Projeto Morada da SMF transforma vidas por meio da requalificação de moradias na Grande São Paulo

Compartilhar

Entidade sem fins lucrativos oferece apoio na formação integral de famílias em situações de vulnerabilidade social e emocional

“Permitir que a pessoa volte a sonhar”. É com essa frase que a assistente social da entidade sem fins lucrativos, a Sociedade Movimento dos Focolari (SMF), Sandra Lemes, explica o teor que norteia o Projeto Morada desenvolvido pela instituição. A transformação principal que envolve a proposta é requalificar vidas por meio da renovação de habitações.

O Projeto Morada não é uma invasão de uma força externa que chega, destrói e constrói em cima das ruínas de tijolos e esforços imensos já feitos para se chegar na habitação atual, mas visa continuar a edificar ‘a vida’, sobre aqueles esforços já feitos. “É um projeto de requalificação de habitações que visa edificar não somente casas, mas vidas”, afirma Sandra.

Vidas como as da família da dona Lúcia, moradora do bairro Jardim Margarida, em Vargem Grande Paulista, na Grande São Paulo, que têm visto estas transformações práticas com o projeto de renovação de sua residência. “Ter o meu cantinho com segurança para os meus filhos e netos, é tudo o que eu sonhei para mim. Estou muito feliz”, declara dona Lúcia.

A moradora faz parte das pessoas que são atendidas pela SMF, entidade que tem, como um dos principais objetivos, promover o fortalecimento comunitário e o acesso a direitos e garantia de proteção a crianças, jovens e mulheres em situação de vulnerabilidade social. Ao todo, a instituição beneficia diretamente 10 mil participantes em oito projetos de caráter cultural, educacional e de assistência social. A entidade atua, principalmente na cidade de Vargem Grande Paulista, e na comunidade quilombola no município de São Roque, além de Ibiúna e Cotia.

Vidas transformadas

Antes do projeto, a moradia da dona Lúcia não estava adequada para ser habitada. Com três cômodos onde vivem duas famílias, em um total de sete pessoas, a casa não oferecia condições para atender todos os moradores, como, por exemplo, a existência de apenas um banheiro.

Com casos como esses, a assistente social explica que a proposta do projeto é prover ambientes independentes para as famílias, que tenham todas as suas necessidades atendidas nas diversas carências, em particular ao saneamento básico, que não existia.

Mas não é apenas a estruturação física de uma residência. “A moradia digna é, sim, uma parte importante do projeto, mas todos os membros da família participam de outros programas, onde podemos acompanhar esse núcleo de forma muito presente e constante, porque se trata, também, de reestruturação emocional”, avalia Sandra.

Parceria com o Grupo SIN

O Projeto Morada é possível por meio de parcerias comprometidas. Para a residência da família da dona Lúcia, por exemplo, o grupo SIN foi essencial na empreitada. Formado por pessoas que acreditam na co-criação entre moradores, colaboradores e sociedade civil, o grupo é organizado por meio de entidades e poder público.

“Acreditamos que essa é uma forma integral de atuar a cidadania. E, com isso, são desenvolvidos projetos, ideias, transformando pessoas e comunidades. Junto com isso vem os princípios da co-governança, da exemplaridade, da economia em rede, daquilo que agrega e que pode provocar na sociedade um impacto positivo”, opina a engenheira eletricista do Grupo SIN, Fátima Sousa.

Para ela, com a SMF, o grupo encontrou um ‘pano de fundo’, com profissionais que já trabalhavam integralmente com a família na assistência à criança, à mãe, no desenvolvimento psicossocial do grupo, com acompanhamento completo. “Ou seja, é feita assistência a todas essas áreas que a família está sujeita à vulnerabilidade. Pra nós, essa foi a forma ideal e de iniciar um trabalho de requalificação essencial, com todas as condições que realmente se precisa de amparo, de sustentabilidade dessa família e de continuidade, principalmente”.

Outro profissional do Grupo SIN, o arquiteto do Grupo SIN, Ronaldo Marques conta que quando se formou seu grande sonho era fazer uma arquitetura social. “No Projeto Morada, vi a possibilidade de atuar nesse sonho antigo. É muito bom o nosso trabalho chegar às famílias que nunca teriam acesso a esse serviço ou contato com engenheiros, arquitetos. É muito gratificante colocar a profissão à serviço da sociedade”, fala.

Sobre a Sociedade Movimento dos Focolari (SMF)

A Sociedade Movimento dos Focolari (SMF) é uma entidade sem fins lucrativos cujo principal objetivo é o de reduzir as desigualdades sociais para uma sociedade mais unida, justa e fraterna. A SMF apoia projetos e pessoas por meio do desenvolvimento de ações práticas para a transformação da realidade de comunidades em situação de vulnerabilidade social, com estratégias para o fortalecimento de vínculos sociais, desenvolvimento comunitário e difusão de uma cultura da fraternidade universal e da ética do cuidado.

Acompanhe pelas redes sociais: https://www.facebook.com/smfocolari


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: