Aquacultura: método de gestão que alia nutrição e manejo eleva resultados na produção de pescados

Compartilhar

Produtores de peixes e camarões podem avaliar em que nível de desempenho se encontram, e, com isso, promover adequações em suas criações

No inverno, o apetite dos peixes e camarões diminui e o manejo deve ser personalizado para o período: com rações que auxiliam na imunidade, temperatura adequada da água e exposição ao sol. Esse é momento de planejamento para a próxima safra, por isso é importante que os aquacultores aproveitem para serem estratégicos e aperfeiçoarem seus processos. Nesse contexto, produtores de todo o Brasil podem contar com auxílio de um sistema de gestão, totalmente gratuito, desenhado para permitir ganhos de performance em seus negócios.

Por meio do Sistema Guabi de Alto Desempenho (Sigad) produtores de peixes e camarões podem avaliar em que nível de desempenho se encontram, e, com isso, promover adequações em suas criações. Todo o processo pode ser acompanhado por meio de conteúdos em texto e vídeo, disponibilizados em plataformas segmentadas por espécie e sistema de criação, e de uma matriz composta por seis itens (Nutrição, Genética, Manejo, Infraestrutura, Biossegurança e Gestão).

Planejamento

De acordo com o Gerente de Produtos para Aquacultura da Guabi, o zootecnista João Manoel Cordeiro Alves, esse período que antecede a próxima safra costuma ser focado em melhorias de processos e planejamento. “Os animais começam a ser alojados, e, então, quanto antes iniciar a aplicação da técnica, melhor. Por meio de questionários sobre cada uma das matrizes, os produtores conseguem encontrar possíveis gargalos e trabalhar em possíveis ajustes. Após o preenchimento das planilhas, o produtor terá um plano de ação pronto em suas mãos, que poderá ser aplicado de acordo com o recurso financeiro e de pessoal”, detalha Alves. O zootecnista explica ainda que a ferramenta possui um teor de personalização, podendo ser adaptada de acordo com as necessidades de cada produtor. Além disso, segundo ele, na maioria das situações não são necessários investimentos financeiros nas criações, mas sim uma mudança de hábitos, a partir de novas informações e treinamentos. Para isso, o Sigad Aqua apresenta em seu site conceitos técnicos e práticos, com uma linguagem simples e materiais acessíveis, podendo auxiliar os profissionais do setor a alcançar maiores níveis de produtividade, sem deixar de lado a sustentabilidade.

Gargalos

Para João Manoel, os gargalos que mais se destacam na produção de peixes e camarões, e que merecem atenção, são os relacionados à biossegurança, para diminuir os riscos de doenças e parasitas e intoxicações que podem influenciar na produtividade. Além disso, o conforto dos animais: “Às vezes os produtores colocam peixes de tamanhos diferentes em um mesmo tanque. É preciso garantir comodidade para os animais se desenvolverem da melhor forma, seja o tamanho, quantidade, entre outros”, exemplifica o zootecnista.

O armazenamento da ração é um ponto que também necessita de cuidados. “Piscicultura acontece em um lugar úmido e que estraga alimento, que é caro, cerca de 70% da produção. São coisas simples, que evitam perdas e, consequentemente, influenciam nos resultados finais. Com o Sigad, todas essas questões são avaliadas, para que possam ser solucionadas, aperfeiçoando assim a produção”, finaliza Alves.

Informações para imprensa

Centro de Comunicação

Bruna Robassa | brunar@centrodecomunicacao.com.br | (41) 99505-8888

Suelen de Paula | suelens@centrodecomunicacao.com.br |(41) 99836-2332


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *