Milho deve ter preços firmes e negócios travados

Compartilhar

Mercado de milho deve ter preços firmes e negócios travados no Brasil.

O mercado de milho deve registrar um cenário de preços firmes nesta segunda-feira, atento ao dólar e ao quadro de cotações em alta em Chicago. A movimentação de negócios deve seguir travada pelo quadro de oferta escassa. A Bolsa de Chicago mantém o tom positivo da última sessão.

Na sexta-feira (5), o mercado brasileiro de milho teve preços firmes, estáveis em grande parte das regiões. Destaque para altas registradas em São Paulo. O dia foi calmo na comercialização.

No porto de Santos e Paranaguá, a saca de 60 quilos foi cotada em R$ 77,00 para entrega na safrinha.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 82,00/84,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 88,00/90,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 92,00/95,00 a saca.

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 84,00/85,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 78,00/80,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 77,00 e R$ 80,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 73,00/75,00 a saca em Rondonópolis.

Chicago

Os contratos do milho com vencimento em maio operam com ganhos de 4,00 centavos, ou 0,73%, cotados a US$ 5,49 1/2 por bushel.

O mercado estende os fortes ganhos da sexta-feira, quando pesou a perspectiva de redução nos estoques norte-americanos e globais. Os operadores se posicionam frente ao relatório de março do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado nesta terça, às 14 horas (horário de Brasília).

Segundo analistas e traders consultados por agências internacionais, os estoques de passagem da safra 2020/21 dos Estados Unidos devem ser apontados em 1,46 bilhão de bushels, ante os 1,502 bilhão estimados no mês passado.

A previsão é de que os estoques finais de passagem da safra mundial 2020/21 sejam apontados em 285,3 milhões de toneladas, abaixo das 286,5 milhões de toneladas indicadas no mês passado.

A safra de milho do Brasil 2020/21 deverá ser indicada em 108,4 milhões de toneladas, aquém das 109 milhões de toneladas apontadas em fevereiro. Já a safra da Argentina 2020/21 deve ser apontada em 47,1 milhões de toneladas abaixo das 47,5 milhões de toneladas previstas no mês passado.

Na sexta-feira (5), os contratos de milho com entrega em maio/21 fecharam a US$ 5,45 1/2, alta de 13,00 centavos de dólar, ou 2,44%, em relação ao fechamento anterior.

Câmbio

O dólar comercial registra valorização de 1,02% a R$ 5,74.

Indicadores financeiros

As principais bolsas da Ásia encerraram em baixa. Xangai, -2,30%. Tóquio, -0,42%

As principais bolsas na Europa operam firmes. Paris, +0,89%; e Londres, +0,10%.

O petróleo opera em queda. Abril do WTI em NY: US$ 65,92 o barril (-0,25%).

O Dollar Index registra alta de 0,33%, a 92,28 pontos.

Fonte: Agência SAFRAS.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *