões de produção e épocas de plantio de acordo com suas probabilidades de perda de produção causadas por eventos meteorológicos adversos. As informações podem ser usadas para orientar quais os cultivos viáveis em cada município, o sistema de produção, as melhores datas de plantio, os ciclos mais indicados, as práticas de manejo importantes ou indispensáveis e o seguro rural.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos.

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

2 thoughts on “Zoneamento agrícola de risco climático com novas metodologias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: