Pecuaristas do Brasil, Bolívia e Paraguai participam ativamente do projeto “Juntos pelo Agro”

Compartilhar

Projeto da Terra Desenvolvimento Agropecuário com o apoio da Biogénesis Bagó quer contribuir para que os produtores consigam produzir mais e melhor

Um total de 340 pecuaristas do Brasil, Bolívia e Paraguai participaram ativamente do projeto “Juntos pelo Agro”, uma iniciativa da Terra Desenvolvimento Agropecuário em parceria com a Biogénesis Bagó. Durante um mês, os produtores receberam uma série de treinamentos para capacitação de pecuaristas e gerentes de fazendas dos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Goiás, Pará, Tocantins e Rio Grande do Sul, além de Paraguai e Bolívia.

Com conteúdos adaptados às realidades de cada uma dessas localidades, um dos principais objetivos dos treinamentos foi de estimular o ambiente do agronegócio, especialmente dos pequenos e médios produtores para que consigam produzir cada vez mais e melhor, além da promoção da integração entre os países.

Liderado pela Terra Desenvolvimento Agropecuário, o projeto “Juntos pelo Agro” foi apoiado pela Biogénesis Bagó pelo mesmo propósito que une a iniciativa e a empresa: o desenvolvimento do setor, como avalia o médico-veterinário e gerente de Marketing da Biogénesis Bagó, Carlos Godoy. “Foi uma experiência muito válida. Acreditamos ser de extrema importância o compartilhamento de informações e experiências para que os pecuaristas possam melhorar a gestão de seus negócios e serem ainda mais produtivos”, afirma Godoy.

O gerente regional da Terra Desenvolvimento, Cesar Franzon, também avalia como positiva essa série de treinamentos. “Foi um evento muito grande e de muita complexidade, pois realizamos os treinamentos para nove regiões diferentes, incluindo a Bolívia e o Paraguai, sem deixar de lado a necessidade de levar informações adequadas à demanda de cada região. Essa tônica foi o grande diferencial”, explica.

Franzon destaca ainda a importância da parceria das empresas. “Outro ponto fundamental foi a atração de várias empresas de diferentes segmentos do agronegócio, como a Biogénesis Bagó, para o projeto ‘Juntos pelo Agro’. Essa diversidade proporcionou a troca de informações plurais que auxiliam bastante os pecuaristas”, completa. Para ele, o treinamento mostrou a carência que existe em relação ao conhecimento sobre gestão e os próprios resultados da fazenda. Por isso, ele acredita que essa diversidade de informações possa ser usada como referência para que os produtores tenham ainda mais crescimento em seus negócios.

O valor da participação foi simbólico e toda a renda arrecadada foi revertida para instituições de caridade. “O sucesso foi grande e a ideia é repetir a série de treinamentos no próximo ano, em 2022, com a possibilidade de ser presencial”, adianta Franzon.

 Sobre a Biogénesis Bagó

A Biogénesis Bagó, empresa líder nos principais mercados da América Latina, com projeção global, e comprometida com o desenvolvimento de soluções para a saúde e sustentabilidade da produção pecuária por meio da biotecnologia. A empresa desenvolve e comercializa produtos e serviços veterinários criados para garantir a saúde e melhorar a produtividade dos rebanhos bovinos de carne e leite. Conta com um portfólio de mais de 70 produtos e 650 registros em distintos países da América Latina, China e Ásia.

Com escritórios na Bolívia, Brasil, América Central, México, Uruguai e Ásia, sua sede está localizada na Argentina, com fábricas em Monte Grande e Garín (província de Buenos Aires). No Brasil, conta com uma planta fabril na cidade de Araçoiaba da Serra (SP).

A empresa é a maior provedora de vacinas antiaftosa do mundo, tanto que três em cada 10 vacinas antiaftosa aplicadas na América são produzidas pela Biogénesis Bagó. A capacidade anual de produção da empresa é de 400 milhões de doses de vacinas contra febre aftosa, 30 milhões de doses de vacina antirrábica e 100 milhões de doses de vacinas combinadas.

Em 2014, 2016, 2018 e 2020 foi nomeada pela revista inglesa Animal Pharm como a melhor empresa de saúde animal da América Latina.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *