Projeto Nelore JOP chega aos 20 anos com importação de 2.300 embriões de bovinos da Índia e grande contribuição genética à pecuária brasileira

Compartilhar

O projeto Nelore JOP, um dos responsáveis pela importação de genética Nelore da Índia para o refrescamento de sangue da raça no país, está completando 20 anos de atuação, com indispensável contribuição ao futuro da pecuária brasileira. No total, foram importados 2.300 embriões em três etapas e já são quatro gerações de animais nascidos aqui.

“O JOP está entre os mais importantes movimentos de importação de genética Nelore da Índia em toda a história da pecuária brasileira. Trata-se de um trabalho extremamente sério, que nunca perdeu de vista as características do Nelore e sua adequação à realidade do país”, informa Pedro Novis, proprietário da Fazenda Guadalupe, um dos parceiros do Nelore JOP. Em volume, os embriões trazidos pelo projeto representam quase 1/3 do número total de animais adquiridos no grande ciclo de importação iniciado em 1870 e concluído em 1962”.

Esse investimento do Nelore JOP cumpre papel essencial no processo de redução do risco de consanguinidade do rebanho Nelore do Brasil. Os animais trazidos da Índia no início da década de 1960 eram de somente seis linhagens diferentes. No processo de evolução genética que se seguiu, cresceu exponencialmente o percentual de filhos de pais aparentados.

“A ciência comprova que a consanguinidade traz impactos negativos em desempenho, produtividade e fertilidade. Ou seja, se a base genética do Nelore brasileiro se mantivesse a mesma, haveria risco crescente de diminuição do ritmo de ganhos produtivos e reprodutivos nas próximas gerações. Nesse sentido, a genética importada pelo JOP contribui de maneira única para o necessário refrescamento de sangue”, assinala Gilson Katayama, proprietário da Katayama Pecuária, também parceiro do Nelore JOP.

O cuidado do JOP com a qualidade da genética importada da Índia inclui desde o início os necessários cuidados zootécnicos em termos de respaldo científico e avaliação técnica, inclusive para atender ao rígido protocolo sanitário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que autorizou a importação e contou com apoio da Embrapa, Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

A preocupação principal do Nelore JOP sempre foi trazer genética de qualidade, segura e tecnicamente avaliada, segundo os mais importantes parâmetros zootécnicos. Todos os animais nascidos no Brasil a partir dos embriões importados foram avaliados do nascimento ao sobreano e apresentam características diferenciadas em termos de fertilidade e precocidade. Esse trabalho é liderado pelo prof. José Bento Ferraz Sterman (USP Pirassununga), uma das maiores autoridades em melhoramento genético de bovinos de corte do país, e o dr. Marcio Ribeiro da Silva, da Melhore Animal. Além disso, todos os animais tiveram avaliação de carcaças por ultrassonografia, trabalho coordenado por Yuri Farjalla, da Aval Serviços Tecnológicos.

“O Nelore JOP foi criado sob o conceito da responsabilidade para atender às necessidades genéticas da pecuária brasileira no futuro. Esse não é um processo simples, rápido e barato, ainda mais considerando a importância do Nelore para a pecuária brasileira – cerca de 80% do rebanho nacional de cerca de 215 milhões de bovinos têm sangue Nelore. Assim, tomamos todos os cuidados técnicos exigidos para garantir não apenas a qualidade, mas também a segurança da chegada desse material genético diferenciado e único”, explica o criador Carlos Mestriner, da Nelore Ônix, também parceiro do JOP.

Como parte desse intenso processo de seleção, foi concebido um completo projeto de melhoramento genético para acompanhar o desempenho dos animais nascidos a partir da importação dos embriões pelo Nelore JOP. Esse trabalho envolveu a edição anual de sumário dos melhores animais, além de envolver o uso das mais modernas ferramentas de avaliação genética, como intra rebanhos, DEPs de interesse econômico, como peso ao nascer, habilidade materna e precocidade sexual, entre outras, além de índices de seleção e acasalamentos dirigidos.

Além disso, todos os animais aprovados zootecnicamente foram registrados na ABCZ com o LEI (Livro Especial de Importação), com aprovação do MAPA. Os animais também são avaliados pelo Programa de Melhoramento Genético da Raça Nelore (PMGRN), da Associação Nacional dos Criadores e Pesquisadores (ANCP), e pelo Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ), da ABCZ.

“Os animais do JOP representam uma nova e exclusiva opção genética para o Nelore do Brasil, com foco em desempenho e funcionalidade. Nossa responsabilidade é exatamente oferecer essa diversidade genética ao país. Nesse sentido, o investimento feito nessas duas décadas foi dedicado exatamente a contribuir para o sucesso das novas gerações de animais”, destaca José Roberto Colli, do Nelore Zeus, parceiro do projeto.

Essa contribuição com o futuro da pecuária brasileira é representada pelo compromisso dos parceiros do Nelore JOP de disseminarem os melhores exemplares nascidos dos embriões importados com os selecionadores de Nelore de todo o país.

Atendendo ao protocolo firmado com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Nelore JOP prepara uma nova oferta de animais nascidos no Brasil a partir dos embriões importados da Índia.

“Nosso compromisso com a cadeia da carne bovina somente estará completo quando concluirmos a oferta da melhor genética importada por nós nessas duas décadas. É a 4ª geração de animais JOP, uma genética única, que está em seu melhor momento. Esse era o planejamento desde quando fomos à Índia selecionar animais com as qualidades desejadas pela pecuária brasileira”, explica José Carlos Prata Cunha, titular da VRJC, que ao lado de Pedro Novis e Espólio OT iniciou o projeto de importação.

“Estamos compartilhando com criadores apaixonados pelo Nelore como nós a genética do futuro da pecuária nacional, responsável não apenas pelo refrescamento de sangue, mas pelo aumento da produtividade e da consequente produção de carne para atender à crescente demanda global. São machos e fêmeas de uma pureza racial indescritível”, complementa Ângelo Mário Prata Tibery, do Espólio OT.

O projeto Nelore JOP é composto pelas propriedades Guadalupe, Espólio OT, VRJC, Katayama, Ônix e Zeus.

O mais importante e completo Leilão Nelore JOP venderá cerca de 200 matrizes indianas, será realizado no dia 15 de maio, a partir das 9 horas, com transmissão pelo Canal Rural. A Leiloeira é a Programa Leilões. Mais informações, http://www.nelorejop.com.br, telefone (18) 99695-3617 e e-mail: atendimento@nelorejop.com.br.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: