Suplementação nutricional na maternidade

Compartilhar

Durante as seis primeiras semanas de vida do leitão, ambiente e a nutrição vão contribuir de forma decisiva para se obter a máxima relação custo-benefício na atividade

“Estudos mostram que na produção animal apenas 60% do potencial genético são aproveitados. A boa notícia é que dispomos de ferramentas nutricionais que contribuem para o aumento desse percentual em pelo menos 20%, na média”, explica Ednilson Araújo, técnico da Trouw Nutrition.

Segundo Araújo, tudo começa com o desenvolvimento da microbiota dos recém-nascidos, a partir da ingestão de nutrientes pela matriz, processo importante para garantir a integridade intestinal e formação de um sistema imune robusto. “As seis semanas iniciais são fundamentais para o desenvolvimento do animal e o suinocultor precisa associar manejo e nutrição que proporcionem maior ganho de peso na saída da creche. Quando conseguimos melhorar o peso aos 14 dias após o desmame, a conversão alimentar será beneficiada na vida adulta até o abate”, destaca o técnico. Ele alerta que o aumento da leitegada é um ganho da evolução genética. Porém, a partir desta maior produção surge um novo desafio: a falta de homogeneidade do lote e a produção de leite insuficiente para atender às necessidades nutricionais de todos os leitões. É aí que entra a nutrição de qualidade.

O especialista da Trouw Nutrition informa que ao respeitar o número de tetos, o suinocultor pode desmamar mais leitões com a porca Mãe (chamados “leitões ao pé”), reduzindo as tranferências de leitões subnutridos. “Desta forma, conseguimos melhorar  O GPD (ganho de peso diário), reduzir incidência de diarréias, mortes, evitar formação  xcessiva de “mães de leite”,  além de melhorar a homogenidade do lote ao desmame e também aos 14 dias após o desmame .   O produtor deve dar preferência à suplementação dos leitões, levando em consideração as particularidades do seu metabolismo em fase de desenvolvimento”.

As matrizes suínas com grandes leitegadas não conseguem produzir leite suficiente para atender toda a exigência nutricional, esta que por sua vez será responsável para o máximo potencial genético de todos os leitões. Neste

caso, a suplementação nutricional não substitui o leite materno, mas permite complementar a alimentação dos leitões que não ficaram totalmente saciados, reduzindo também o risco de mortes por esmagamento e evitando excesso de transferências.

A suplementação nutricional deve levar em consideração o aumento do consumo de matéria seca na maternidade e o preparo do sistema digestivo que possibilite uma transição suave para o consumo de ração na creche. “Os suplementos pré-desmame podem induzir mais rapidamente a maturação do sistema digestivo, produzindo enzimas que favorecem a digestão de milho e soja, deixando-os preparados para a nova alimentação na creche.  Associada a ração para Creep-feeding, essa estratégia garante que o leitão desmame já comendo nas primeiras horas na creche. Isso é muito importante para um arranque inicial significativo nas duas primeiras semanas, ao fim do ciclo o ganho de peso será superior” destaca o especialista da Trouw Nutrition.

Araújo assinala que, no passado, quando um leitão nascia pequeno, acreditava-se que ele estava destinado a ter baixo ganho de peso por toda a vida, pois o cenário era irreversível devido a genética. “Mesmo quando nascem pequenos, a reversão é possível, pois 70% do seu desenvolvimento provêm do manejo e nutrição. Há muito espaço para trabalhar no incremento da produtividade da granja”, completa.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *