Representantes da cadeia de soja de 10 países visitam fazendas certificadas em sustentabilidade no Brasil

Compartilhar

Duas fazendas do Triângulo Mineiro receberam visita de grupo de 70 pessoas que fazem parte da Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS)

Um grupo de 70 pessoas ligadas à cadeia produtiva da soja, entre produtores, representantes de indústrias, instituições financeiras, tradings e ONGs de 10 países visitou duas fazendas da região do Triângulo Mineiro certificadas como produção de soja responsável pela Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS – Round Table on Responsible Soy).

Composto por representantes do Brasil, Holanda, Suíça, Bélgica, Argentina, Paraguai, Reino Unido, Japão, França e Alemanha, o grupo conheceu a Fazenda Água Santa, localizada entre os municípios de Perdizes e Santa Juliana (MG) e a Fazenda São José, que fica em Araguari (MG). Ambas possuem a certificação Padrão RTRS de Produção de Soja Responsável, assegurando que a soja foi produzida em condições ambientalmente corretas, socialmente justas e economicamente viáveis, com zero desmatamento.

A Fazenda Água Santa, que teve área plantada de soja de 34 mil hectares na safra 21/22, é certificada RTRS desde 2016, a partir do trabalho da Produzindo Certo em parceria a Unilever. Desde então, produziu 134 mil toneladas de soja certificada. A propriedade conta com 1,6 mil hectares de área protegida e 95% da APP (Área de Preservação Permanente) preservada.

Para a engenheira agrônoma Tamires Maruzzo, responsável pelas certificações na Fazenda Água Santa, além do inegável avanço na parte ambiental, a certificação RTRS trouxe ganhos também para a produção e o aspecto social da fazenda. “Melhorou muito o nosso controle na parte produtiva, principalmente em relação aos custos, ao que entra e sai, o que é fundamental para sermos mais eficientes. Além disso, é indiscutível o impacto na parte social, a percepção dos colaboradores em relação a benefícios e melhorias para as pessoas”, descreveu Tamires. Para ela, é gratificante receber visitas como a do grupo da RTRS. “Vemos que o nosso trabalho está dando certo e que nos tornamos exemplo aqui no Brasil e no mundo. Queremos mostrar que não é preciso ter receio de ser certificado. Quando passamos pela certificação, não é nada menos do que dar uma organizada na casa e passar a ter controle de certas coisas que antes não tínhamos. Mas acima de tudo, queremos mostrar que é possível produzir de forma sustentável e responsável”, destacou a agrônoma.

De acordo com a gerente de projetos da produção de soja da Produzindo Certo, Cristhiane Simioli, a visita do grupo proporciona uma grande oportunidade de quem elabora as normativas da certificação conhecer mais de perto a realidade do campo. “É muito importante que possam conhecer a realidade que vivemos no Brasil, com as dificuldades, desafios e oportunidades, pois o ideal é longe do real que temos. Então é importante que conheçam da porteira para dentro da fazenda para que possamos aprimorar, crescer e ganhar escala”.


Certificação tanto para fazendas maiores como de menor porte

A fim de mostrar uma propriedade de menor porte, o grupo da RTRS visitou também a Fazenda São José – Estância das Águas, que conta com uma área de produção de soja de 325 hectares, com volume de produção de 1072 toneladas. Cerca de 250 hectares de área produtiva são irrigados por sistema de pivô central. A propriedade possui 110 hectares de área reservada à preservação da vegetação nativa, o que corresponde a 22% de sua área total. Destes, 8% são áreas destinadas à recuperação da vegetação nativa. A fazenda está em fase final da certificação RTRS, pertence ao grupo de gestão da CJ Selecta e conta com o apoio de consultoria técnica da Produzindo Certo.

A conclusão da visita se deu na planta de Araguari da CJ Selecta, que faz o esmagamento de 2.200 toneladas de soja por dia, processando e produzindo produtos como óleo de soja, casca de soja, leticina e o Concentrado Proteico de Soja (SPC – Soy protein concentrate), ingrediente utilizado em diversas aplicações para ração animal, em especial de peixes e salmão. Além disso, a fábrica, com processo bastante circular e sustentável, produz fertilizantes orgânicos, etanol à base de melaço de soja, entre outros.

As visitas agradaram o importador de soja da empresa holandesa Nevedi, Henk Flipsen. “Todas as empresas da Europa, principalmente da Holanda, de onde venho, querem ser responsáveis. Por isso, é muito importante ter a certificação para provar que a soja que está sendo comprada é produzida de maneira responsável”, declarou o holandês.

“Achamos crucial mostrar para as pessoas, em especial da Europa, o que está realmente acontecendo e quais os esforços que estão sendo feitos aqui para preservar a natureza. E realmente estamos vendo que é uma realidade”, afirmou o representante da associação Product Board for Margarine, Fats and Oils (MVO), Eddy Esselink.

“A viagem de campo foi uma excelente oportunidade para os diversos atores da cadeia produtiva da soja conhecerem mais sobre o impacto da certificação RTRS e, ao mesmo tempo, entender o que ocorre ao longo da cadeia de fornecimento sustentável, desde a origem da soja até o processamento e distribuição, demonstrando que é possível assegurar que produtos processados de soja foram produzidos em condições ambientalmente corretas, socialmente justas e economicamente viáveis com zero desmatamento”, destacou a gerente de ESG da CJ Selecta, Patricia Sugui.

Para o presidente da RTRS, Lieven Callewaert, foi muito proveitosa a oportunidade para o grupo, composto por diversos representantes da cadeia produtiva, conhecer a campo uma fazenda de maior porte e outra de menor porte, desde a produção até o processamento na fábrica da CJ Selecta. “Mesmo diante de algumas incertezas, como a nova legislação europeia de zero desmatamento que entrará em vigor no final do próximo ano, depois dessa viagem acredito que estamos fazendo a coisa certa do jeito correto. E de forma colaborativa podemos ter muitas inovações e trilhar o caminho da regeneração, não só de práticas agrícolas, mas também no componente social, pois adiciona muito valor às empresas compradoras”, analisou.

Sobre a CJ Selecta

Desde 1984, a CJ Selecta atua com pioneirismo na fabricação de produtos derivados de soja para diversos segmentos. Com sede em Uberlândia (MG), uma unidade industrial em Araguari (MG), um escritório comercial em São Paulo (SP) e várias filiais espalhadas pelo Brasil, a companhia é hoje umas das maiores exportadoras de Concentrado de Proteico de Soja (SPC, na sigla em inglês soy protein concentrate), com fontes de soja transgênica e não-transgênica.

Em 2017, a empresa passou por uma grande transformação após ter seu controle operacional adquirido pelo grupo sul coreano CJ CheilJedang. Até então conhecida como Sementes Selecta, a companhia passa a se chamar CJ Selecta, tornando-se parte de um dos maiores conglomerados do mundo em alimentos, produtos farmacêuticos, biotecnologia, entretenimento, mídia, compras para casa e logística.

Hoje, a companhia faz parte da CJ Bio Division, líder global em biociência a partir do desenvolvimento de produtos que atendem às necessidades do cliente com base na biotecnologia sustentável. Com foco em oferecer soluções ambientalmente amigáveis, nos últimos 50 anos a empresa vem trabalhando no desenvolvimento de tecnologias de ponta para microorganismos, se tornando referência no mercado de aminoácidos alimentares e nucleotídeos fermentados para alimentos.

Mais informações: https://www.cjselecta.com.br/


Compartilhar

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp ( clique aqui ), ( clique aqui ) ou Telegram Portal Agron ( clique aqui ), Telegram Pecuária ( clique aqui ) , Telegram Agricultura ( clique aqui ) e no nosso Twitter ( clique aqui ) . 🚜 🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias ( clique aqui )

  • Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!
  • Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.
  • Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!
  • If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!
  • We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.
  • We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: