A atividade de pecuária é isoladora

Compartilhar

Edição especial Beef Summit

NOTÍCIAS DO FRONT (NF2R)

A pecuária Goiana e Brasileira descrita por quem a vive e “carrega o pó da viagem”

(Edição NF2R #192, de 22 a 28/nov/15)

 “A atividade de pecuária é isoladora”. Escutei a frase no primeiro contato que tive com os produtores vizinhos da Fazenda do meu sogro, logo após chegar para trabalhar lá, nos idos de 2006. Ao chegar, eu fiz questão de ligar para todos os vizinhos e me apresentar. O primeiro que liguei me disse isto: “você poucas vezes vai ver a maioria de seus vizinhos se não procurar ativamente este contato”. E foi assim que ocorreu…

Parte do motivo é que “Fazenda é só fazendo”, como diz o conhecido dito sertanejo popular. Realmente… Um fazendeiro é um mecânico, um administrador de empresas, um veterinário, um zootecnista, um agrônomo, um vendedor, um gerente de RH, de controladoria, um gestor ambiental, um agente de bolsa, um negociador, um comprador, um agricultor–pecuarista (ou vice-versa) e etc, etc, etc… E o mais importante: geralmente faz tudo isto imerso num ambiente de negócio familiar. Ufa! Cansei só de pensar… O resultado: trabalho duro das 5h da matina até a hora que for. Sim, o “até a hora que for” é assim mesmo.

Portanto, se você não pode ir no Evento Beef Summit deste final de semana em Ribeirão Preto-SP, abaixo, vamos colocar as principais frases/sacadas dos palestrantes. Dá para você sentir um pouco do conhecimento que foi exposto por lá. Ressalto, que não foi simplesmente a exposição de conhecimento em relação ao negócio, mas principalmente, um conhecimento em relação às grandes histórias da FAMÍLIA PECUÁRIA!!!! (se Deus quiser, esta frase, que será uma Campanha de comunicação da cadeia pecuária para com o mercado consumidor interno do Brasil, feita pelo Miguel Cavalcanti, será escutada nos quatro cantos das metrópoles do Brasil… Tem até uma música com este nome, maravilhosamente feita pelo nosso amigo Claudio Lacerda).

Portanto, neste NF2R, vamos inovar e “sair da caixinha” do formato tradicional. Inclusive o horário de sua divulgação, que está ocorrendo na segunda, mais tarde que de costume, pois não tivemos como escrever o informe no FDS, afinal de contas, este, excepcionalmente foi dividido entre o Beef Summit e a minha família.

Porém, antes das “sacadas” do evento, vamos rapidamente pontuar sobre o mercado… Como dissemos acima, o foco deste NF2R não será preço, mas sim, conhecimento (raciocínio muito parecido com a forma que tocamos nossa comercialização de gado: menos foco em preço e mais foco em estratégia).

Só para não dizer que não falamos de preços… Em SP, o indicador Esalq/BMF assumiu realmente a rota prevista aqui que pontuava um “leve freio na ondinha de alta”, mas também sem espaço para queda. Na última semana, saímos de R$ 148,62/@ (variando de R$ 147 a R$ 152) e finalizamos em R$ 148,17/@ (variando de R$ 147 a R$ 152), base SP, à vista: o mercado de hoje é a essência da estabilidade, a “tintura mãe da estabilidade” de preços.

No encerramento da semana, na quinta (pois sexta foi feriado em SP), vimos os negócios mais concentrados entre a faixa de R$ 146 até R$ 149/@ à vista (maior parte no nível de R$ 148/@, à vista).

As escalas da “terra do povo que anda ligeiro” estão bem heterogêneas, pois tem frigorífico com escala de uma semana (agenda para 30/nov) e outros com boa parte da agenda feita até o dia 16/dez (bois de contrato). Parece que houve uma “melhorinha” na oferta, talvez em função da boa previsão de chuvas para os próximos dias (chuva e confinamento não combina, igual a “laço na mão de peão pé de macaco”).

O “DIA D” segue estabilizado na terça, que agora é dia 01/dez (sim, já dezembro), mantendo o placar médio em 6 dias (entre o acordo da venda e o dia do abate). O STATUS DO BEEFRADAR segue na base da “tintura mãe da estabilidade plena”:

25% queda (leve) : 50% estabilidade : 25% para alta (leve) 

No Mato Grosso do Sul, os comedores de guavira, de chipa e tomadores de tereré estão com preço de R$ 138/@ à prazo e escalas com esquema idêntico à SP, em geral.

Aqui, pelas bandas da Terra do Pequi, as pitangas e as acerolas começam a colocar um vermelho bonito (e gostoso) nos pezinhos esparramados pelas terras goianas. Quanto ao boi, mantemos a base do balcão em R$ 139/@ a prazo, mas vemos no mercado R$ 140/@ ap (com prêmio EU de +R$2/@ e personalitè presente). As escalas estão mais apertadas que SP e MS, o que trouxe o diferencia de base para pouco menos de R$ 10/@ novamente. Enquanto isto, a vaca goiana segue rala nas escalas, igual “a pasto de piquetinho da porta”, o que reduziu o diferencial de base para valores abaixo de 5% em vários dias da semana passada.

Vemos um ambiente um pouco mais firme na praça goiana que em SP, mas sem fôlego para arrancadas (estabilidade com leve viés positivo). Em relação às escalas, temos frigoríficos para o dentro da semana (dia 26 ou 27/nov) e outros para o dia 30/nov, com o boi não EU mais escasso que o EU neste momento (padrão da entrega de bois confinados). 

E, agora, vamos expor aqui o “sumo do Summit”, ou seja, “só o caldo e sem gelo”, como diz o goiano esperto ao pedir suco na beira da GO… Vamos aos tópicos: 

“Sucesão familiar é unir a família colhendo melhores decisões, mas respeitando as liberdades individuais; Pró-labore tem que ser proporcional ao serviço. Já a retirada é proporcional ao que cada um tem na sociedade; A família que trabalha unida, ao invés de dividir, soma”

(Alexandre Foroni e seu Pai, pecuaristas de Rondônia) 

“Se você quer que seus filhos amem o seu negócio, é lá que você tem que ficar”

“Com parceria, tudo é mais fácil”

“Conhecimento não ocupa espaço”

“Eu quero estar junto com os ‘bão’, em referência à frase: “você é a média das 5 pessoas com quem mais convive”, de Jim Rohn

“Gere valor para os outros sempre. Isto não dá errado”

“Em decisões cruciais aprendemos que temos que tirar a emoção da mesa” (em referência a um processo de venda de propriedade rural familiar).

“Se puder, aprenda com os erros dos outros, é mais barato”

“O nome não pode morrer antes do homem”

“O problema não é quebrar, o problema é mudar o CNPJ”

“Nada é absoluto, nem imutável”

“Seja grato, mas sempre insatisfeito”

“Os números nos norteiam”

“Meu modelo mental: problema (desmotiva) x desafio (motiva)”

“Se o alimento é uma arma de guerra, somos responsáveis por produzir a paz”

“Tome suas decisões sempre com base no amor. Nunca falha”

Recado importante para os homens e para as mulheres do agronegócio: “a familia toda tem que estar por dentro do que esta acontecendo. Qualquer um pode faltar”.

(Arthur Flumian Braga e sua Mãe, pecuaristas de Goiás) 

Dicas para gerentes de Fazendas: 1) necessidade de ter “sentimento de dono”; 2) Ter boa estrutura familiar; 3) Alinhamento com valores e cultura da empresa (a mudança é um aliado); 4) Vontade de aprender

(Fábio Maya, Grupo Otavio Lage) 

Dicas para gerentes de Fazendas: 1) Bom gerente de Fazenda apresenta a solução e não o problema; 2) Tem que entender de pessoas (identificar o potencial de cada funcionário e saber dialogar, não confundindo autoridade com autoritarismo); 3) Precisa delegar funções; 4) Envolver a equipe; 5) Respeitar os animais

(Adri Zart, MS e TO) 

Dicas para gerentes de Fazendas: 1) Prepare-se para ter um bom gerente (dever da Fazenda); 2) Compartilhamento de processo decisório com a equipe (“Todos juntos somos mais inteligentes que cada um de nós”); 3) Reconhecer esforços e resultados; 4) Pessoa com postura proativa e otimista (problemas devem ser vistos como oportunidades e desafios). Além disto, ressalta o aumento do nível de complexidade dos negócios/Fazendas de hoje em dia. Diz acreditar na autonomia, diversidade e na colaboração das pessoas.

(Mario Garcia, da Exagro) 

“A pessoa mais inteligente da sala é a sala inteira”

(Miguel Cavalcanti, ressaltando a vantagem de pensar em conjunto) 

Dicas para gerentes de Fazendas: 1) Meritocracia; 2) Necessidade de processo para todas as atividades; 3) Planejamento e acompanhamento de resultados; 4) Criar ambiente de trabalho; 5) Capacidade de trabalhar em equipe (caboclo pode ser bom, mas se só trabalha isoladamente, não funciona)

(Rogério Peres, Fazenda Brasil-MT) 

“É cada vez mais necessário ter cultura e processo dentro de uma Fazenda. Em outras palavras: “estrutura cria comportamento”

(Miguel Cavalcanti)

 “É missão da Fazenda que o filho dos colaboradores possam trabalhar na própria Fazenda” (Fabio Maya, Grupo Otavio Lage, que tem iniciativa junto à Prefeitura a cerca de um programa “menores aprendizes” para operacionalizar o início do trabalho dos filhos dos funcionários nas propriedades) 

“A Fazenda tem que estar preparada para ter um bom Gerente. Alguns bons gerentes acabam saindo por falta de espaço”

(Adri Zart) 

“Manuais e processos: cada vez mais necessários numa Fazenda. Tudo tem que estar escrito. Cuidado para não confundir delegar com DELARGAR. Se eu treinar uma pessoa de uma Fazenda e ela ir embora, é complicado. Mas o mais complicado mesmo é se eu não treinar e ela ficar na Fazenda”

(Rogerio Peres) 

Sobre plano de remuneração variável: Fabio Maya defende a remuneração variável com limite máximo de 25% do salário recebido mensalmente e não mais que 60% de um salário, como bônus de final de ano. Alternativa ao pagamento de remuneração variável em dinheiro: ferramentas de reconhecimento pelo trabalho; prêmios na forma de bens ao invés de dinheiro (TV, por exemplo); fornecimento de convênio de saúde e escola ao invés de dinheiro; Importante: o plano de remuneração variável tem que ser simples, muito simples e sobre o critérios que o trabalhador pode efetivamente alterar e melhorar. Importante: a remuneração variável não pode ser a muleta para resolver outros problemas de RH da Fazenda, como o de não se importar sobre o ser humano que o funcionário é na verdade. 

“Deus me livre de mexer de pessoas”; “Prefiro mexer com 1.000 vacas do que com 1 peão… Ao falar isto, você já olhou para você mesmo? As vezes a gente perde um funcionário talentoso, porque a gente não sabe lidar com a gente mesmo”

“Seu negócio é tão bom quanto são os seus colabores. E os seus colaboradores são tão bons quanto ao seu gerenciamento”

“A margem é cada vez menor, e a gente ganha o jogo nos detalhes”

Obs.1: André e as suas dicas sobre a “reunião semanal” de alinhamento com a equipe da Fazenda: 1) tem que ser breve; 2) estimular que o colaborador venha com algo em mente (estimular os funcionários a pensar). No começo não é fácil. Mas, depois, a equipe não quer ficar sem a reunião, a própria equipe pede a reunião, pois nesta oportunidade os indicadores de desempenho são discutidos.

Obs.2: o André tem meta diária que dá até 20% de meta do salário diário do trabalhador. A meta é diária… Sacada fantástica. Não adianta bater a meta da semana e trabalhar mal no FDS… Muito top.

(André Perrone, Confinamento Monte Alegre) 

“Meu negócio é um espelho de mim mesmo. Isto é muito bom descobrir, mas pode ser muito ruim também. Não posso colocar a culpa em ninguém”.

(Miguel Cavalcanti)

 “A melhor tecnologia é um vaqueiro”

“A genética desenvolveu-se a jato, mas a alimentação e o manejo seguem a pé”

“Cavalo é o automóvel do vaqueiro só que mais complexo de dirigir…”

Mão de obra, adubo e milho: as três coisas bastante usadas numa Fazenda tecnificada”

“Quem dá dinheiro não é o boi, é o Homem”, citando frase do Francisco Vila

“Placar do jogo: 650kg/ha/ano; Desfrute >75%; 750g/cab/d; Abate >90% de T2; Lista trace e Hilton; Morte menor 0.5%. Isto é a regra para o bônus semestral da Fazenda”

“O BEA é inegociável na minha produção”

“O filme quando você vai a cavalo é outro”

(André Bartocci) 

“A meta certa é GP/ha e não UA/ha. O UA/ha é estoque, e quanto menos estoque, desde que se mantenha o GP, é melhor”

(Miguel Cavalcanti) 

“Em diversos negócios, a meta não é clara para os funcionários. Qual é a meta correta do seu negócio?”

Dica para contratação de funcionários: “Não contrate um peão, contrate uma família, entreviste a mulher; Não contrate gente boa de entrevista, contrate gente boa de serviço; Como a pessoa se sente como erra; Contrate para o presente e para o futuro; Contrate devagar e demita rápido; Qual é a sua personalidade/valores? E a de seu negócio?; Só contrate após definir a tarefa; A gente tende a contratar pessoas parecidas com a gente, o que é um erro; Para se conectar com o entrevistado, pergunte sobre os filhos dele”

“Os negócios mais bem sucedidos são de gente que gosta de gente” (Miguel Cavalcanti)

“O recado mais forte que você pode dar para uma empresa é demitir alguém que não está alinhado com os seus valores” (Miguel)

“O seu pior funcionário é o seu padrão de qualidade para toda a sua equipe”

“Se você achar que é fácil, vai ser fácil. Defina a sua intenção”

“O melhor momento de plantar uma árvore foi a 20 anos. O segundo melhor momento é hoje”

“A sua Fazenda é um lugar desejado para um vaqueiro de sua região trabalhar? Caso não seja, o que dá para fazer para você subir no ranking. Você já pensou nisto?”

(Miguel Cavalvanti) 

“Quem mais aprende na sala de aula é o professor”

“Eu nunca fiz nada pensando apenas em ganhar dinheiro. Afinal de contas, o lucro não está só no dinheiro”

“O frigorífico é o meu maior cliente”

“O consenso é que uma fazenda tem que ser grande, tem que ser boa e tem que ter muito boi. A minha não tem nada disto”

“Fazenda tem que estar bem localizada, tem que ter relevo bom e tem que chover. Quebrou-se o paradigma. Adubo você trás até de Israel e relevo correto ninguém conserta”

“Quebraram-se 2 mitos: dá para viver de Fazenda pequena e dá para produzir em areia”

O que transforma um menino em homem não é comida, é tempo”

“Eu preciso saber o que eu sei fazer de melhor. Para as demais, eu faço parcerias”

“O que urina para trás é o que empurra o homem para frente”

(Alaor Ávila) 

Fernando Velloso, sobre comercialização bezerros de qualidade (principalmente cruzamentos): 1) “O terneiro de qualidade é uma especialização na pecuária corte. Há que se ter um perfil do produtor e do comprador em torno desta mercadoria. No RS, este produto de qualidade, de escasso, virou quase o padrão; 2) Produtores sólidos constroem bezrros com Marcas; 3) Definir as características dos bezerros que geram valor; 4) Explorar certificações para vender estes bezerros com mais valor (inclusive as sanitárias); 5) Há necessidade por parte de quem vende bezerros de qualidade de identificar melhor os possíveis compradores, que não são muitos; Velloso sugere que haja parceria entre o comprador e o vendedor de bezerros de qualidade, pois na prática as duas partes estão distantes, com ou sem leilão envolvido. Compara o nível da relação frigorífico-invernista com o nível da relação criador-invernista. Ambas as relações tem nível precário.

Ricardo Nicolau, sobre o tema comercialização de bezerros: 1) Ha que se diferenciar o produtor que tem uma fábrica de bezerros daquele que produz bezerros para ‘manutenção do rebanho’; 2) Há que se focar no que o mercado deseja para não produzir o que o mercado não quer; 3) Uma tendência por parte do comprador é querer comprar bezerros mais pesados; 4) Venda de bezerros com peso; 5) Acredita em segmentação de pecuaristas (ou o sujeito estará na cria ou na engorda e cada vez menos no ciclo completo); 6) Sugere que esforçemos para ter mais transparência no mercado; 7)Tudo que tem valor agregado, tem marca e não há marca sem história de valor; 8) Ter parceiros confiáveis; 

“O sujeito da cria é muito competente para produzir bezerros de qualidade, mas peca muito na venda, em geral. Para quem quer comprar bezerros de qualidade é fácil se identificar o vendedor. Basta chegar na cidade e perguntar, que tem bezerro bom, todo mundo fala”

(Ricardo Nicolau) 

“Nos EUA, no leilão, os bezerros são vendidos em cima de um balanção. Não faz sentido comprar na base da perna”

“Quem vende boi Gordo bem vendido, tem que ter gado de qualidade, tem que gostar da “briga” do comercial e tem que construir um relacionamento com o comprador”

(Miguel Cavalcanti) 

“Antigamente, o bezerro mais leve acabava que tinha o valor mais caro de venda (em R$/kg vivo). Mas isto está ficando para trás…”

(Lourenço Miguel)

 “Os frigoríficos não vão continuar crescendo sozinhos”

“Não adianta ter gestão se for para não ganhar dinheiro”

“Quem vai dar sustentabilidade ao crescimento da cadeia de carne é o produtor. Ele tem que crescer”

“Impossível faltar boi no País que tem um boi por habitante. O que falta é eficiência”

“No final do dia, cada área da AC controla de 4 a 7 indicadores, no máximo”

“A falta de integração e homogeneidade da cadeia da carne foi para a gente a oportunidade para crescer. Uma ponta fragmentada e outra consolidadada e com governança. Isto virou uma oportunidade e não um problema”

“A AC buscou para crescer um sócio que além de dinheiro, trouxe conhecimento e tecnologia, a Black River”

(Daniel Conde, AC Proteína) 

Beef Summit (Painel de venda de touros): são citados critérios para a compra de touros: Marca (o cliente tem que confiar no seu fornecedor de touros); Sistema de produção de criação dos touros alinhado com o sistema de produção no qual o touro vai ser usado, dentre outros. 

Traduzindo uma pequena palestra de Victor Damazio: “O mundo mudou… O bom do mercado hoje em dia tem resultado apenas mediano. O mediano do mercado, hoje em dia, tem resultado péssimo. E o péssimo de cada mercado, nem sobrevive. Só está bem quem é o primeiro lugar (#1) do mercado. Para este, qualquer que seja o mercado, não há dificuldade… A diferença entre o pior e o mediano é um grande esforço. A diferença entre o mediano e o bom é um grande esforço. Mas, a diferença entre o bom e o #1 é muito pequena… Pense nisto…”

 “Não esqueça dos jovens do Agronegócio”

“70% dos jovens que se envolvem com a entidade dos “jovens ligados ao Agro” (não lembro a sigla exata) são do sexo feminino”

“um grande papel de um líder do Agronegócio é alinhar as entidades que militam no setor”

(Rafael Gratão) 

“Ressalto a importância da mulher no agronegócio e do NFA como um lugar para que as mulheres que conduzem Fazendas possam conversar com iguais, inclusive servindo de inspiração para outros setores”

Teka, Presidente do Núcleo Feminino do Agronegócio (NFA)

 “O mais importante sobre LIDERANÇA é cada um assumir o seu próprio papel de liderança. Assim teremos um exército de Generais”

(Miguel, sobre liderança)

 “Nelore com ILP, com marmoreio e exclusivamente a pasto”

“Seja como a água, o combate não pode ter forma definida” (citando o Bruce Lee)

“Tem hora que você tem que esperar o destino se revelar” (citando o Último Samurai)

“A base do sistema de produção é o solo, que é recuperado pelo sistema São Matheus de ILP, feito em parceria com a Embrapa”

“quem colhe o pasto? O homem ou o animal? Existe altura de entrada e saída de cada pasto, auxiliado pela baliza de altura de pasto. Portanto, que colhe (ou quem comanda a colheita) é o homem e não o boi”

“Quem vê por fora sonha, que vê por dentro enxerga” (citando Jr Bertipaglia)

“Produzir capim e não colher, ou colher em excesso, doi demais no bolso”

“ILP não diminui o risco, pelo contrário, aumenta, pois é mais complicado. Consequentemente dá mais dinheiro”

“Cuide bem do seu solo, se você cuidar dele, ele vai cuidar de você”

“Se vocês quiserem ter sucessores e não herdeiros, começem levando seus filhos para a Fazenda com 2 anos” (Mãe do Mateus Arantes)

“Meus filhos quando eram pequenos tinham salário e assinavam recibo” (Mãe do Mateus Arantes)

“Respeitem as escolhas dos seus filhos”

(Mateus Arantes e sua Mãe, Fazenda São Matheus – MS) 

“Respeite quem vc é. Mantenha as coisas simples. Faça o simples bem feito. Produzo commodity, não gourmet (sei o meu lugar). Deixe o boi te puxar e não o contrário, mas: ouse um pouquinho!”

“Ir para os EUA falando inglês não é muito melhor? Saber o seu custo de produção é falar a língua do boi”

“Ganha quem compra melhor a reposição”

“Delegue a produção fique com a comercialização”

“Quem não usa bolsa já tá prá tráz”

“O milho hoje é tão importante quanto seus funcionários“

“Tira a bundinha da cadeira e opera na bolsa!!!”

“Se vocês quiserem aprender vão atrás de informações de quem sabe”

“Um boi alimenta uma família por ano”

“Quando você sabe o seu custo de produção é uma revelação… Saber o custo de produção é como você acreditar em Jesus e não largar mais sua igreja”

(Rogério Goulart) 

Dois momentos mágicos: a palestra do Alaor Ávila, uma das top 3 que vi na minha vida profissional e o prêmio do meu amigo irmão Ricardo Heise (o mago da comercializaçã0) , mais que merecido…

 Obs.: agradecimento especial aos companheiros do grupo BeefRadar que ajudaram no registro dos ensinamentos do domingo, último dia do evento. Aliás, foi um evento ímpar, que na minha modesta e humilde opinião, só teve um defeito: deveria ocorrer durante a semana, pois, para quem carrega o pó da viagem, o final de semana é fundamental para carregar as baterias junto à família, a fim de manter o equilíbrio, que é a PALAVRA DA VIDA. Fica a sugestão para o companheiro Miguel Cavalcanti para o 2016!

Pense. Pare e pense nos ensinamentos estão acima… O melhor dia do Beef Summit é hoje. O dia de começar a praticar os ensinamentos… Nos encontramos aqui na próxima semana, se assim Deus nos permitir. Abraços…

Rodrigo Albuquerque (@fazendaburitis) & Ricardo Heise (@boi_invest), Num trabalho feito a 4 mãos…

CONTATOS PARA AGENDAMENTO DE PALESTRAS: boicom20@gmail.com

Fonte: Beef Point, Por Rodrigo Albuquerque & Ricardo Heise.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: