Inverno: saiba quais cuidados contribuem com saúde de equinos em períodos de baixas temperaturas e seca

Compartilhar

Rações formuladas com minerais orgânicos oferecem uma série de benefícios aos cavalos, garantindo bem-estar e melhor desempenho aos animais

No inverno, com as temperaturas mais baixas e a seca das pastagens, a alimentação dos equinos exige uma atenção especial. Um desses cuidados é a utilização de rações e suplemento mineral contendo fontes de minerais orgânicos, já que proporcionam uma série de benefícios aos cavalos e até mesmo para o meio ambiente, entre eles a melhor digestibilidade e absorção dos nutrientes, neste período em que há redução da qualidade do pasto e do feno.

A inclusão de mineral na dieta também proporciona o aumento da ingestão de água, que é menor nessa época do ano. “O estímulo do centro da sede é feito pelo sódio, portanto, quando aumenta o sódio por meio da suplementação mineral, estimula o cavalo a tomar água, evitando problemas de impactação intestinal”, explica a médica veterinária Claudia Ceola, supervisora técnica de equinos da Guabi Nutrição e Saúde Animal.

Os minerais orgânicos contribuem em diversos mecanismos fisiológicos, hormonais, metabólicos e estruturais do organismo. Quando na forma orgânica, a melhora na digestibilidade e absorção dos nutrientes é inegável, explica Claudia Ceola. “Ao utilizar o mineral inorgânico, não é possível ter noção de quanto será absorvido. Ao transformá-lo em orgânico e ligá-lo a uma substância, como uma levedura ou um aminoácido, o organismo identifica o mineral como se fosse do próprio animal, garantindo a absorção”, diz.

Outro fator positivo apontado pela médica veterinária é a forma com que a alimentação influencia a expressão gênica também nos animais, o que chamamos de nutrigenômica: “Existe a comprovação de que vários minerais influenciam na nutrigenômica. Em um animal atleta, por exemplo, garantir o desenvolvimento adequado dentro do que a genética dele proporciona, faz com que haja uma melhor expressão do seu potencial genético. Quando o criador escolhe o garanhão e a égua para fazer o cruzamento entre os animais, ele espera um fruto com o mesmo potencial que o dos pais. Portanto, utilizando minerais orgânicos, é possível proporcionar condições para que essas características se expressem”, argumenta.

Macro e microminerais

É importante optar por rações que contenham microminerais como Zinco, Cobre, Selênio, Manganês, Cromo, Cobalto e Ferro: “O Selênio, por exemplo, é um antioxidante, portanto, garantir que ele seja absorvido oferece benefícios à saúde do animal, contribuindo para a integridade celular e a imunidade”, exemplifica a médica veterinária Natalia Telles Schmidt, supervisora técnica de equinos da Guabi Nutrição e Saúde Animal.

Para a supervisora, os macrominerais como Cálcio e Fósforo também são fundamentais: “os microminerais são importantes para parte metabólica, intracelular e fisiológica, enquanto os macro são responsáveis pela parte estrutural, formação óssea, tendínea e os ligamentos. O Cromo, por exemplo, participa do metabolismo energético, estimula a entrada de glicose intracelular e a redução de cortisol, melhorando também o temperamento dos animais. Então cada mineral vai ter sua função, mas todos auxiliam a absorção do animal”, enfatiza.

Ao oferecer aos animais rações com minerais orgânicos, há também um notável ganho relacionado à sustentabilidade. “O alimento com minerais orgânicos diminui o impacto ambiental porque há a garantia de maior absorção pelo animal, portanto, quando ocorre a excreção, esse mineral não será descartado no meio ambiente”, finaliza Schmidt.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *