Embrapa Trigo: Nova alternativa no controle de pragas

Compartilhar

Sinais químicos emitidos pelos insetos podem ser alternativa no controle de pragas

8, Sinais quimicos emitidos pelos insetos podem ser alternativa no controle de pragas.doc (149 Kb) attached feromonio1.jpg (42.9 Kb) attached feromonio2.jpg (25.6 Kb) attached Sinais químicos emitidos pelos insetos podem ser
alternativa no controle de pragas

Pesquisadores da Inglaterra visitam unidades da Embrapa para discutir o desenvolvimento de semioquímicos no controle de pragas agrícolas

Semioquímicos e feromônios são termos que parecem restritos ao universo científico, mas, aos poucos, passam a fazer parte do cotidiano das pessoas, tanto no meio urbano através da utilização de repelentes e armadilhas para insetos, quanto no meio rural para controle de pragas na agricultura. O assunto é tema do Workshop “O uso de semioquímicos como uma nova abordagem para o manejo de pragas”, que acontece na Embrapa Trigo, no dia 04/04, às 9h. O evento faz da troca de experiências entre a Embrapa e o Instituto de Pesquisa de Rothamsted, na Inglaterra.
A ecologia química está centrada na comunicação entre os insetos, realizada através de sinais químicos, chamados de semioquímicos, a qual engloba feromônios. Esses sinais podem ser sexuais, de agregação ou de alarme, conhecimento que determina a elaboração de repelentes e o desenvolvimento de armadilhas. Na Embrapa Trigo os estudos estão voltados a geração de plantas com repelente natural a pragas como pulgões, besouros e lagartas. “A defesa da planta através do melhoramento genético pode ser alternativa econômica e ecologicamente correta no controle de pragas agrícolas”, explica o pesquisador Paulo Pereira
Estudos voltados para o controle de pragas através de feromônios mostram que é possível acabar apenas com os insetos, preservando os predadores naturais. “Além de mais barato e preservar os recursos naturais, a ecologia química pode ser mais eficiente, já que, em alguns casos, a aplicação do inseticida não é suficiente para o controle das pragas. Um exemplo é caso de besouros, cujas larvas ou corós vivem no solo em profundidades que variam de 5 a 20 cm, impossibilitando o alcance por inseticidas”, explica o pesquisador Alberto Marsaro Júnior.
Os pesquisadores que visitam a Embrapa Trigo (Passo Fundo, RS) e a Embrapa Suínos e Aves (Concórdia, SC) são John Pickett, Lesley Smart e Mike Birkett, integrantes do grupo de Ecologia Química de Rothamsted, instituição referência no desenvolvimento de semioquímicos para controle de pragas, especialmente pulgões e percevejos. Desde 2010, a Embrapa possui um laboratório virtual no Rothamsted Research – localizado a cerca de 53 quilômetros de Londres, em Harpenden – que tem como foco, entre outros assuntos, as pesquisas com pragas e doenças no trigo.

Foto: Feromônio pode controlar as pragas agrícolas sem causar danos ao meio ambiente
Crédito Paulo Pereira


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *