agricultores holandeses

Entenda a revolta dos agricultores holandeses

Compartilhar

Três pontos para entender a revolta dos agricultores holandeses.

Veja também:

Europa alerta para intensa saída de agricultores da atividade

Fazendeiros holandeses protestam contra a Agenda 2030

A Holanda vive dias de protestos deflagrados pelos agricultores holandeses, devido às metas impostas pelo governo para reduções das emissões de óxidos de nitrogênio provenientes do esterco e urina de bovinos, suínos e outros animais e do uso de amônia em fertilizantes.

Em resposta, produtores estão bloqueando supermercados, centros de distribuição e estradas em todo o país. Agricultores holandeses bloquearam com tratores o Aeroporto de Groningen Eelde, no nordeste da Holanda. Confira alguns pontos para entender como essa revolta tem se espalhado pelo país:

Qual é o plano do governo holandês?

A meta do governo holandês é reduzir as emissões de óxidos de nitrogênio e amônia em 50% até 2030, por meio de cortes que podem chegar a 70% em áreas próximas de habitats de espécies ameaçadas.

A estimativa é que, para atingir essas metas, seria necessário reduzir em 30% o número de animais de pecuária. Os governos das províncias holandesas receberam prazo de um ano para elaborar estratégias para fazer esses cortes. Uma das medidas cogitadas é a desapropriação de fazendas com grandes números de animais.

O governo holandês estabeleceu o prazo depois que tribunais do país e europeus emitiram ordens para que o problema seja solucionado.

O que dizem os agricultores?

Os agricultores holandeses alegam que o plano de redução de emissões pode inviabilizar o futuro do setor no país.

“Trata-se de nossas famílias, nosso futuro, o futuro de nossos filhos. É sobre nosso modo de vida”, afirmou o ovinocultor Bart Kemp, um dos organizadores dos protestos, durante manifestação em Haia.

Pescadores holandeses se juntaram aos protestos, por receio de que metas ambientais também afetem a solicitação de novas licenças de pesca. Nesta semana, alguns deles bloquearam o trânsito de balsas entre Harlingen, no norte holandês, e as ilhas de Terschelling e Vlieland.

Segundo informações do grupo nacional de lobby agrícola LTO reproduzidas pela DW, a Holanda tem quase 54 mil empreendimentos rurais, que somaram exportações de 94,5 bilhões de euros em 2019.

Como tem sido a resposta do governo aos protestos?

O governo holandês tem promovido negociações com grupos que representam os agricultores, das quais participam servidores que atuam nas iniciativas que visam redução das emissões.

“Estamos trabalhando para um setor agrícola forte, de olho em um meio ambiente saudável”, declarou a ministra da Agricultura, Carola Schouten.

Entretanto, o primeiro-ministro Mark Rutte criticou o que classificou de excessos nos protestos. Em junho, manifestantes realizaram protestos na cidade de Hierden em frente à casa de Christianne van der Wal, ministra do gabinete que supervisiona as políticas ambientais na Holanda, que disse que seus filhos se sentiram ameaçados. Segundo relatos, esterco foi espalhado perto da residência.

“Vocês podem protestar, mas de maneira civilizada. Portanto, não bloqueiem estradas, não soltem fogos de artifício do lado de fora da casa de uma ministra, não espalhem estrume, não assustem crianças e não coloquem famílias em perigo”, disse Rutte.

Na noite de terça-feira (5), a polícia efetuou disparos contra agricultores, alegando que estes estavam dirigindo tratores contra policiais e viaturas para tentar furar um bloqueio na província de Frísia, no norte da Holanda. Ninguém ficou ferido. Três manifestantes foram presos.

Na véspera, protestos foram dispersados com gás lacrimogêneo e cães, e a polícia holandesa aplicou cerca de 200 multas e prendeu vários manifestantes.

Rutte nomeou Johan Remkes, ex-vice-primeiro-ministro, como mediador para as discussões com os agricultores. Porém, a parlamentar Caroline van der Plas, do partido Movimento Cidadão Camponês, disse que Remkes, membro do Partido Popular para a Liberdade e Democracia (legenda de Rutte), não pode ser considerado imparcial porque participou da produção de um relatório com críticas às emissões de óxidos de nitrogênio em 2020.

Fonte: Gazeta do Povo. Por: Fábio Galão. Imagem principal: Depositphotos (Meramente ilustrativa).

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: