Pesquisa identifica genes resistentes a antibióticos em rios próximos a fazendas suinícolas

Compartilhar

Uma pesquisa elaborada pela Proteção Animal Mundial e realizada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) revelou que as fazendas de criação animal industrial intensiva, neste caso de produção de suínos, podem estar espalhando bactérias resistentes no meio ambiente e colocando a saúde das pessoas em risco. O estudo foi realizado em cinco cidades do Paraná, segundo maior polo produtor de suínos do Brasil, e investigou a presença de genes de resistência a antibióticos.  

 Os resultados seguem o padrão de outras localidades analisadas no mundo e apontam para a provável contaminação das águas dos rios a partir do manejo dos dejetos dos animais criados de maneira intensiva. Pesquisas anteriores foram realizadas na Espanha, EUA, Canadá e Tailândia.  

 O material coletado mostrou uma presença especialmente grande de genes resistentes a antibióticos críticos para a saúde humana, como é o caso da cefalosporina, da ciprofloxacina e da penicilina.  

 O relatório da pesquisa será lançado nesta terça-feira (7) em evento sobre o fenômeno da resistência antibacteriana organizado pela Proteção Animal Mundial e o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).  

 Estas duas entidades também vão apresentar um documento com o panorama ampliado do problema no país e recomendações para autoridades e profissionais da saúde humana e animal.  

 A transmissão ao vivo será às 11h através do canal do Idec no Youtube. Clique aqui para acessar a página do evento: bit.ly/bacteriasresistentes 

Estima-se que infecções hospitalares por bactérias resistentes aos antibióticos sejam responsáveis por 700 mil mortes em todo o mundo anualmente. Um estudo encomendado pelo governo do Reino Unido em 2014 mostra que, se essa tendência se mantiver, esse número aumentará para 10 milhões de mortes por ano até 2050. 


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: