Importância dos programas de biosseguridade para um uso prudente de antibióticos na suinocultura

Compartilhar

Ricardo Hummes Rauber, doutor em ciências veterinárias pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, consultor em saúde animal da Vetinova e parceiro da ICC

Biosseguridade é um conjunto de procedimentos técnicos – conceituais, operacionais e estruturais – que visam prevenir ou controlar a contaminação dos rebanhos por agentes de doenças infecciosas que possam ter impacto na produtividade dos animais (foco em Saúde Animal) e na saúde dos consumidores (foco em Saúde Pública).

Do ponto de vista teórico, este conjunto de procedimentos engloba nove componentes, que são definidos a seguir:

  1. Isolamento: O primeiro passo de um programa de biosseguridade é evitar que patógenos externos entrem na granja. Isso pode ser alcançado por meio do isolamento físico da propriedade, que inclui o uso de cercas, muros e/ou outras barreiras físicas para impedir a entrada de pessoas, veículos e animais selvagens não autorizados, e do isolamento virtual, que inclui os procedimentos adotados para o efetivo acesso às granjas e barracões.
  2. Controle de tráfego: As granjas devem limitar o acesso apenas a pessoas e veículos autorizados. Um plano de controle de tráfego deve estar em vigor para limitar o número de pessoas e veículos que entram na granja e garantir que eles sigam os protocolos de biosseguridade adequados antes e durante o acesso.
  3. Limpeza e desinfecção: A limpeza e desinfecção adequadas são essenciais para evitar a propagação de doenças. A limpeza deve ser feita para remover material orgânico e a desinfecção deve ser feita para eliminar quaisquer patógenos remanescentes. Todos os equipamentos e materiais devem ser limpos e desinfetados após a utilização e todas as superfícies do barracão devem ser cuidadosamente limpas e desinfetadas.
  4. Quarentena, medicação e vacinação: Todos os animais que forem introduzidos no lote devem permanecer em quarentena por um período para monitorar sinais de doença. Quando couber, lotes ou animais doentes devem ser medicados o mais rapidamente possível. A vacinação deve ser considerada como uma medida preventiva contra doenças conhecidas na região.
  5. Monitoria: A monitoria regular do rebanho é necessária para detectar a presença e a evolução de doenças. Isso pode incluir o monitoramento de animais em busca de sinais clínicos, a realização de testes laboratoriais e necropsias, além do uso de animais sentinelas para detectar a presença de doenças.
  6. Erradicação: Se uma doença for detectada, os animais afetados devem ser removidos do lote e tratados ou eutanasiados. A área deve ser limpa e desinfetada minuciosamente e os animais restantes devem ser monitorados quanto a sinais de doença. Em geral, quando aplicável, a erradicação considera a eliminação da totalidade dos animais que compõe o lote afetado.
  7.  
    1. Auditoria: Devem ser realizadas auditorias regulares para garantir que as medidas de biosseguridade são seguidas e para identificar pontos de melhoria.
    2. Educação Continuada: A educação e o treinamento adequados de todo o pessoal são essenciais para um programa de biosseguridade bem-sucedido. Isso inclui treinamento sobre protocolos de biosseguridade, detecção de doenças e resposta a emergências.
    3. Plano de contingência: Deve existir um plano de contingência para delinear as medidas a tomar em caso de surto de doenças. Esse plano deve incluir protocolos para isolar os lotes afetados, limpar e desinfetar a área e comunicar com as autoridades reguladoras e outras partes interessadas.

    Os pontos acima descritos são teóricos e podem ter aplicabilidade limitada no sistema produtivo da suinocultura atual, como é o caso da erradicação que somente se aplica efetivamente a enfermidades que, atualmente, são exóticas no Brasil. No entanto, do ponto de vista prático, a maioria deles é aplicável na atual realidade da suinocultura na mesma medida em que é importante para a manutenção da saúde dos animais.

    Em geral, uma abordagem superficial do conceito de isolamento remete a um isolamento geográfico da granja, com distâncias consideráveis de qualquer outro tipo de unidade de produção ou criação animal, incluindo um cinturão verde de algumas centenas de metros no perímetro da granja. No entanto, esta realidade, se alguma vez já foi comum, atualmente é cada vez mais rara e uma abordagem mais aprofundada deste conceito traz à luz uma série de procedimentos que devem ser adotados para um pleno atendimento do que se espera em termos de isolamento da granja, barracão ou dos animais.

    Limitar o acesso às instalações de produção suína apenas a pessoal autorizado é uma medida essencial de biosseguridade. Permitir a entrada de pessoas ou veículos não autorizados nas instalações aumenta o risco de introdução de patógenos que podem infectar os animais. Pessoas e veículos podem trazer patógenos de outros locais, e equipamentos também podem servir como carreadores de agentes causadores de doenças. Por isso, devem ser estabelecidos protocolos rígidos para a circulação de pessoas, animais e equipamentos dentro e fora da granja, que incluem a instalação de telas anti-pássaros nos barracões, cercas perimetrais nas granjas ou núcleos e instalações para execução de procedimentos de barreira sanitária, do ponto de vista estrutural, além da implantação de procedimentos como banho, troca de roupas e calçados, desinfecção de materiais e veículos, registro de acesso de pessoas e veículos, controle de roedores e outras pragas, entre outros.

    A desinfecção de veículos e equipamentos é um passo importante na prevenção da disseminação de patógenos. Os veículos que entram na granja devem ser limpos e desinfectados cuidadosamente antes da entrada e da saída. Os visitantes e funcionários devem usar roupas exclusivas para cada granja. Essas medidas ajudam a minimizar o risco de transmissão de doenças de fontes externas.

    Manter as instalações e equipamentos limpos é crucial para evitar a propagação de doenças. Um ambiente limpo ajuda a reduzir o risco de exposição a patógenos causadores de doenças. A limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos devem ser realizadas regularmente e de acordo com protocolos rígidos. Para o efetivo cumprimento dos protocolos de limpeza e desinfecção, a prática de alojamentos todos-dentro-todos-fora é essencial e se refere a uma prática de manejo higiênico-sanitário rigorosa, na qual todos os animais de um determinado compartimento, setor ou instalação entram ao mesmo tempo e são removidos juntos, sem que haja mistura com outros animais em fases diferentes de crescimento, idades ou condições sanitárias distintas. Isso é essencial para assegurar que a área possa ser completamente limpa e desinfetada antes da introdução de novos animais.

    A prática do todos-dentro-todos-fora permite que cada compartimento funcione como uma unidade de biosseguridade independente. Isso significa que, mesmo dentro de uma única granja ou instalação, diferentes compartimentos podem operar de maneira isolada uns dos outros em termos de controle sanitário, facilitando o manejo de doenças e prevenindo a disseminação de agentes infecciosos entre os compartimentos. Esta estratégia é particularmente útil em granjas de reprodução, nas quais, na prática e mesmo considerando cada barracão de forma independente, não é possível o efetivo esvaziamento. Assim, de forma compartimentada ou setorizada, é possível atender um mínimo de condições para um efetivo cumprimento dos procedimentos de limpeza e desinfecção. A segregação da granja ou instalação em compartimentos nos quais o conceito todos-dentro-todos-fora é aplicado, portanto, oferece uma estratégia eficaz para o manejo sanitário, promovendo um ambiente mais controlado e seguro para o crescimento e desenvolvimento dos animais, além de contribuir significativamente para a prevenção de doenças e para a produção eficiente e sustentável.

    É importante reforçar que, para granjas de creche e crescimento/terminação, é possível estabelecer uma logística de recebimento e expedição de animais de forma a proporcionar a efetiva aplicação do conceito todos-dentro-todos-fora, favorecendo outro aspecto importante de biosseguridade e programas sanitários para granjas de suínos que é a uniformidade de idades dos animais nestas granjas. Em outras palavras, para estas granjas não é recomendável a segmentação dentro da própria unidade epidemiológica, sob pena de comprometer os resultados sanitários e zootécnicos.

    O monitoramento regular da saúde dos animais é essencial para a detecção precoce de doenças. Lotes de animais que apresentem sinais de doença devem ser isolados, diagnosticados e ter implantados protocolos adequados de tratativas para evitar a propagação da doença. O monitoramento pode ser feito através de observação clínica dos suínos em busca de sinais de doenças, como letargia, perda de apetite ou desconforto respiratório, através de avaliações de necropsia ou pela coleta e análise de amostras, como sangue, fezes, saliva ou outros materiais. Variações no consumo de água também podem ser um indicativo de alterações de saúde no lote.

    A vacinação é uma ferramenta eficaz para prevenir a propagação de certas doenças nas populações de suínos. Os programas de vacinação devem ser desenhados e implantados pelo Médico Veterinário responsável pelo controle sanitário do plantel, que levará em consideração a categoria animal (reprodução ou corte), as condições das granjas, os desafios da região, as variações sazonais, entre outros fatores. Nesse contexto, destacam-se alguns pontos cruciais relacionados à vacinação:

    1. Definição das doenças para as quais serão utilizadas vacinas:

    1.1.       Prevalência do Agente Infeccioso: A prevalência de certos patógenos na região ou na unidade produtiva específica deve guiar a seleção das vacinas. É imperativo entender quais doenças são mais comuns e quais representam riscos significativos para os animais.

    1.2.       Importância Epidemiológica: Doenças com alta transmissibilidade e que podem causar surtos graves merecem atenção especial. A vacinação, nesses casos, atua como uma barreira de proteção, minimizando a disseminação de agentes infecciosos.

    1.3.       Impacto na Fase de Produção: O estágio de produção dos animais influencia o programa de vacinação. As matrizes, por exemplo, necessitam de um protocolo de vacinação que considere sua função reprodutiva, enquanto os suínos de corte requerem proteção contra doenças que afetam seu crescimento e desenvolvimento.

     

    1. Definição do Programa de Vacinação:

    2.1.       Tipos de Vacinas: Existem diferentes tipos de vacinas disponíveis, incluindo vacinas vivas atenuadas, inativadas e subunidades. A escolha depende da doença-alvo, da idade dos suínos e dos objetivos específicos da prevenção.

    2.2.       Idade para Vacinação: A idade ideal para a vacinação varia conforme a doença em questão e a dinâmica imunológica dos animais.

    2.3.       Número de Doses: Algumas vacinas requerem doses múltiplas para garantir imunidade adequada.

    2.4.       Via de Aplicação: As vacinas podem ser administradas de diferentes formas, como injeções subcutâneas, intradérmicas ou intramusculares, via oral ou por sprays.

    2.5.       Anticorpos Maternos: Considerar a presença de anticorpos maternos é crucial, pois podem interferir na eficácia da vacinação em leitões.

    1. Cuidados com Vacinas e Vacinações:

    3.1.       Condições de Transporte e Armazenamento: As vacinas devem ser transportadas e armazenadas em temperaturas adequadas para preservar sua eficácia.

    3.2.       Manutenção de Equipamentos: Equipamentos de vacinação devem ser limpos, desinfetados e bem mantidos.

    3.3.       Tamanho da Agulha: A agulha deve ser de tamanho apropriado para o tipo e idade dos suínos, sendo trocada frequentemente para evitar contaminação e danos aos tecidos.

    A vacinação é um processo que exige planejamento detalhado e execução cuidadosa. Identificar as doenças relevantes, definir um programa de vacinação adequado e tomar precauções durante o manuseio e aplicação das vacinas são etapas indispensáveis para garantir o sucesso da imunização dos suínos e, consequentemente, promover a saúde e produtividade do rebanho.

    Além de um programa vacinal bem desenhado e executado, é necessário dispensar atenção aos programas preventivos adotados com foco em saúde intestinal, que devem ser elaborados de acordo com a necessidade de cada plantel, especialmente nos sistemas de produção livres de antibióticos promotores de crescimento (AGP-Free) e podem incluir estratégias mais amplas do que simplesmente o controle de patógenos como a modulação da microbiota intestinal e um suporte ao sistema imunológico em geral. Atenção especial deve ser dada aos programas de saúde intestinal das fêmeas suínas pois esta não só é crucial para nutrição e bem-estar da própria fêmea, mas também influencia diretamente a qualidade do colostro e o desenvolvimento subsequente dos leitões. Um programa preventivo para saúde intestinal bem desenhado é fundamental, envolvendo possivelmente o uso de probióticos, prebióticos, fitogênicos e ácidos orgânicos entre outras estratégias via alimentação, juntamente com práticas de manejo adequadas. Essas medidas são vitais para promover uma microbiota intestinal saudável nas porcas, resultando em colostro rico em anticorpos e nutrientes essenciais, proporcionando aos leitões um início de vida robusto e protegido contra infecções.

    Estratégias preventivas de saúde intestinal são essenciais, especialmente em sistemas de produção livres de antibióticos promotores de crescimento (AGP-Free), onde a saúde intestinal sustentável é central para o sucesso produtivo. Investir em um programa cuidadoso não apenas eleva o status sanitário de porcas e leitões, mas também impulsiona a produtividade e a sustentabilidade do rebanho suíno como um todo.

    A qualidade da água fornecida aos animais tem papel fundamental na sua saúde. Cabe ressaltar que a água é um importante nutriente para os animais e deve-se observar tanto a sua qualidade microbiológica quanto físico-química. Em linhas gerais, a qualidade microbiológica é garantida através da cloração compulsória, com níveis em torno de 3 ppm de cloro livre no ponto de consumo de água mais distante do ponto de cloração. Já no que diz respeito à qualidade físico-química, tanto a dureza quanto o pH da água devem ser observados e, sempre que possível, corrigidos. Lembrando que águas com pH levemente ácido (entre 5,0 e 6,5) são ideais, do ponto de vista de saúde animal, pois favorecem a apresentação do cloro na forma de ácido hipocloroso que é a forma ativa contra microrganismos. Além da qualidade da água em si, é preciso garantir a limpeza e desinfecção adequada de todo o sistema de fornecimento de água aos animais, incluindo o reservatório e as tubulações.

    O treinamento adequado do pessoal é essencial para a manutenção de um programa robusto de biosseguridade. Os funcionários devem ser educados sobre a importância das medidas de biosseguridade, bem como sobre como implementá-las e segui-las. Treinamentos regulares podem ajudar a reforçar a importância dessas medidas e garantir que todo o pessoal esteja ciente dos mais recentes protocolos de biosseguridade. O treinamento adequado também reduz a probabilidade de erro humano, o que pode levar à introdução de agentes causadores de doenças no rebanho.

    O sucesso de um programa de biosseguridade passa, necessariamente, pelas pessoas envolvidas com o processo produtivo. Neste sentido, torna-se essencial não só treinar adequada e constantemente as equipes como, também, ouvi-las sobre o que tem a dizer a respeito do programa já implantado e as possíveis melhorias no sentido de atender às premissas teóricas de um programa e torná-lo exequível do ponto de vista operacional.

    A biosseguridade é um aspecto crítico para a manutenção da saúde e produtividade dos rebanhos suínos. Com a redução do uso de antibióticos, a prevenção da introdução e disseminação de doenças torna-se ainda mais importante. Cabe ressaltar que um programa de biosseguridade deve ser elaborado e implantado conforme as características do sistema produtivo a que se propõe, atendendo às particularidades específicas das granjas, categorias animais, situação geográfica, desafios, entre outros critérios. Além disso, o programa de biosseguridade não é estático, passando por constante aperfeiçoamento ao longo do tempo e acompanhando a evolução de outros aspectos relacionados à produção animal como padrões de manejo e nutrição.


Compartilhar

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp ( clique aqui ), ( clique aqui ) ou Telegram Portal Agron ( clique aqui ), Telegram Pecuária ( clique aqui ) , Telegram Agricultura ( clique aqui ) e no nosso Twitter ( clique aqui ) . 🚜 🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias ( clique aqui )

  • Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!
  • Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.
  • Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!
  • If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!
  • We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.
  • We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: