MAPA e Embrapa incentivam o cultivo de sorgo

Compartilhar

MAPA e Embrapa incentivam o cultivo de sorgo para geração de Agroenergia

 

Como medida de apoio ao setor canavieiro, o governo implantou o Prorenova, com disponibilização de R$ 4 bilhões para estímulo à renovação e ampliação de cerca de 1 milhão de hectares de cana-de-açúcar. Mesmo sendo importante o estímulo à cana, é estratégico para o país que outras fontes potenciais de geração de agroenergia sejam fortalecidas e estimuladas.

 

 Para dar suporte a este incentivo, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, está disponibilizando para venda, 35 toneladas de sementes do sorgo sacarino, da cultivar BRS 506, sendo que 1.640 Kg, já tratados e ensacados, para entrega imediata.

 

 O sorgo sacarino BRS 506 é uma cultivar desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas, MG) para atender a demanda por matéria-prima alternativa à cana-de-açúcar para a produção de etanol. Seu ciclo de cultivo e colheita compreende justamente o período da entressafra da cana, especialmente, na região centro-sul, o que contribui para a diminuição da volatilidade de oferta e de preços.

 

Características da cultivar A BRS 506 tem como principais vantagens a sua precocidade, pois apresenta ciclo de 120 a 130 dias, e a rentabilidade da sua produção, se comparada à cana de açúcar, já que seu colmo com alto teor de açúcares (20,9 °B) atinge em apenas 130 dias a mesma quantidade de brix alcançada pela cana em um ano e meio.

 

 Possui, ainda, como características o, boa produção de grãos e silagem com alto padrão fermentativo. É uma cultura totalmente mecanizável, sendo que a semeadura é realizada com equipamentos já desenvolvidos para o cultivo de grãos e a colheita pode ser feita com a mesma colheitadeira da cana.

 

 O processamento dos colmos também é o mesmo utilizado para a cana, necessitando de poucos ajustes dentro do parque industrial da usina. Além disso, o bagaço do sorgo sacarino, em testes realizados, mostrou-se bastante eficiente na cogeração de energia, com poder calorífico superior ao bagaço da cana.

 

Fonte: MAPA


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *