A água não vai acabar, mas precisa ser melhor gerenciada

Compartilhar

O estoque de água no mundo é constante há 500 milhões de anos

Para se debater as questões da água podemos começar pela formação da água no planeta terra. Afinal a água nem sempre esteve presente na terra em sua forma líquida, sólida e ou de vapor. Nos processos de formação da terra, os vulcões emitiram grandes quantidades de gases tais como nitrogênio, gás carbônico, monóxido de carbono, dióxido de enxofre, metano, vapor d´água e outros. Essas emissões formaram a atmosfera.

Com o passar dos milênios a temperatura diminuiu e os gases começaram a se condensar, formando os núcleos de condensação (também conhecidos como nuvens). Começou-se então um ciclo no qual a precipitação do vapor de água, na forma líquida, começou a retornar à Terra atraída pela gravidade.

A água em seu estado líquido começou a se acumular na superfície, originando os oceanos primitivos com altas concentrações de sais. Com a chuva houve o escorrimento, erosão das rochas, transporte de partículas e acúmulo nas depressões. A infiltração através da superfície formou as águas de subsolo. Com a emersão dos continentes formaram-se as lagoas, rios, pântanos e os primeiros organismos vivos. Com a evolução das plantas começou um processo de grande liberação de oxigênio e absorção de gás carbônico nos processos fotossintéticos.

As rochas mais antigas de ambientes aquáticos datam de 3,8 bilhões de anos. Essa é a indicação do surgimento de água na forma líquida na terra. O oxigênio livre, por sua vez, aparece com os processos de fotossíntese das plantas datando de 2,7 bilhões de anos. Assim, a água que temos hoje no planeta é a mesma, em mesma quantidade,  do que antes? Sim. Isso nos remete à questão da falta de água no planeta.

A quantidade de água na terra é estimada entre 1,4 a 1,5 bilhão de km³ e tem permanecido constante durante os últimos 500 milhões de anos.

Apesar de termos a impressão de que a água está desaparecendo, que há falta de água na Terra, a quantidade de água na Terra é praticamente invariável há centenas de milhões de anos.

Portanto, o que muda é o estado da água (sólida, líquida ou vapor) e a sua distribuição.

Aonde estão esses 1,4 bilhão de km³ de água? 97,5% desse total de água presente na terra é constituída de água salgada nos oceanos e mares. Apenas 2,5% é de água doce. A situação de disponibilidade da água doce é agravada pelo fato de que, desses 2,5% existentes, 68,9% estão nas calotas polares e geleiras. Sobram então 30,8% de águas subterrâneas e 0,3% de água superficial nos rios, lagos e na atmosfera.  As figuras a seguir refletem os percentuais graficamente.

Os três problemas na questão água são:

  • A poluição das águas, principalmente nas áreas urbanas causa escassez de disponibilidade de água limpa para o homem.
  • Muitas vezes o uso irracional das águas, a apropriação indevida do recurso natural por poucas pessoas, a falta de gerenciamento adequado de bacias hidrográficas, causam a escassez para muitas populações, especialmente as menos favorecidas.
  • Tal qual a distribuição de renda no Brasil, a distribuição das águas é também pouco democrática e desigual causando toda a sorte de problemas, doenças e ausência de renda. O Brasil é um país aquinhoado com a maior quantidade de água do planeta em suas bacias hidrográficas, porém tem uma taxa de irrigação de apenas 5,6% de suas áreas cultivadas enquanto que o sudeste da Ásia irriga cerca de 42% de suas áreas cultivadas. Gerenciar bem as águas e distribuí-las equanimemente, pode ser um caminhjo para gerar emprego, renda e dignidade no campo , principalmente nas regiões de escassez de água.

O ataque a esses problemas pode ajudar o Brasil a sair da inercia e da desigualdade em que se encontra.

*Samuel Giordano é Professor e Pesquisador Sênior do PENSA-Centro de Conhecimentos em Agronegócios da FIA-USP e Membro do Conselho Técnico do Fórum do Futuro


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *