Girolando anuncia mudança no Controle Leiteiro

Compartilhar

Os componentes qualitativos do leite, como Controle de Células Somáticas, gordura e proteína, passarão a ser mensurados e registrados, a partir do mês de maio deste ano, em todos os rebanhos atendidos pelo Serviço de Controle Leiteiro (SCL) Oficial da raça Girolando. Até então, a coleta obrigatória era apenas de dados relativos à produção.

A medida visa enriquecer as avaliações genéticas e genômicas da raça Girolando, bem como atender à Instrução Normativa n° 78 de 26 de novembro de 2018. “Sabemos que essa mudança trará grandes benefícios para o processo de seleção dos rebanhos e da raça como um todo, sendo de fundamental importância para o crescimento e fortalecimento do Girolando nos mercados nacional e internacional”, assegura o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Odilon de Rezende Barbosa Filho.

O coordenador Operacional do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG), Gustavo Gonçalves, esclarece que a coleta das amostras de leite será feita pelo controlador habilitado que já atende a propriedade. “Ele fará a coleta de amostras de leite juntamente com a coleta da informação de produção dos animais para que possam ser encaminhadas ao laboratório a fim de proceder às análises”, explica.

Como forma de auxiliar na implantação dessa rotina, o Fundo de Investimento do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (FIPMGG) fará uso de seus recursos a fim de subsidiar parte das análises pelos próximos três anos. Para ter direito ao benefício, o criador deverá seguir as seguintes regras:

Estar ativo junto ao SCL no início da implantação do projeto;

Eleger um laboratório dentre os credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para realizar as análises e informar ao Departamento de Provas Zootécnicas (DPZ) qual sua escolha bem como alterações de laboratório, caso ocorram. Uma lista com as entidades credenciadas e sua localização está disponível no site da Associação para que possam dar andamento ao cadastro e fazer a solicitação de material;

 Identificação das amostras com o número de registro ou botton do animal;

Envio periódico dos resultados, por e-mail, ao DPZ, em arquivo Excel, seguindo o modelo que cada laboratório adota.

Já a disponibilização do recurso ocorrerá da seguinte forma:

Custeio de 50% do valor cobrado por análise no primeiro ano, o que hoje corresponde a R$ 1,295, 40% no segundo ano e 30% no terceiro. Os valores acompanharão reajustes praticados pelos laboratórios;

A disponibilização do benefício ocorrerá de forma anual; sempre no mês de março, ocorrendo nesse momento a liberação dos valores gastos no ano anterior;

O benefício será retirado na forma de serviços oferecidos pela Associação, podendo ser aqueles presentes na tabela de emolumentos, multas por atraso em comunicações e reposições de brincos de identificação.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *