Vacinação contra aftosa alcança 99,59% em MT

Compartilhar

Vacinação contra a febre aftosa alcança 99,59% do rebanho bovino de Mato Grosso.

Com o maior rebanho da história de Mato Grosso (29,25 milhões de cabeças), 99,59% dos bovinos e bubalinos de todas as idades foram vacinados na campanha contra a febre aftosa de novembro de 2015. O resultado foi apresentado nessa sexta-feira (15.01) pelo Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT) e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) e contou com a participação de representantes da área técnica da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato).

Como todos os anos, os órgãos contaram com a parceria da Famato, assim como das entidades Acrimat, Acrismat, Sindifrigo, Fabov, Ovinomat e o Fesa. “A Famato e o produtor rural mato-grossense estão cientes de seus deveres de contribuir para que Mato Grosso continue sendo reconhecido como livre da febre aftosa com vacinação. Todos os anos mais de 99% do rebanho é imunizado e isso mostra que nossos produtores estão cada vez mais conscientes da importância da prevenção”, disse o gestor do Núcleo Técnico da Famato Guto Zanata.

De acordo com o presidente do Indea Guilherme Nolasco, Mato Grosso está dividido em 13 unidades regionais do Indea, alcançando os 141 municípios, com mais de 104 mil propriedades inscritas.

Nolasco disse que o Indea acompanhou a vacinação em 3.242 propriedades, que corresponde a 3,11% das fazendas com um total de 1.068.117 bovídeos que tiveram imunização realizada e fiscalizada por servidores do órgão. “Me orgulho desses números, isso demonstra o comprometimento dos nossos servidores”.

Na oportunidade, o secretário de Desenvolvimento econômico (Sedec) Seneri Paludo anunciou o aumento do orçamento do Indea para 2016. “Esse ano o Indea vai ter um orçamento de R$ 20 milhões, ou seja, está mais que dobrando o de 2015, e isso é reflexo do empenho e do reconhecimento do governo do Estado com um setor importantíssimo que é o de defesa agropecuária. Entendemos que o setor é fundamental para manter a sustentabilidade da economia de Mato Grosso”, afirmou.

Paludo ainda destacou que a cadeia produtiva da bovinocultura do Estado ganha um novo incentivo com a criação do Instituto Mato-grossense de Carne (Imac), elaborado pela Sedec em parceria com o setor produtivo. O projeto foi encaminhado pelo governo para a Assembleia Legislativa que aprovou a iniciativa. “O Instituto vai ampliar a participação da produção estadual de gado de corte no mercado. Mato Grosso vai ter a sua própria marca”, apontou.

Para o superintendente Federal de Agricultura de Mato Grosso José de Assis Guaresqui o trabalho realizado pelo Indea e pelos órgãos, assim como a Famato, que estão comprometidos com o setor, possibilitou o desenvolvimento e a expansão da bovinocultura. “Isso nos possibilitou a abertura de novos mercados e com isso já estamos estudando a possibilidade de abertura de novas plantas nos municípios do Estado”.

Segundo Guaresqui, a produção de rebanho está sendo ampliada por meio de tecnologias, manejos adequados que melhoram a cada dia e com isso o mercado nacional e internacional se abre para Mato Grosso. Quem está no mercado também reconhece esse avanço e demonstra interesse em abrir novas plantas e reabrir as que estavam fechadas.  

A Famato, entidade de classe que representa 89 Sindicatos Rurais de Mato Grosso, completou 50 anos no dia 16 de dezembro de 2015. Ao longo dessas cinco décadas levantou diversas bandeiras em prol do produtor. Lidera o Sistema Famato, composto pela Famato, Imea, Sindicatos Rurais e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT). Essa trajetória é celebrada graças ao trabalho dos produtores rurais e dos colaboradores.

Fonte: Famato – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: