Demanda pela soja em MT indicou largos saltos

Compartilhar

Demanda pela soja em Mato Grosso indicou largos saltos no mês de fevereiro de 2021.

A demanda pela soja em MT indicou largos saltos no mês de fev/21. Na parte da demanda interna, os níveis de esmagamento voltaram a aumentar, com o volume esmagado subindo 37,96% no mês ante a jan/21.

No total, foram esmagadas 867.992 toneladas em MT, e, dentre os principais fatores para a alta, cita-se o forte ritmo de recebimento de matéria-prima, o que, aliado a altos patamares de margem bruta de farelo e óleo, incentivou um maior processamento.

Entretanto, em relação a fev/20, houve uma queda de 2,67%, indicando os efeitos do atraso da colheita da soja. Do lado da demanda externa, as exportações da oleaginosa em MT aumentaram no mês, já que em jan/21 praticamente nada foi escoado.

Por fim, é importante pontuar que no acumulado do ano tanto o processamento interno da soja quanto as exportações estão menores, já que a colheita atrasou nesta safra e praticamente não havia produto em janeiro em MT.

Confira agora os destaques do boletim:

• A valorização semanal na CME-Group, aliada ao dólar, deu sustentação ao avanço de 1,00% nos preços em MT, com a saca cotada a R$ 158,85.

• O atraso na colheita em diversas regiões do Brasil foi um dos fatores para a alta de 0,78% nas cotações correntes da CMEGroup, que ficaram na média semanal a US$ 14,24/bu

• A elevação do câmbio e das cotações futuras na bolsa de Chicago acabou impulsionando em 2,38% o preço paridade para março de 2022, cotado a R$ 139,00/sc

• O aumento nas cotações de óleo de soja na CME-Group, juntamente com a alta do grão, fez com que a relação soja/farelo e óleo subisse 8,65% na média semanal.

Descontos:

A safra 20/21 começou com uma seca que levou o produtor a semear a soja tardiamente e de modo muito concentrado: foram 6 milhões de ha plantados em apenas duas semanas (entre 23/10 e 06/11/20). Como a seca se prolongou, 2,51% das áreas precisaram ser ressemeadas, exigindo mais custos do agricultor. Porém, com a concentração da semeadura, muitas áreas ficaram prontas para a colheita no mesmo momento.

Apesar da estrutura de máquinas dos produtores, choveu muito durante as últimas semanas, impedindo a retirada da soja da lavoura. Devido a isso, entre os dias 19/02/21 e 04/03/21, a média de grãos avariados de MT ficou próxima de 9,08%, impactando em descontos ao produtor, já que o limite máximo é de 8,00%.

Além disso, a alta umidade percebida nas últimas semanas exige mais custos para secar a soja, causando mais deduções ao produtor.

FONTE: IMEA.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *