Mercado chinês e exportadores brasileiros

Compartilhar

Tendência de maior abertura do mercado chinês deve abrir mais oportunidades para os exportadores brasileiros, diz embaixador da China.

Em evento online da Anec, Yang Wanming ressalta que Brasil e China devem continuar unidos para colher mais frutos nesta parceria.

O 39º Encontro da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC), realizado nesta quinta-feira (26) em formato online, contou com homenagens ao Vice-Presidente da República, General Hamilton Mourão; ao Ministro Alexandre Peña Ghisleni, Diretor do Departamento de Promoção do Agronegócio do Ministério de Relações Exteriores; e ao Embaixador da China, Sr. Yang Wanming.

Mourão recebeu a homenagem no quesito Sustentabilidade pela do Conselho Nacional da Amazônia Legal, que tem o objetivo de preservar e proteger o bioma da Amazônia, além de sua atuação decisiva em prol do agronegócio brasileiro e em defesa da cadeia produtiva da soja, milho e farelo.

Ao agradecer a homenagem, Mourão disse que é preciso eliminar os gargalos na produção, garantir confiança ao agronegócio brasileiro, desenvolver por meio de investimentos consistentes o aumento da produtividade, incentivar a manutenção do produtor no campo, destravar as amarras da economia, reduzir o chamado Custo-Brasil, melhorar a estrutura para o escoamento da produção, garantir segurança para quem produz. Ele destacou essas ações como premissas do Governo.

“Por parte do Estado cabe garantir o progresso sustentável, respeitando o meio ambiente, sem, contudo, impedir o desenvolvimento e a criação de oportunidades. Não existe neste século XXI desenvolvimento que não seja sustentável. As questões da ordem do meio ambiente se tornaram variáveis de primeira grandeza, com forte apelo estratégico no processo decisório em nível político”, afirmou o Vice-Presidente da República.

O ministro Alexandre Peña, por sua vez, foi homenageado por ser um grande articulador da cadeia produtiva e exportadores junto ao Itamaraty. “Vemos essa homenagem como um tributo a essa parceria que vem se consolidando entre o setor público e privado. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, tem nos ajudado enormemente a falar com o exterior com uma única voz, trazendo governo e setor produtivo. Durante a pandemia, diante de diversos desafios, mostramos que somos um fornecedor confiável”, apontou.

A Anec também homenageou o Embaixador da China, Sr. Yang Wanming, pelo bom relacionamento entre Brasil e China. “Nossos dois países são parceiros naturais quando se trata de agronegócios há 12 anos. A soja tem grande destaque, sendo que 80% das exportações brasileiras do grão tiveram como destino a China neste ano, representando uma alta de 23% no faturamento. O Brasil é um grande produtor e a China o maior país consumidor, tendo a maior classe média do mundo, com uma demanda crescente por produtos de qualidades”, enfatizou.

Wanming destacou ainda que a tendência é que a China abra ainda mais o mercado e amplie a demanda interna, elevando consequentemente as oportunidades para os exportadores brasileiros de grãos. “Vamos trabalhar para colher mais frutos nesta parceria”, reforçou.

A abertura do evento foi realizada pelo consultor jurídico na ANEC, Dr. Frederico Favacho, que agradeceu aos patrocinadores Argus Media, Bequisa, Naabsa e Intertek. O evento foi acompanhado por representantes das empresas exportadoras de cereais, como soja, milho e farelo, a cadeia produtiva do agro e a imprensa.

O presidente da International Grain Trade Coalition (IGTC), Gary Martin, também convidado para o evento, agradeceu pelo importante trabalho efetuado em parceria com a ANEC na disseminação das melhores práticas do setor.

Também durante o encontro, a ANEC realizou um agradecimento especial ao Sr. Sérgio Mendes, diretor geral da entidade, que não pode participar da ocasião, mas que possui um papel fundamental, representando e sendo a voz da Associação na defesa dos interesses dos exportadores de cereais e da cadeia produtiva para a prosperidade dos negócios e desenvolvimento do País, durante os seus 22 anos na Associação.

Luciano Menezes de Souza, presidente da ANEC, finalizou o evento agradecendo a participação de todos e destacando a importância da união da cadeia produtiva, dos exportadores e de todos os atores responsáveis pelo ótimo desempenho deste setor essencial. “Esse tem sido um ano de grandes desafios para o nosso mercado. No entanto, a nossa união mostrou que conseguimos, sim, enfrentar os maiores contratempos. E neste cenário de pandemia, o agronegócio foi um dos grandes motores da economia brasileira, sustentando as exportações e alimentando o mundo. Essa união também marcará a nossa trajetória em 2021”, disse.

FONTE: DATAGRO.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: