Mercado mexicano está aberto ao arroz brasileiro

Mercado mexicano está aberto ao arroz brasileiro

Compartilhar

Mercado mexicano está aberto ao arroz brasileiro. Mapa oficializa Irga sobre abertura do mercado mexicano ao arroz brasileiro.

Agron Home

Veja também: Zoneamento agrícola do arroz de sequeiro e irrigado

Mercado mexicano está aberto ao arroz brasileiro

O Instituto Rio Grandense do Arroz foi comunicado oficialmente pelo Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) sobre a abertura de cota por parte do México para a importação de 75 mil toneladas de arroz em casca até dezembro deste ano. O Mapa encaminhou correspondência ao Irga nesta terça-feira (27), solicitando à autarquia reforço na divulgação da notícia junto ao setor orizícola gaúcho, levando em conta o desempenho da safra 2020/2021.

“A informação já era conhecida desde setembro do ano passado, mas ainda faltava confirmação. Com essa divulgação agora por parte do Mapa, nos possibilita a busca deste mercado, principalmente por se tratar de arroz em casca. Com a boa colheita, a produção total será um pouco acima da safra anterior, mantendo o abastecimento, viabilizando a exportação e regulando o mercado”, acrescenta o diretor comercial do Irga, João Batista Camargo Gomes.

O México comunicou ao Governo brasileiro, no ano passado, a aprovação do Certificado Zoossanitário Internacional proposto para a exportação de ovos de aves, subprodutos e partes. Ao mesmo tempo, informou o Brasil sobre a abertura de cota tarifária plurianual para a importação de arroz com casca. Em 2020, o volume do cereal autorizado a ingressar no México com tarifa zero era de 30 mil toneladas. Neste ano, a cota aumenta para 75 mil toneladas.

Fonte: Instituto Rio Grandense do Arroz – Irga.

Preço do arroz segue firme neste fim de temporada. A colheita do arroz da temporada 2020/21 está terminando no Rio Grande do Sul. Mesmo assim, o preço segue firme em boa parte das regiões produtoras do estado – esse cenário tem favorecido a receita dos produtores que estão negociando o produto da nova safra.

Segundo colaboradores do Cepea, as unidades de beneficiamento ainda sinalizam certa dificuldade de comercialização de arroz com atacadistas e varejistas, relatando custos mais elevados, o que acaba influenciando as margens e transmissões de preços entre os elos da cadeia.

Entre 20 e 27 de abril, o Indicador ESALQ/SENAR-RS, 58% grãos inteiros (média ponderada e pagamento à vista), permaneceu praticamente estável (-0,02%), fechando a R$ 86,64/sc de 50 kg no dia 27.

Fonte: Cepea.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *