Previsão parto éguas: Transmissor vulva

Compartilhar

Previsão parto éguas: Posição eletrônica

Previsão parto éguas: Ph colostro

Previsão parto éguas: Eletrólitos leite

Previsão parto éguas: Alteração do úbere

Previsão parto éguas: Com pedômetros

O número de fêmeas em cobertura aumenta a cada ano no Brasil, e perdas gestacionais são observadas.

Quando essas ocorrem no momento do parto, podem levar à morte do potro e da égua, bem como causar graves prejuízos econômicos.

Os potros recém-nascidos, também chamados de neonatos, são frágeis e susceptíveis às doenças. Salvar a vida de um potro, na maioria das vezes, pode ser uma questão de horas.

Veja abaixo os principais métodos descritos na literatura para prever o parto na égua, apresentando as vantagens e desvantagens de cada um.

Monitoramento da vulva

O chip é inserido nas éguas prenhas no último mês de gestação, a fim de garantir que o nascimento do potro, que normalmente ocorre de madrugada, possa ser assistido pelo médico veterinário.

Por meio dessa tecnologia é possível observar o quanto antes problemas como consistência das fezes, grau de hidratação, nistagmo (doenças nos olhos do animal), se está deglutindo o leite, se há refluxo, se urina normalmente, se os cascos estão bem formados. Além de avaliar a égua, identificar se houve sinais de traumatismo na vagina, se ela está emitindo algum sinal de dor, se foi machucada internamente.

O alerta também garante que mãe e filhote estejam em local ideal de nascimento, evitando cercas, barrancos, sujeira, lama, pois nem sempre as éguas livres em pastos estão em ambientes controlados e adequados, como cocheiras maternidades.

Há um sistema de monitoramento (Foal Alert®), em que um transmissor é suturado na vulva da égua próximo à data prevista para o parto, e a abertura dos lábios vulvares pela insinuação dos membros do feto, pela vesícula amniótica ou as contrações abdominais serão capazes de desconectar o imã do transdutor suturado na vulva, ativando, assim, o alarme.

O procedimento para sutura do transdutor na vulva é simples e pode ser realizado com bloqueio anestésico local. O transdutor é ancorado por três pontos simples separados na junção mucocutânea vulvar esquerda enquanto do lado direito um único ponto simples é realizado para fixar o ímã que ficará conectado ao transdutor.

O discador automático poderá ser configurado para até quatro números de telefone para realizar a chamada, após ser ativado pelo receptor. Uma mensagem de voz ou com números é enviada.

O alarme auxiliar que acompanha o produto deve ser fixado em um outro local, separado do receptor.

Assim, terá um alarme sonoro sendo emitido. O alcance do sinal emitido do transdutor para o receptor é de aproximadamente 365m, e para evitar interferência com o sinal, é importante que as áreas das maternidades sejam livres de barreiras, principalmente as de metal.

Há dois tipos de transmissores, o multiuso, que pode ser utilizado por até 10 vezes, desde que o ímã tenha adequado armazenamento; e o uso único. Várias éguas podem ser monitoradas ao mesmo tempo, desde que cada uma utilize um transmissor e esteja dentro do perímetro de alcance do receptor.

Como vantagens, pode-se citar o fato de este sistema não ser muito invasivo e de o sinal percorrer uma boa distância, além de poder ser utilizado um sistema de aluguel ou compartilhamento do sistema. Como desvantagens, há o custo financeiro, de aproximadamente 2.200 dólares um sistema completo, em que o transmissor poderá ser utilizado até 10 vezes. Depois será necessário apenas trocar os transmissores. ,Há, ainda, os partos distócicos com alterações de apresentação, posição e atitude, como hidrocefalia e outras deformidades fetais, que impedirão o feto de se insinuar no canal do parto, e consequente inibição do reflexo de Fergusson.

Autor: A.B. Silva, R.A. Oliveira1


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *