vazio sanitário

Vazio sanitário do algodão em São Paulo é estabelecido

Compartilhar

Resolução estabelece vazio sanitário do algodão em São Paulo entre 10 de julho e 10 de outubro.

Veja também: Zoneamento de risco climático para safra de milho

Secretaria de Agricultura altera legislação com o objetivo de reduzir a incidência do bicudo no cultivo da pluma.

Todo o Estado de São Paulo deverá adotar medidas sanitárias a respeito do vazio sanitário do algodão, entre 10 de julho e 10 de outubro. A resolução nº 45/2022 foi publicada no Diário Oficial em 17 de maio, revogando as resoluções nº 34/2019 e 50/2010, que estabeleciam que apenas 99 municípios e regiões produtoras cumprissem o período de vazio sanitário no período de 01 de setembro a 30 de novembro.

Outras mudanças estabelecidas pela resolução incluem a obrigatoriedade do produtor em informar em até 15 dias, o término do plantio no sistema informatizado de Gestão de Defesa Animal e Vegetal (GEDAVE), da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), e além do produtor, o beneficiador passa a ser responsável pela eliminação de plantas voluntárias e resíduos de algodão, tanto nas áreas de produção, quanto nas culturas subsequentes e unidades de beneficiamento através de medidas químicas e/ou mecânicas.

Entende-se por vazio sanitário o período de ausência total de plantas vivas e resíduos de algodão, com exceção de áreas de pesquisa cientifica, devidamente georreferenciadas, monitoradas e controladas. 

A medida visa estabelecer procedimentos para execução do Programa Nacional de Controle do Bicudo do Algodoeiro – Anthonomus grandis (PNCB) e consequentemente, à redução da incidência da praga em cultivos de algodão. “O bicudo alterou a forma de produzir algodão no Brasil, criando um contexto onde o vazio sanitário é indispensável para evitar que a cotonicultura seja inviabilizada”, informa Caio Ramos da Silva, diretor do Programa Estadual de Vigilância Fitossanitária da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da SAA.

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) confirmou que o primeiro relato da presença do bicudo-do-algodoeiro em terras nacionais aconteceu em fevereiro de 1983, nas proximidades do Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas (SP). O registro sustenta a hipótese de uma entrada acidental da praga no país por via área através de voos vindos dos Estados Unidos.

“Por ser um organismo exótico e não enfrentar inimigos naturais, o inseto se expandiu rapidamente, causando danos expressivos. Naquele ano, os ataques do bicudo em altas densidades populacionais podiam reduzir até 70% da produtividade nas áreas infestadas”, comenta Caio.

“A cotonicultura praticada na época não estava preparada para adotar medidas químicas eficientes para o controle da nova praga por conta dos gastos com o grande número de aplicações de inseticidas. Considerando o impacto no custo de produção, a atividade foi praticamente inviabilizada”, completa o engenheiro agrônomo.

O ataque da praga adulta pode derrubar botões e causar a abertura anormal das pétalas das flores. Em fase larval, o bicudo perfura as maçãs para se alimentar e ovipositar. Conforme as larvas eclodem dos ovos, passam a se alimentar das fibras e sementes da planta, causando destruição completa e consequente queda na produtividade.

Caso seja observado o descumprimento do vazio com a presença de plantas vivas, o produtor será notificado a erradicar todo o material em período a ser definido.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos.

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

One thought on “Vazio sanitário do algodão em São Paulo é estabelecido

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: