Conta de energia impacta setor agropecuário

Compartilhar

Conta de energia com bandeira vermelha em dezembro impacta setor agropecuário, alerta Faesp.

Medida que acresce R$ 6,243 a cada 100 kWh consumidos acarretará em aumento de custos para o produtor rural.

Está em vigor desde 01o. de dezembro o despacho publicado em 30 de novembro pela ANEEL, determinando bandeira vermelha Patamar 2. A ação prevê as condições mais custosas de geração, com acréscimo de 0,06243 real para cada kWh (quilowatt-hora) consumido.

O valor adicional de R$ 6,243 a cada 100 kWh pegou a todos de surpresa, ressalta a Faesp, visto que em maio de 2020 a ANEEL decidiu, em razão da pandemia, adotar a bandeira verde até 31 de dezembro sem aplicar qualquer cobrança extra na conta de luz.

Em resposta, a Agência Nacional de Energia Elétrica alegou que a revogação do despacho de maio ocorreu devido à retomada do consumo de energia aliado à queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas conforme registrado nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.

O sistema de bandeiras tarifárias implantado desde 2015 tem como objetivo sinalizar ao consumidor, mensalmente, sobre as condições e custos de geração de energia elétrica no país.

Impacto negativo para o produtor rural

Para a Faesp, está claro que medidas desta natureza contribuem para impactos negativos nas atividades econômicas, aumentando ainda mais os custos para o produtor rural, que já sofre as consequências da diminuição gradativa dos benefícios tarifários na razão de 20% ao ano, imposto pelo Decreto Federal nº 9.642/2018 – lembrando ainda que anualmente também ocorre o reajuste tarifário.

O Projeto de Decreto Legislativo 495/20, de autoria do deputado André Figueiredo (PDT-CE), busca suspender esse despacho da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, e está em tramitação na câmara dos Deputados.

FONTE: DATAGRO.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: