Área com aplicação de agrotóxicos cresce 12,1% em 2021

Compartilhar

Os agricultores brasileiros estão cada vez mais produtivos e preocupados com os crescentes desafios fitossanitários das lavouras. A safra 2021/2022 está estimada em 269,3 milhões de toneladas de grãos, conforme o mais recente levantamento da Companhia Brasileira de Abastecimento. Esse resultado é 5,4% superior à colheita anterior, de 255,5 milhões de toneladas. Já a área tratada com defensivos agrícolas cresceu 12,1% em relação ao ano anterior, principalmente devido ao aumento de pragas, doenças e ervas daninhas de difícil controle., informa o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). Foram aplicados insumos em 1,883 bilhão de hectares, ante 1,679 bilhão de hectares do ano anterior.

O conceito de área tratada é o resultado da multiplicação da área cultivada em hectares pelo número de aplicações de defensivos e, ainda, pelo número de produtos formulados em cada uma das aplicações. O Sindiveg aplica esse conceito desde 2020, utilizando dados encomendados à Spark Consultoria Estratégica, que realiza pesquisa junto aos agricultores.

“As estatísticas de área tratada representam um importante indicador para medir a contribuição efetiva da indústria de defensivos agrícolas com a proteção e defesa dos cultivos, e mostram que o produtor tem investido cada vez mais em tecnologia e prevenção contra as pragas, doenças e ervas daninhas”, explica Julio Borges, presidente da entidade.

“O crescimento da área plantada comprova o compromisso dos agricultores brasileiros em aumentar a produção de alimentos para atender à crescente demanda brasileira e global. Para isso, a indústria de defensivos agrícolas não mede esforços, aumentando a oferta de novos produtos e tecnologias eficazes, além de ampliar o financiamento no campo”, complementa o dirigente.

Outro fator responsável pelo crescimento da área tratada envolve o constante aumento dos desafios fitossanitários, com a expansão de pragas, doenças e ervas daninhas de difícil controle. As pulverizações contra cigarrinhas, por exemplo, tiveram elevação de 98%. Já as aplicações contra mosca-branca e percevejos subiram 29% e 25%, respectivamente. Os agricultores também utilizaram mais fungicidas protetores (+18% em 2021).

Desafios externos e internos

Em 2021, a indústria de defensivos agrícolas enfrentou sérios problemas relacionados a aumento do câmbio, desabastecimento de algumas matérias-primas vindas da China, atraso nas entregas, elevação dos custos dos fretes marítimos e consequente pressão dos custos.

Como setor considerado essencial para a segurança alimentar da população, a indústria de defensivos precisou revisar suas estratégias e processos para que não faltassem insumos agrícolas para os produtores rurais. Faltas pontuais e apenas de alguns produtos específicos, entretanto, ocorreram, em função do problema logístico global.

Não bastassem as condições externas adversas, a agricultura também enfrentou desafios climáticos no ano passado, como a grave seca em partes do Centro-Oeste, Sudeste e, principalmente, Sul. Também é preciso destacar que o clima tropical do Brasil é perfeito para insetos, fungos e plantas daninhas se disseminarem com maior facilidade.

“Temos a dádiva de ter mais de uma safra por ano, mas também o desafio de controlar o persistente ataque das pragas e doenças. Um ano é mais severo que o outro. Os países de clima temperado não enfrentam esse nível de problema, muito devido às temperaturas baixas e à neve, que dificultam a propagação das pragas”, explica Julio Borges.

Importante destacar que os problemas fitossanitários podem representar quebra de até 40% na produção agrícola – equivalentes a cerca de 100 milhões de toneladas por ano. “Todos os cultivos sofrem com o ataque de pragas, fungos e ervas daninhas. A eficácia do seu controle é essencial para o Brasil manter o elevado nível de produção e produtividade no campo”, ressalta o presidente do Sindiveg.

Produtos e culturas

Em 2021, os inseticidas foram utilizados em 27% da área tratada com defensivos agrícolas, 4 pontos percentuais a mais que os herbicidas (23%). Os fungicidas foram utilizados em 18% da área, mais que o dobro do percentual dos tratamentos de sementes (8%). Foi feita aplicação de outras categorias de produtos em 24% da área tratada.

Com 1,063 bilhão de hectares, a soja representou cerca de 56% da área tratada com defensivos agrícolas, em 2021, com crescimento de 15,56% em relação ao ano anterior. O milho foi a cultura que mais cresceu percentualmente em aplicações: +23,82%, chegando a 305,3 milhões de hectares. Outros destaques são o trigo (+16% de área tratada, atingindo 47,9 milhões de hectares); as pastagens (+8%); o café e os citros (+6% cada); e a cana (+5%). Hortifrútis apresentaram ligeiro decréscimo de área tratada (-1,5%), assim como feijão (-4,5%), arroz (-8%) e algodão (-12%).

“O levantamento encomendado pelo Sindiveg mostra que 46% da área tratada receberam aplicações entre outubro e dezembro de 2021, tradicional período de semeadura da soja. O segundo período mais importante foi o primeiro trimestre, com 30% das aplicações, momento importante para plantio de milho”, informa o presidente da entidade. Em volume de defensivos utilizados, houve crescimento anual de 9,4%, passando de 1,081 milhão de toneladas para 1,183 milhão t.

O valor de mercado dos defensivos efetivamente aplicados pelos agricultores aumentou 17,4%, em 2021, passando de US$ 12,485 bilhões (2020) para US$ 14,655 bilhões (2021). A soja representou 53% do valor total, com US$ 7,779 bilhões, enquanto o milho participou com 13% e a cana, com 9%. “Esse investimento tem sido importante para garantir o sucesso da agricultura brasileira, responsável por R$ 768,4 bilhões em Valor Bruto da Produção, em 2021, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)”, diz Julio Borges.

“Em um ano extremante desafiador, com dificuldades para aquisição de matérias-primas e problemas de logística, a indústria cumpriu o seu papel e atendeu à demanda dos produtores rurais, trabalhando para evitar a falta de insumos para produção de alimentos e contribuindo para a geração renda e emprego no campo”, finaliza o presidente do Sindiveg.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: