motor híbrido

Futuro do motor híbrido a etanol

Compartilhar

Especialistas destacam futuro do motor híbrido a etanol no Brasil.

Veja também: Vodka produzida a partir do leite de ovelha

Tecnologia apresenta pegada de carbono menor do que a dos veículos somente elétricos.

Buscando discutir sobre alternativas de uma nova fonte de energia limpa para combustíveis, foi realizado, nesta quarta-feira (6), o “Híbrido Etanol: O Motor do Futuro”. O evento reuniu nomes importantes dos setores público e privado para debater a possibilidade do motor híbrido a etanol como alternativa energética para mobilidade. O evento foi presencial restrito a convidados.

O primeiro painel “Rotas tecnológicas para a mobilidade sustentável”, contou com o professor universitário Wanderlei Marinho da Silva; Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen Região SAM (América do Sul, América Central e Caribe); e Thiago Sugahara, vice-presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) e gerente de Assuntos Governamentais da Toyota do Brasil, com mediação de Eduardo Leão, diretor-executivo da Unica.

O segundo painel abordou “O marco legal para o motor do futuro”, com Margarete Gandini, presidente e CEO da Volkswagen Região SAM (América do Sul, América Central e Caribe); Evandro Gussi, presidente da Unica; e Wellington Damasceno, diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Apesar do Brasil já ter consolidado o etanol como uma alternativa limpa à gasolina, a indústria automobilística global passa atualmente por uma de suas maiores reinvenções e caminha para um futuro dominado pelo carro elétrico. A novidade, que norteará o encontro, é o desenvolvimento de veículos híbridos elétricos com propulsor a combustão flex ou movido exclusivamente a etanol.

A ideia envolve um sistema híbrido, composto por um motor a etanol associado a um motor elétrico, e a perspectiva real do motor à célula de hidrogênio, gerado a partir do etanol. Seriam alternativas aos veículos elétricos, sem a necessidade de serem carregados na tomada e com a vantagem de ter uma pegada de carbono menor do que a dos veículos somente elétricos.

Erick Silva, presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo, inclusive questionou se oferecer subsídios a pessoas que têm possibilidade de pagar mais caro por um veículo elétrico. “Veículo elétrico que custa caríssimo e não tem nada de tecnologia nacional, não paga IPVA. Quem custeia isso? Faz sentido?”, provocou Silva.

“Temos uma oportunidade ímpar, nestes dois painéis trouxemos um debate que nos projeta para o futuro. Mostra que estamos abertos a todas as tecnologias no Brasil, mas que não precisamos jogar fora o que a gente tem”, disse o presidente da Unica, Evandro Gussi. “Não precisamos andar nas ondas e modelos pré-fabricados por outros. Temos que mirar onde queremos chegar: governo, iniciativa privada e trabalhadores pensando no melhor para o país”. Participantes do evento, a Toyota já tem veículos híbridos flex no Brasil e a Volkswagen planeja vários lançamentos com essa alternativa de motorização.

Gussi disse que é necessário diversificar a produção de etanol e incluir na discussão, o biometano (90% que vem do setor sucroenergético) que já está substituindo o diesel. “Estaremos daqui a 10 dias na Índia, que vem se consolidando como grande parceiro estratégico para difusão do etanol no mundo”, adiantou. Segundo ele, a indústria automobilística trabalha com possibilidades de larga escala e poderá olhar o Brasil, América Latina e Índia como mercados para motores híbridos a etanol. Segundo o presidente da Unica, Tailândia, Paquistão e alguns países africanos também têm potencial de explorar o etanol como combustível alternativo limpo à gasolina.

Sobre o evento

O evento “Híbrido Etanol: o Motor do Futuro” foi organizado pela Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo (FEM-CUT/SP), União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e pelo Centro Multidisciplinar de Pesquisa em Combustíveis, Biocombustíveis, Petróleo e Derivados (CEMPQC). O painel também conta com apoio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, da Prefeitura de Araraquara, das montadoras Volkswagen e Toyota e do CEAR.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos.

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

2 thoughts on “Futuro do motor híbrido a etanol

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: