Demanda por galpões flexíveis aumenta com o crescimento

Compartilhar

A indústria brasileira de fertilizantes especiais deve bater recordes de produtividade no país. A expectativa de entidades como a Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), é de que haja um crescimento de 21% em relação ao ano passado, quando foram comercializados cerca de 816 milhões de litros. O cenário positivo impulsiona toda a cadeia produtiva, em especial os segmentos de transporte, logística e armazenagem.

Exemplo disso é o da Tópico, empresa que é atualmente responsável por 65% do market share do setor de infraestrutura flexível para cobertura e armazenagem no Brasil. Recentemente, a empresa concluiu dois projetos em Sinop e Rondonópolis, no Mato Grosso, destinados para o armazenamento e transbordo de fertilizantes. Principal Estado agrícola do país, é também o maior consumidor de adubos em todo o território nacional. 

Para a JM Link, a Tópico instalou galpões para o terminal de fertilizantes que a companhia de logística mantém em consórcio com a Rumo em Rondonópolis. No total,  são 21 mil m² com capacidade para armazenar em torno de quatro toneladas por m², somando um total de 72 mil toneladas. Para Elizeu Carreiro, gerente de Terminal da JM Link, a flexibilização da operação e os aumentos de área de armazenagem estática e do mix de produtos foram os benefícios proporcionados pela solução. 

“A instalação dos galpões estruturados no terminal causou um forte impacto positivo no nosso negócio. Em um curto espaço de tempo, a rapidez na montagem em relação a uma obra de alvenaria ofereceu solução logística ágil para os nossos clientes, que  maximizaram os volumes transportados no modal ferroviário, trazendo um maior volume do porto para próximo do agronegócio. Estamos fortalecendo nossa posição no mercado de fertilizantes do estado e a solução com armazéns estruturados faz parte dos nossos planos de negócios futuros.”, aponta Carreiro.

O outro projeto executado pela Tópico foi para a fábrica de Fertilizantes Tocantins localizada em Sinop. Foram instalados quatro galpões do modelo Gama que, no total, abrangem uma área de 12.350 m² destinados ao armazenamento dos produtos.Em 2018, a companhia, que também opera em estados como Tocantins, Maranhão, Pará, Minas Gerais e Goiás, movimentou a marca de 1,8 milhão de toneladas.

Mercado em expansão

Para Sergio Gallucci Parisi, diretor Comercial e de Marketing da Tópico, a tendência é de que cresça a participação da empresa no segmento nos próximos anos: “Estudos como os divulgados pela Freedonia Group apontam que a demanda por fertilizantes no Brasil deve crescer 3,2% ao ano e alcançar 18,6 milhões de toneladas em 2022. No mundo, o quadro também é positivo, visto que há a perspectiva de um aumento de 1,4% no período, atingindo 212,1 milhões em três anos”. 

A previsão de Galluci está baseada na competitividade das soluções apresentadas pela Tópico. Cada vez mais, os players do mercado de fertilizantes procuram formas de reduzir perdas, preservando a integridade do produto, além de buscar alternativas ágeis e flexíveis no supply chain. “As estruturas flexíveis ficam disponíveis para uso em, no máximo, 30 dias, enquanto uma construção em alvenaria com mil m² gasta, em média, para ficar pronta, cerca de três meses, levando em conta procedimentos como aprovações, licenças e inspeções”, ressalta. 

Além disso, são dinâmicas e permitem, por exemplo, que se altere o layout de acordo com a necessidade, por conta de sua modularidade, evitando que a empresa fique com o ativo ocioso “Há, ainda, a redução de impactos ambientais. A instalação de infraestruturas flexíveis economiza no uso de água, eletricidade, equipamentos e terraplanagem. Nossas soluções são simplificadas, se adaptam a qualquer tipo de piso e são obras limpas, não gerando resíduos e a necessidade de descarte”,  completa Sergio Gallucci.

A Tópico tem 40 anos de mercado, e possui no Brasil mais de 2,5 milhões de metros quadrados instalados de estruturas modulares metálicas cobertas por uma membrana (lona) antichamas com durabilidade de até 40 anos. A empresa tem diversas soluções para a armazenagem dos mais variados tipos de carga e mostra-se uma solução taylormade para a delicada equação entre custo e benefício, tão crítica hoje para os segmentos que lidam com a sazonalidade e a instabilidade da economia.

 

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: