guerra

Guerra faz preços do trigo, milho e óleos vegetais disparar

Compartilhar

Guerra na Ucrânia faz disparar preços do trigo, milho e óleos vegetais diz FAO.

Veja também: Vodka produzida a partir do leite de ovelha

Índice do Preço dos Alimentos da agência da ONU para Alimentação e Agricultura chegou a 159.3 pontos em março, alta de 12,6% em relação a fevereiro.

Guerra na Ucrânia

Como já havia sido anunciado, a guerra na Ucrânia está criando uma disparada no preço dos alimentos. Em março, o conflito na região do Mar Negro causou uma alta recorde no valor dos cereais e dos óleos vegetais, diz o “ONU News”.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, divulgou nesta sexta-feira o Índice do Preço dos Alimentos com uma alta de 12,6% se comparado ao mês de fevereiro com a marca de 159.3 pontos. Essas são as maiores altas desde a criação do Índice em 1990.

Consequências e 2008

Juntas, Rússia e Ucrânia concentram quase 30% da exportação global de trigo e 80% das exportações de girassol. A Rússia é ainda o maior exportador de fertilizantes. A interrupção em ambos os países é sentida no sistema agroalimentar mundial.

A subida no preço da cesta básica em março foi de 33,6% se comparada ao mesmo mês do ano passado.

O diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, alerta sobre as consequências da guerra para a segurança alimentar. Para ele, é preciso evitar uma crise dos alimentos semelhante a que ocorreu em 2008, quando segundo ele, foram aplicadas “medidas contraproducentes”.

Desastre natural

Quem lembrou que desta vez, a diferença não é um desastre natural com a seca de 14 anos atrás, e que é preciso garantir a estação de plantio.

A FAO sugere algumas medidas para conter novos choques de preço. Entre elas o apoio aos países mais vulneráveis e o uso eficiente de fertilizantes, planos de proteção social à medida, melhorias em medidas de biossegurança em países vizinhos da Ucrânia para minimizar riscos como a febre africana suína e outras doenças animais.

Carne, leite e óleo

A disparada em março foi registrada no trigo com 19,7% e no índice dos cereais de 17,1% puxadas pelo aumento dos grãos duros. A preocupação com as condições da colheita nos Estados Unidos também influiu no aumento, segundo a FAO.

A agência da ONU também citou que o preço do milho está registrando um aumento de 19,1% de mês a mês, ao longo da alta no preço do sorgo e da cevada.

Já o índice do açúcar subiu 6,7% desde fevereiro revertendo as baixas recentes. Nesse caso, o aumento do preço do petróleo puxou a subida juntamente com a valorização da moeda brasileira, o Real, e expectativas de safras melhores na Índia.

E na prateleira do óleo de soja, o aumento foi de 23,2% por causa das cotações maiores para a semente do óleo de girassol, da qual a Ucrânia é o maior exportador mundial. Os preços para o óleo de soja também causam preocupações devido à redução de exportações pela América do Sul.

A carne subiu 4,8% em março puxada pelo preço da carne suína e de uma queda no abate de porcos no leste europeu. O preço internacional das aves também registrou alta em meio a surtos de gripe aviária em alguns países. Os derivados do leite aumentaram 2,6% em março e 23,6% a mais que em março de 2021.

Brasil, Argentina e África do Sul

Mesmo assim, a FAO vê melhores notícias para exportação de grãos duros em países como Argentina, Brasil e África do Sul.

A produção de arroz, milho e trigo deve subir com projeções de 2,7 milhões de toneladas para a utilização global de cereais em 2021 e 2022.

Os estoques de cereais também podem fechar este ano com um aumento de 2,4%, uma redução leve se comparada ao ano anterior.

A FAO baixou sua projeção para o mercado mundial de cereais no atual ano mercadológico para 469 milhões de toneladas, indicando a contração para o biênio anterior por causa da guerra na Ucrânia.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos.

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

One thought on “Guerra faz preços do trigo, milho e óleos vegetais disparar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: