Enterite necrótica pode causar prejuízos de até US$ 2 bi à indústria avícola

Compartilhar

As doenças entéricas representam uma preocupação constante para a indústria avícola devido aos prejuízos econômicos em perda de produção, aumento de mortalidade, redução do bem-estar das aves e aumento do risco de contaminação para o consumo humano. Segundo estudos do pesquisador holandês Wiebe Van Der Sluis, os prejuízos mundiais superam US$ 2 bilhões decorrentes de surtos de enterite necrótica em granjas de frangos de corte. “O agente causador da enterite necrótica é o Clostridium perfringens e suas toxinas. É uma bactéria Gram-positiva encontrada como habitante normal no trato intestinal das aves”, detalha Patrícia Tironi Rocha, mestre em sanidade animal pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e gerente técnica de avicultura da Phibro Saúde Animal.

A manifestação da doença ocorre quando a microbiota intestinal dos animais é alterada. “Vários fatores podem interferir, como, por exemplo, o tipo de dieta com grãos mais abrasivos ou de baixa digestibilidade para as aves, imunossupressão por doenças virais, como Gumboro e anemia infecciosa, e micotoxicoses”, afirma. Além disso, a doença pode estar relacionada à presença de outras patologias, principalmente a coccidiose, outra inimiga conhecida dos avicultores.

A enterite necrótica acomete as aves por volta de quatro semanas de idade, podendo se apresentar de forma clínica aguda ou subclínica, dependendo da carga bacteriana no intestino do animal. “Na forma clínica, observamos principalmente aumento na mortalidade, quadros de diarreia e lesões de necrose na mucosa intestinal”, diz Patrícia. Já na forma subclínica, que pode causar muitos prejuízos na produção de forma silenciosa, a bactéria causa dano crônico na mucosa intestinal, reduzindo a absorção e a digestão. “Consequentemente, causa diminuição no ganho de peso e piora na conversão alimentar, além de dificultar o processamento no abatedouro por baixo peso, desuniformidade e condenação por danos hepáticos”, destaca a gerente da Phibro.

Para contornar os prejuízos da enfermidade no Brasil, a virginiamicina, molécula exclusiva da Phibro Saúde Animal, é registrada como aditivo antimicrobiano melhorador de desempenho para frangos de corte, matrizes e poedeiras. “O espectro de ação de Stafac, que é o nosso produto à base de virginiamicina, compreende basicamente bactérias Gram-positivas e, devido à baixa absorção, atua em nível intestinal. Essa característica de baixa absorção confere muita segurança em termos de resíduos, com uso seguro para o atendimento de mercados de exportação mais exigentes”, afirma Patrícia Rocha.
A especialista destaca que se trata de uma molécula segura, com baixa absorção a partir do intestino e sem período de carência. “Stafac é uma excelente ferramenta a ser utilizada pela cadeia produtiva de frangos de corte como melhorador de desempenho e com potencial uso na prevenção e tratamento da enterite necrótica, minimizando prejuízos, oportunizando bem-estar para as aves e segurança para o consumidor final”, finaliza.

Sobre a Phibro
A Phibro Saúde Animal é uma das mais importantes indústrias veterinárias e de nutrição animal do mundo. Criada em 1916, nos Estados Unidos, está presente no Brasil há 25 anos, oferecendo produtos para aves, suínos, bovinos de corte e de leite, peixes e camarões, além oferecer soluções para a produção de fontes energéticas renováveis. Para mais informações, acesse: http://www.pahc.com/brasil


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: