Nova espécie de abelha é descoberta

Compartilhar

Nova espécie de abelha é descoberta em fazenda de Goiás.

Ceratina (Ceratinula) fioreseana é o nome da nova espécie de abelha solitária descoberta na Fazenda Nossa Senhora Aparecida.

Ceratina (Ceratinula) fioreseana. Este é o nome da nova espécie de abelha solitária descoberta na Fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Água Fria de Goiás (GO). A nomenclatura é uma homenagem à família Fiorese, os proprietários e primeiros a fazerem parte do projeto Bayer Forward Farming no Brasil, que tem como objetivo promover a agricultura sustentável e as boas práticas agrícolas em propriedades rurais.

A nova espécie de abelha foi identificada pela primeira vez pelo trabalho de dois cientistas: Heber Luiz Pereira, pesquisador responsável pelo monitoramento da diversidade de polinizadores na fazenda, e a Favizia Freitas de Oliveira, pesquisadora taxonomista de abelhas do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia (IBIO-UFBA). Graças ao estudo, foi identificado o primeiro registro de espécie do subgênero Ceratina (Ceratinula), popularmente conhecido como abelhas carpinteiras pequenas, no Centro-Oeste brasileiro. O artigo científico com o anúncio da descoberta foi recentemente publicado na Zookeys, publicação internacional referência nas áreas de zoologia, taxonomia, filogenia e biogeografia.

Segundo Favízia, o trabalho na fazenda da família Fiorese começou em 2017. “Nós coletamos alguns espécimes da nova espécie (fêmea e macho). Além destas, identificamos mais 72 outras espécies de abelhas nativas brasileiras, durante uma avaliação rápida para monitoramento de diversidade de polinizadores, efetuada no entorno da lavoura de soja”, comenta.

Para Cláudia Quaglierini, gerente de Inteligência Tropical da Bayer, a descoberta reforça a convivência harmônica entre a agricultura e a população de abelhas no mesmo espaço. “Com esta parceria, conseguimos observar que, considerando as boas práticas agrícolas, podemos verificar a diversidade de polinizadores existente na fazenda que se mantém produtiva há mais de 30 anos. As abelhas, inclusive, podem atuar para trazer um melhor resultado em termos de produtividade, por meio da polinização”, completa.

As identificações das espécies foram feitas nas áreas de reserva ambiental da propriedade, onde foi recuperada a vegetação nativa, com plantas e árvores do cerrado. A nova espécie é classificada como solitária, caracterizada por não viver em colônias e atuar como polinizadora-chave em ecossistemas naturais e agrícolas.

Dos subgêneros registrados, a Ceratina (Ceratinula) é a mais diversificada, com 38 espécies nas Américas, sendo 15 encontradas no Brasil. “A espécie descoberta é facilmente distinguida pelo padrão de manchas faciais e cor amarelo-mel das pernas, assim como a genitália masculina bastante diferenciada, em relação a espécie mais próxima, a Ceratina (Ceratinula) manni Cockerell, encontrada no Nordeste brasileiro”, reforça a pesquisadora.

Ainda para a Favízia, estas pesquisas que avaliam a flora apícola são importantes fornecedoras de informação sobre as relações entre abelhas e plantas, com uma vantagem de obtenção de dados e observações de campo diretas. “A taxonomia é a ciência básica para o estudo de qualquer inseto. Sem ela, não conseguiríamos avançar nos entendimentos dos ecossistemas, por exemplo. Este estudo, em parceria com a Bayer, nos ajudou não só no conhecimento taxonômico e biogeográfico de uma nova espécie, mas para os diagnósticos de polinizadores, riqueza local e variações geográficas e temporais, assim como informações para propor ações de conservação em áreas rurais”, completa.

FONTE: DATAGRO.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: