Problemas em MT reduzem projeção nacional de soja

Compartilhar

A manutenção da irregularidade das chuvas em Mato Grosso e no Matopiba, ao longo da maior parte de dezembro, fez a Consultoria AgRural revisar para baixo, mais uma vez, sua estimativa de produção de soja para safra brasileira 2015/16. Reduzida de 100,2 milhões para 99,7 milhões de toneladas no início de dezembro, a produção é estimada agora em 98,7 milhões. Apesar do corte, o número ainda é recorde e representa aumento anual de 2,5%.

Em Mato Grosso, o tempo seco e as temperaturas altas atingiram parte das lavouras do norte e do leste desde o plantio até o período reprodutivo. Por isso, a produtividade média do Estado foi reduzida em 2,5 sacas em relação a dezembro, para 49 sacas por hectare. Os maiores estragos foram em lavouras precoces, para as quais o retorno das chuvas a partir da virada do ano chegou tarde demais.

Em Sinop (503 quilômetros ao norte do Estado), há talhões que devem render apenas 35 sacas, mas áreas tardias ainda têm bom potencial. Em Canarana, no leste, estima-se que as perdas podem chegar a 20% em talhões “do cedo”. No sul e no oeste, as chuvas foram mais regulares.

Como explica a analista da AgRural, Daniele Siqueira, a região do Matopiba, que congrega os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, também contribuíram para a revisão negativa, mas em proporção bem menor do que Mato Grosso, já que nesse caso, foram retiradas cerca de 1 saca da estimativa de produtividade inicial.

COLHEITA – Com pouca soja pronta e umidade sobrando em muitas lavouras depois das chuvas desta semana, a colheita da safra começou tímida. Até ontem, a área colhida ainda não chegava a 1%. Em Mato Grosso, a colheita atingiu 0,6%, em linha com o índice do ano passado.

“Se confirmadas, as previsões de maiores volumes nas próximas semanas deverão atrapalhar o ritmo dos trabalhos, que já tendia a ser lento devido ao atraso no plantio. Na região de Lucas do Rio Verde (médio norte mato-grossense), as primeiras áreas estão rendendo de 20 a 50 sacas por hectare. Em Primavera do Leste (sul), os primeiros lotes estão saindo do campo com umidade alta. Áreas de pivô rendem até 62 sacas. Em Campo Verde (sul), áreas de sequeiro estão produzindo entre 35 e 60 sacas.

Fonte: Diário de Cuiabá. Autor: MARIANNA PERES.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: