febre aftosa

Vacinação contra febre aftosa em Goiás atinge 98,35% em maio

Compartilhar

Índice de vacinação contra febre aftosa atinge 98,35% na etapa de maio em Goiás.

Veja também: Mesa ambiental a favor da pecuária

Resultado será ainda melhor, já que as Unidades Locais da Agrodefesa têm até 29 de junho para lançar as declarações apresentadas presencialmente pelos pecuaristas até dia 7 deste mês.

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), divulga o resultado da primeira etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa, realizada no mês de maio. O índice contabilizado até agora chega a 98,35% do total de bovinos e bubalinos de zero a 24 meses previstos para receber a vacina nesta fase, conforme registrado no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago).

Conforme os dados contabilizados, de um total existente de 10.850.209 animais de zero a 24 meses, foram vacinados 10.670.729 cabeças contra febre aftosa. O porcentual ainda tende a aumentar, já que os profissionais da Agência têm até dia 29 deste mês para concluir o lançamento dos dados informados presencialmente até dia 7 de junho, prazo legal fixado para a obrigatoriedade das declarações. E também as declarações a serem feitas por propriedades inadimplentes e que ainda terão de fazer a vacinação assistida ao longo deste mês.

O presidente em exercício da Agrodefesa, Augusto Amaral Rocha, ressalta que os números mostram que a primeira etapa da campanha foi muito positiva e que os pecuaristas compreenderam a importância de manter a sanidade do rebanho. “A expectativa é que chegaremos muito próximo de 100% de bovinos e bubalinos vacinados, quando for concluído o lançamento de todos os dados declarados presencialmente nas Unidades Locais, o que é feito principalmente nas realizadas por pequenos pecuaristas, com rebanhos de até 49 animais”, afirmou.

O desempenho da vacinação de bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e equídeos de zero a 12 meses contra a raiva em 121 municípios do Estado considerados de alto risco para a doença também foi satisfatório, acompanhando praticamente o mesmo padrão registrado no caso da aftosa, já que também em relação à raiva a imunização era obrigatória.

Fiscalização

Os fiscais e agentes da Agrodefesa atuam a partir de agora para identificar propriedades que deixaram de aplicar as vacinas contra febre aftosa e raiva. Os pecuaristas que não vacinaram devem procurar as unidades da Agência para regularizar sua situação. O ideal é que essa providência seja adotada de forma espontânea até dia 29 deste mês. No entanto, o Serviço Veterinário oficial (SVO) notificará os criadores que deixaram de vacinar e exigir o cumprimento das medidas legais, o que deve ser feito na modalidade de vacinação assistida, incluindo também a obrigatoriedade da vacinação e da declaração.

A penalidade a ser aplicada é de R$ 300,00 por propriedade que não declarou a vacinação e R$ 7,00 por cabeça em propriedades que não vacinaram o rebanho. Após isso, a Agência libera a compra de vacinas sob acompanhamento do SVO, que devem ser aplicadas e declaradas. Vale destacar que, desde o dia 1º de junho, propriedades que não declararam vacinação estão impedidas de movimentar os animais para qualquer finalidade.

Outra medida adotada no momento pela Agrodefesa é a fiscalização nas revendas de vacinas, em todo o Estado, para verificar estoques e se todas as vendas foram registradas nos livros de controle de vacinas. Os fiscais também estão fazendo fiscalização do trânsito de animais, com observância da regularidade da vacinação e da Guia de Trânsito Animal (GTA). Outra ação dos profissionais da Agrodefesa é a continuidade dos atendimentos a notificação de enfermidades vesiculares, trabalho que é realizado durante todo o ano, de forma gratuita.

FONTE: DATAGRO. Imagem principal: Depositphotos.

*Se o artigo ou imagem foi publicado com base no conteúdo de outro site, e se houver algum problema em relação ao conteúdo ou imagem, direitos autorais por exemplo, por favor, deixe um comentário abaixo do artigo. Tentaremos resolver o mais rápido possível para proteger os direitos do autor. Muito obrigado!

*Queremos apenas que os leitores acessem informações de forma mais rápida e fácil com outros conteúdos multilíngues, em vez de informações disponíveis apenas em um determinado idioma.

*Sempre respeitamos os direitos autorais do conteúdo do autor e sempre incluímos o link original do artigo fonte. Caso o autor discorde, basta deixar o relato abaixo do artigo, o artigo e a imagem será editado ou apagado a pedido do autor. Muito obrigado! Atenciosamente!

*If the article or image was published based on content from another site, and if there are any issues regarding the content or image, the copyright for example, please leave a comment below the article. We will try to resolve it as soon as possible to protect the copyright. Thank you very much!

*We just want readers to access information more quickly and easily with other multilingual content, instead of information only available in a certain language.

*We always respect the copyright of the content and image of the author and always include the original link of the source article. If the author disagrees, just leave the report below the article, the article and the image will be edited or deleted at the request of the author. Thanks very much! Best regards!


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: