Cenário para etapa de cria na pecuária está positivo

Compartilhar

Entretanto, entidade alerta que há riscos de redução do preço do bezerro, aumento de custos e, consequentemente, queda na margem para o produtor no primeiro semestre de 2021.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresentou a conjuntura produtiva da bovinocultura de corte durante o Seminário Negócios Rurais – Inovação e Tecnologia para a Pecuária de Leite e de Corte, promovido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do Maranhão, nesta quinta-feira (26). A CNA é uma das entidades que apoia o evento.

O assessor técnico da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, Ricardo Nissen, fez um balanço deste ano e analisou perspectivas para a pecuária de corte brasileira e do Maranhão em 2021.

Ele abordou pontos como a participação da pecuária no PIB, rebanho brasileiro, área de pastagem, evolução da capacidade produtiva brasileira, consumo projetado e produção, evolução da exportação de carne bovina no Brasil, consumo per capita de carne bovina, terminação de animais em confinamento e preço do bezerro, entre outros.

Como principais vantagens, Ricardo Nissen destacou que o Brasil tem o maior rebanho comercial do mundo, é o maior exportador de carne bovina e o 2º produtor de carne bovina mundial, além de ser líder em produção sustentável, utilizar 11 milhões de hectares com integração lavoura-pecuária (ILP) e integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) e ter potencial de produção com sequestro de carbono.

Segundo o assessor técnico da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, o cenário para a atividade de cria, que está “muito otimista” agora, poderá ter redução do preço do bezerro, aumento de custos e, consequentemente, queda na margem para o produtor no primeiro semestre de 2021. Na recria e engorda, a previsão inicial é a manutenção da arroba, com possibilidade de redução e recuperação posterior do valor ao longo do ano.

“O produtor precisa estar preparado, consultar a sua atividade, ter os seus números e custos de produção na mão para poder conseguir aproveitar as oportunidades que estão por vir e manter a sua margem positiva durante o ano, agregando valor e rentabilidade à sua atividade”, afirmou ele.

FONTE: DATAGRO.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: