Simpósio FACTA de vacinas autógenas em saúde animal aborda melhorias no aspecto sanitário para a avicultura

Compartilhar

Evento será realizado de forma totalmente on-line no próximo dia 15 de Setembro  e promoverá uma troca de informações sobre as auto vacinas e como a avicultura pode se beneficiar delas

A FACTA promoverá de forma on-line no dia 15 de Setembro o Simpósio FACTA de vacinas autógenas em saúde animal.  As vacinas autógenas, as chamadas ‘auto vacinas’, são produzidas com antígenos inativados, sem risco algum de disseminar qualquer tipo de patógeno ao plantel.

O Coordenador do Simpósio FACTA de vacinas autógenas Paulo Martins explica que na Europa elas já são amplamente usadas há pelo menos quarenta anos. “No Brasil elas já são utilizadas em suínos e em peixes, mais especificamente na produção de tilápias, porém, em avicultura ainda não”, relata. “Este é um dos motivos pelo qual este evento vai traçar um paralelo junto aos sistemas de produção destas duas outras espécies, promover uma ampla troca de informações, entender melhor como as auto vacinas funcionam e como a avicultura pode se beneficiar”, aponta.

Ele destaca também que essa tendência vem ao encontro da redução do uso de antimicrobianos de forma profilática, pois já é grande a pressão dos organismos internacionais e dos consumidores neste sentido. “Vamos trazer representantes do Ministério da Agricultura, inclusive para falar sobre a legislação atual para produção, comercialização e aplicação de vacinas autógenas e também para ouvir sugestões dos participantes”, diz.  “As palestras também abordarão temas ligados ao desenvolvimento da imunidade: como as vacinas autógenas estimulam o sistema imunológico, quais mecanismos celulares são ativados e qual a importância da transferência de anticorpos à progênie”, aponta.

Segundo Paulo Martins o Brasil é sempre muito ‘vigiado’ sanitariamente por sua grande participação no mercado internacional de proteína animal. “Daí vem a nossa ‘excelência’ em produção avícola. Para exportar para a Europa e Japão, por exemplo, seguimos um nível de exigência muito grande, o que somente confirma nosso status sanitário”, destaca.

Vacinas comerciais x vacinas autógenas

Martins informa que os adenovírus compõem um grande grupo viral de taxonomia complexa. “No Brasil desde os anos 80, conhecemos uma enfermidade conhecida como EDS, para a qual existem vacinas comerciais inativadas, muito eficientes. Nos países do Pacífico outros tipos de adenovírus produzem patologias distintas como Síndrome de Hidropericárdio e, mais recentemente, Erosão Viral de Moela. Vacinas inativadas comerciais e autógenas são utilizadas nas reprodutoras, nesses países, para o controle do problema em suas progênies. Porém, há cerca de dois anos esses quadros começaram a aparecer aqui no Brasil, mas nós não temos, ainda, vacinas inativadas comerciais disponíveis”, detalha. 

Paulo Martins explica que outro grupo viral – os Reovírus – responsáveis pela Artrite Viral (Tenosinovite) há anos contam com vacinas inativadas comerciais eficazes no Brasil. “Infelizmente, uma variante, aparentemente, está escapando da imunidade conferidas pelas vacinas comerciais de linha”, diz.

Ele relata que situações semelhantes ocorrem com algumas enfermidades bacterianas. “Sempre houve uma proteção muito grande por parte das vacinas comerciais contra Coriza e Cólera Aviária do mercado brasileiro. Porém, há alguns meses, começaram a ser registrados casos de coriza em frangos de corte e em poedeiras, bem como casos de Cólera Aviária em reprodutoras e poedeiras, mesmo em lotes vacinados com tradicionais produtos comerciais”, aponta.  “Já nos recentes casos envolvendo a Escherichia coli, principalmente na região Sul do Brasil, a situação foi mais complexa. O aumento de quadros respiratórios de origem viral, a restrição ao uso de antibióticos por parte de mercados importadores e a emergência de linhagens mais patogênicas de E. coli, com características até mesmo pandêmicas, estimulou os sanitaristas a pensarem na possibilidade de utilizar autovacinas, nas reprodutoras, para estas novas cepas”, afirma.

De acordo com o Presidente da FACTA Ariel Mendes a nova política da FACTA é a de focar mais em eventos técnicos sobre assuntos específicos o que, segundo ele, permitirá a entidade aprofundar mais as discussões.  “Além disso, no caso do Simpósio de Vacinas Autógenas em saúde animal, estamos ampliando nossa área de atuação incluindo suínos e peixes no temário uma vez que muitas empresas do setor avícola também produzem essas outras espécies”, apontou.

Sobre a FACTA

A FACTA é uma organização civil sem fins lucrativos, fundada em 10 de agosto de 1989, a qual incorpora e amplia atividades técnicas e científicas. Tendo como foco principal o fomento e a difusão de novos conhecimentos e tecnologias aplicáveis ao desenvolvimento sustentável da avicultura, a FACTA atende seus objetivos realizando eventos de atualização técnica, aperfeiçoando mão de obra operacional e técnica por meio de cursos específicos, divulgando conhecimentos avícolas através de publicações especializadas e estimulando a evolução técnica, científica e tecnológica da atividade pela dotação de prêmios de estímulo.
Para mais informações acesse: www.facta.org.br.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: