Tecnologias para intensificação da pecuária de corte

Compartilhar

Pesquisador debaterá gestão e tecnologias para intensificação da pecuária de corte na 7ª Conferência Internacional de Confinadores, em Goiânia.

 

‘Quais as tecnologias disponíveis e as etapas no processo de intensificação da pecuária de corte?’. Com a palavra, Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador científico da APTA – Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Polo Colina). Ele abordará o tema no painel sobre produtividade e rentabilidade da propriedade pecuária, na 7ª Conferência Internacional de Confinadores (Interconf), no dia 17 de setembro de 2014, a partir das 9h.

 

O objetivo do pesquisador é orientar o produtor a aumentar a produtividade e garantir a rentabilidade da fazenda, envolvendo desde questões técnicas a temas de gestão. Gustavo explica que o pecuarista deve ser visto como empresário rural. Por isso, além dos temas de gestão, é preciso investir em tecnologias e buscar a qualidade do produto final: a carne. “Vamos fazer um resgate de que a fazenda é produtora de carcaças”. E complementa: “A pecuária do futuro chegou e quem quiser continuar na atividade deve atender à intensificação sustentável, desde o aspecto econômico ao ambiental”, reforça.

 

Interconf 2014 – O maior evento da pecuária intensiva da América Latina (15 a 18 de setembro de 2014, em Goiânia) debaterá questões relacionadas àsoportunidades e desafios do setor pecuário e as estratégias aplicadas para o crescimento da produção de carne bovina no Brasil, com temas relacionados à política e ao mapeamento do consumo de carne no Brasil, incluindo palestra de abertura do jornalista da Rede Globo e Globonews, Alexandre Garcia.

 

A Interconf também terá minicursos técnicos voltados aos peões, capatazes e gestores de fazendas e discutirá: cenário econômico e perspectivas de consumo no Brasil; diferentes sistemas de produção e como o produtor pode aumentar sua produtividade/rentabilidade; desafios para ampliação do mercado internacional e como vender; e aspectos positivos da carne brasileira.

 

Fonte: Assessoria de comunicações.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *