Adotar estratégias para a suplementação de vacas de corte nas secas garante melhores índices reprodutivos

Compartilhar

A longo prazo, o planejamento bem definido nesta fase resultará em bom desempenho ao rebanho e lucratividade à propriedade

O início do período das secas é momento de decisão importante para o pecuarista quanto ao desempenho dos animais. Na prática, isso quer dizer que as decisões tomadas sobre o planejamento na propriedade irão impactar todo o rebanho. Desta forma, é fundamental que o produtor tenha suas prioridades bem definidas nesta fase para colher bom desempenho a longo prazo.

A opinião é da médica-veterinária e Coordenadora de Produtos da Connan Júlia Marques que indica estratégias para a suplementação para vacas de corte durante o período das secas. A especialista explica que a condição corporal das vacas ao parto, ou seja, o teor de gordura corporal, tem alta correlação com a fertilidade dos animais na próxima estação de monta. Portanto, o investimento em um bom programa nutricional é importante para obter sucesso nos índices reprodutivos.

“Estamos na metade do ano, em que a maioria das vacas se encontram no terço médio de gestação, o qual há o maior desenvolvimento das fibras musculares do feto. Neste momento, a nutrição materna será determinante no crescimento muscular do bezerro e, possíveis falhas nesta fase irão trazer prejuízos para toda a vida do animal que está sendo gerado”, explica Júlia.

Qual estratégia devo seguir?

Pensando sobre este aspecto fundamental, a médica-veterinária indica algumas estratégias para a suplementação para vacas de corte como, por exemplo, segmentar os lotes por condição corporal. “Animais que já se encontram no escore 3 ou 4 no período seco podem ter um nível de suplementação de mantença, com ureado, enquanto que as mais magras devem receber uma suplementação diferenciada para ganho de peso com proteico ou proteico-energético”, afirma. 

Além disso, segunda ela, é importante diferenciar novilhas, primíparas e multíparas. “Os lotes também devem ser divididos de acordo com o estágio de vida em que a fêmea se encontra. As primíparas têm exigências maiores do que as multíparas, por serem gestantes ainda em crescimento, enquanto que novilhas também terão outra estratégia de suplementação”.

“A dica é: utilize a suplementação (peso vivo) de 1g/kg para novilhas e de 3g/kg para primíparas. O suplemento bem formulado, aliado com a disponibilidade do pasto, fornecerão os resultados esperados”, garante a especialista.

Para ela, as vacas que serão descartadas devem ser separadas para a engorda, que pode ser realizada pela Terminação Intensiva a Pasto (TIP). “Dessa maneira, se consegue valorizar a venda do animal e gerar maior rentabilidade”, pontua.

Sobre a Connan

Com sede em Boituva (SP) e filiais em Campo Verde (MT), São Gabriel D’Oeste (MS) e, a partir de setembro de 2020, em Araguari (MG), a Connan – Geração de Resultados iniciou suas atividades em 2004 e tem como principais acionistas os engenheiros agrônomos Fernando Penteado Cardoso Filho e Eduardo Penteado Cardoso, membros da família fundadora da empresa MANAH, do famoso slogan “Com MANAH adubando dá”, criado pelo patriarca Dr. Fernando Penteado Cardoso. Os dois irmãos, e sócios, também são detentores da patente Nelore Lemgruber, desenvolvendo e expandindo a genética na Fazenda Mundo Novo, localizada em Uberaba (MG).

Com mais de 150 representantes comerciais, a Connan é a única empresa nacional a produzir o próprio fosfato bicálcico – Aglomerax, o que lhe confere grande diferencial competitivo e garantia de qualidade dos produtos. Mais informações: http://www.connan.com.br.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: