Frigoríficos brasileiros avançam em boas práticas

Frigoríficos brasileiros avançam em boas práticas

Compartilhar

Frigoríficos brasileiros avançam em boas práticas, segundo ranking elaborado por investidores internacionais.

Agron Home

Veja também: Dicas para começar a prática do bem-estar animal

Evolução maior foi da Marfrig, que agora é considerada empresa de baixo risco para investidores.

Boas notícias para as empresas frigoríficas brasileiras. A FAIRR Initiative, associação de grandes investidores internacionais, divulgou, nesta semana, seu quarto ranking posicionando as 60 empresas mundiais que atuam com proteína animal. Quarenta e nove delas produzem carne e 11, peixes e frutos do mar. A Marfrig, que já liderava o ranking das brasileiras no ano passado, passou a ser considerada empresa de baixo risco para os investidores, mas apesar da melhora de suas práticas, perdeu uma posição devido ao avanço de outras. A BRF também evoluiu, e está a apenas dois pontos de ser   considerada empresa de baixo risco, indo de 45% em 2020 para 59% do índex deste ano, inclusive saltando da 11ª para a 9ª colocação.

A JBS, que caiu dois pontos, também melhorou bastante as suas práticas e está a apenas quatro pontos percentuais de assumir-se como empresa de baixo risco. Até mesmo a Minerva, que ocupa a última colocação entre as brasileiras, avançou da 30ª para a 25ª posição, e deixou de ser empresa de alto risco, transformando-se em de médio risco.  São dez os itens comparativos em política ESG:  Governança, Gases de Efeito Estufa e Emissões; Desmatamento e Biodiversidade; Escassez e uso de água; Resíduos e poluição; Antibióticos; Bem estar animal; Condições de trabalho, segurança alimentar e proteínas sustentáveis.

Mas ainda há o que melhorar. Segundo Maria Lettini, diretora executiva da FAIRR, os avanços são significativos e foram interpretados pelos investidores como um excelente sinal, apesar de nenhuma das brasileiras conseguirem rastrear a origem de seu gado. “Isso nos faz perder até 90% do que é desmatado”, disse. Há outros fatores problemáticos, como os gases de efeito estufa, que o Brasil se comprometeu a cortar 30% das emissões até 2030.

Confira a seguir a avaliação, empresa por empresa, sobre onde elas evoluiram e onde precisam melhorar.

Marfrig – Conseguiu deixar de ser uma empresa de médio risco e agora é classificada como de baixo risco para investimentos! Continua sendo a empresa brasileira mais bem colocada no Índex da FAIRR, segue melhorando suas práticas, subiu oito pontos percentuais, de 57% para 65%, mas caiu uma posição porque outras empresas melhoraram mais do que ela – saiu de quarto para quinto lugar no ranking. Melhorou oito pontos percentuais. De três pedidos de informações (metodologia, respostas a questionário online e retorno sobre os questionamentos da FAIRR), respondeu somente o último. (Apenas 32 empresas das 60 responderam).

Avaliação geral:

Gases de efeito estufa:

Subiu 30 pontos percentuais, saindo de 41% para 71%. Foi a única que ultrapassou a meta mínima da FAIRR (60/100). Agora é de baixo risco neste setor.

Desmatamento e Biodiversidade

Também teve uma melhora excepcional neste quesito, subindo 31 pontos percentuais, de 27% para 58%. Deixou de ser de alto risco e agora é de médio risco neste tema.

Uso e escassez de água

Manteve-se como empresa de alto risco, com os mesmos 30% que já detinha. Não forneceu à FAIRR informações sobre o tema.

Desperdício e poluição

Subiu cinco pontos percentuais, mas não o suficiente para deixar de ser considerada de alto risco neste quesito – foi de 22% para 27%.

Uso de antibióticos

Subiu 15 pontos percentuais, saindo de 30% para 45%. Assim deixa de ser empresa de alto risco neste tema e passa a ser de médio risco.

Bem-estar animal

Caiu três pontos percentuais, de 62% para 59%, deixando de ser de baixo risco para ser de médio risco.

Condições de trabalho

Saiu de alto para médio risco, indo de 29.5% para 40%.

Segurança alimentar

Continua como empresa de baixo risco, mas subiu oito pontos percentuais, saindo de 65% para 73%.

Governança

Subiu de 2 para 2.9 pontos, mas continua de médio risco.

Proteínas sustentáveis

Ainda está em boas práticas, mas caiu de 3 para 2,75 pontos.

BRF – Apesar de continuar sendo empresa de médio risco, foi a que teve um crescimento mais efetivo, subindo da 11ª para a 9ª colocação geral. Saltou de 45% para 59% no Index e está a dois pontos percentuais de se transformar em empresa de baixo risco. De três pedidos de informações (metodologia, respostas a questionário online e retorno sobre os questionamentos da FAIRR), respondeu somente o último.

Por outro lado, em parceria com a IBM, a empresa está tentando implementar tecnologia blockchain para evitar fraudes na produção e comercialização de alimentos (pag 59). O cliente poderá saber a origem do animal a carne.

Avaliação geral:

Gases de efeito estufa:

Saltou de 24% para 52%, um avanço de mais de 100%, subindo 28 pontos percentuais! Era de alto risco neste tópico e agora é de médio risco. Não cumpriu a meta da FAIRR.

Desmatamento e Biodiversidade

Crescimento tímido, de apenas 5 pontos percentuais, indo de 23% para 28% mantendo-se como empresa de alto risco.

Uso e escassez de água

Saiu de 22% para 29%, crescendo sete pontos percentuais, mas continua sendo uma empresa de alto risco neste tema. É a única das brasileiras que fornece informações, apesar de limitadas.

Desperdício e poluição

Continua sendo de alto risco, saindo de 15% para 21% – avanço de apenas seis pontos percentuais.

Uso de antibióticos

Saltou de 31% para 60% e está a um ponto percentual de ser uma empresa de baixo risco neste setor.

Bem-estar animal

Continua sendo de baixo risco, mas piorou suas práticas e caiu de 71% para 64%.

Condições de trabalho

Subiu oito pontos percentuais, de 46% para 54%. Ainda é empresa de médio risco.

Segurança alimentar

Subiu dez pontos percentuais, de 35% para 45%, ainda é de médio risco.

Governança

Subiu de 2,35 pontos para 2,9 pontos – ainda é de médio risco.

Proteínas sustentáveis

Mantém-se como empresa de boas práticas quanto a este tema, subindo de 1,5 ponto para 2,5 pontos.

JBS melhorou bastante suas boas práticas subindo dez pontos percentuais, saindo de 47% em 2020 para 57% na pontuação do ranking de 2021, estando a 4 pontos percentuais de se tornar uma empresa de baixo risco – continua sendo de médio risco. No entanto, como outras empresas avançaram mais, caiu da 9ª para 11ª colocação no ranking geral. De três pedidos de informações (metodologia, respostas a questionário online e retorno sobre os questionamentos da FAIRR), respondeu os dois últimos, não revelando sua metodologia.

Avaliação geral:

Gases de efeito estufa:

Melhorou, saindo de alto risco (30%) para médio risco (59%) crescendo 29 pontos percentuais neste ranking específico. Não cumpriu a meta da FAIRR.

Desmatamento e Biodiversidade

Deixa de ser empresa de médio risco e passa a ser de baixo risco, subindo 26 pontos percentuais, de 42% para 68%.

Uso e escassez de água

Continua sendo de alto risco, subindo um ponto, de 28% para 29%. Não forneceu à FAIRR informações sobre o tema.

Desperdício e poluição

Subiu dez pontos, de 10% para 26%, no entanto ainda é de alto risco neste quesito.

Uso de antibióticos

Saiu de alto risco para médio risco ao saltar de 14% para 32%.

Bem-estar animal

Caiu neste ranking, mas se mantém como de médio risco, descendo de 57% para 44%.

Condições de trabalho

Melhorou as condições de trabalho de seus funcionários, indo de 50% para 59%. No entanto, ainda é uma empresa de médio risco neste tópico.

Segurança alimentar

Caiu de médio para alto risco, descendo de 38% para 30%.

Governança.

Saiu de alto para médio risco, de 1,45 para 1,95 ponto.

Proteínas sustentáveis

Mantendo-se como boas práticas, saiu de 2 pontos para 2,5 pontos.

Minerva – Subiu cinco posições, da 30ª para a 25ª colocação, saindo de 23% para 37% – assim, deixou de ser de alto risco e agora é uma empresa considerada de médio risco para investimento. De três pedidos de informações (metodologia, respostas a questionário online e retorno sobre os questionamentos da FAIRR), respondeu todas. É a única brasileira que está nos agradecimentos da FAIRR por ajudar com dados.

Avaliação geral:

Gases de efeito estufa:

Ainda é de alto risco neste quesito, mas subiu 11 pontos percentuais no ranking, indo de 13% para 24%. Não cumpriu a meta da FAIRR.

Desmatamento e Biodiversidade

Deixou de ser empresa de alto risco e agora é de médio risco graças ao crescimento de 17 pontos percentuais, indo de 19% para 36%.

Uso e escassez de água

Continua tendo problemas nesta área, com apenas 13%, o mesmo número do ranking passado. Não forneceu à FAIRR informações sobre o tema.

Desperdício e poluição

Decresceu sete pontos percentuais, caindo de 9% para apenas 2%. É de alto risco neste setor.

Uso de antibióticos

Manteve os mesmos 5% de 2020.

Bem-estar animal

Melhorou consideravelmente neste tema, indo de 43% para 68% – aumento de 25 pontos percentuais. Era de médio e agora é de baixo risco.

Condições de trabalho

Saltou de 42% para 64%, o que a transformou em empresa de baixo risco neste tema.

Segurança alimentar

Foi de 28% para 40%, assumindo-se também como empresa de médio risco, deixando de ser de alto risco.

Governança

Subiu 0.8 pontos percentuais, indo de 1,7 para 2,5, mas ainda é de médio risco.

Proteínas sustentáveis

Depois de não pontuar no último ranking, assumiu o posto de boas práticas este ano subindo 0,5 ponto.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos/Racorn(Ralf Cornesse).


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *