Riscos das micotoxinas em insumos da cadeia de proteínas animais

Compartilhar

Mudanças climáticas acentuam riscos das micotoxinas em insumos da cadeia de proteínas animais, alerta Pesquisa Mundial de Micotoxinas.

Micotoxinas estão presentes em 68% das rações e matérias-primas analisadas na América Latina. Na América do Norte, o risco de contaminação é ainda maior: 72% das amostras de milho e em 89% das amostras de cereais.

“Os eventos climáticos não estão apenas mais frequentes. Eles também são mais extremos e impactam cada vez mais nossas vidas e, por extensão, a cadeia da produção de alimentos para as pessoas e os animais”. O alerta é de Tiago Birro, Gerente de Produto da Biomin para América Latina – empresa de soluções naturais para nutrição animal da DSM.

A BIOMIN e a Romer Labs realizaram a Pesquisa Global de Micotoxinas: Impacto 2021. E o resultado reforça a relação entre o estresse do meio ambiente e as mudanças climáticas. “Cenários extremos, como desertificação, inundações e flutuações entre os períodos úmidos e secos, afetam o ciclo de vida dos micro organismos. Esse cenário impacta as culturas agrícolas em todos os momentos – do campo até o armazenamento. Nesse ambiente, os fungos produzem cada vez mais micotoxinas. O desafio para a cadeia de produção de alimentos de origem vegetal e animal é crescente”, ressalta Tiago.

A Pesquisa Global de Micotoxinas envolveu a coleta de 21.709 amostras de rações e matérias-primas em 79 países – incluindo o Brasil –, resultando em 96.684 micotoxinas analisadas.

“Um exemplo claro são as baixas precipitações no segundo semestre de 2020, que atrasaram o plantio de soja no Brasil. Algo semelhante ocorreu na Argentina – região afetada pelo fenômeno “La Niña”. Nos Estados Unidos, milho e soja foram afetados por condições climáticas prejudiciais em agosto, em partes da região Centro-Oeste. O início da floração e a época da colheita são determinantes para designar os tipos de micotoxinas que serão produzidos pelos fungos”, explica o especialista da BIOMIN.

Em nível mundial, 65% das amostras ultrapassam o limite considerado seguro. Em termos de prevalência, a campeã global é o Deoxinivalenol (DON), seguido pela Fumonisinas (FUM), Zearalenona (ZEA), Toxina T-2, Aflatoxinas (AFLA) e Ocratoxina (OTA).

“Essa ocorrência e as concentrações de micotoxinas nas rações e nas matérias-primas representam ameaça potencial à produção de suínos, aves, leite, carne bovina e peixes. No caso da Zearalenona, por exemplo, os suínos representam especialmente maior sensibilidade, causando o nascimento de leitões fracos e natimortos, distúrbios na concepção, repetição de cio e abortos. Em bovinos, esta micotoxina pode provocar infertilidade e queda na produção de leite.

A pesquisa global apontou que no Brasil, um dos países mais importantes na produção e exportação de matérias-primas para produção animal, 83% das amostras de milho estavam contaminadas por FUN. Em seguida apareceu a DON com 48% das amostras. A soja brasileira foi afetada principalmente por DON, ZEA e toxina T-2. Já o farelo de trigo estava altamente contaminado com DON. A situação da Argentina foi muito similar à contaminação do milho brasileiro.

Na América Latina como um todo, o risco de contaminação por micotoxinas é alto: 68% de amostras estavam contaminadas. A América Central tem risco considerado extremo, enquanto a América do Sul apresenta risco severo. A FUM é a micotoxina mais abundante nessa região e contamina 84% do milho. DON prevalece em 94% das amostras de cereais.

“A FUM é a micotoxina mais comum em milho no México, com 97% de prevalência, seguida por DON, com 65%. Em ambas, a prevalência aumentou em comparação aos dados de 2019. Na Guatemala, 92% das amostras de rações estavam contaminadas por mais de uma micotoxina”, informa o especialista.

A América do Norte apresentou risco extremo de contaminação; a micotoxina DON foi encontrada em 75% das amostras. A pesquisa da Biomin e Romer Labs constatou alta prevalência dessa micotoxina no milho (71%), seguida por FUM (69%) e ZEA (37%).

“O alerta também é válido em relação aos subprodutos do milho, que se convertem em ingredientes alternativos usados na formulação de alimentos para animais, especialmente em tempos de crise, quando as empresas desejam reduzir o custo das dietas. Os DDGs (coprodutos originados no processamento do milho para obtenção de etanol) foram especialmente susceptíveis à contaminação por FUM, DON e ZEA (92% das amostras estavam contaminadas com mais de uma dessas micotoxinas). Em rações, a pesquisa detectou a micotoxina DON com maior prevalência, em 83% das amostras analisadas”, assinala Tiago Birro.

As principais micotoxinas investigadas estão sujeitas aos limites regulatórios e de orientação, mas Anneliese Mueller, gerente de produto da BIOMIN, alerta para o efeito das micotoxinas emergentes. “Apesar da alta prevalência em commodities agrícolas e efeitos nocivos demonstrados na literatura, essa categoria ainda não é regulamentada. Nos últimos anos, a Autoridade Europeia para a Segurança de Alimentos (EFSA) começou a publicar relatórios para realizar avaliação de risco dessas novas toxinas”, explica Anneliese.

A gerente de produto da BIOMIN reforça a necessidade de colocar em ação a gestão e o controle de micotoxinas em todas as regiões do planeta. “As concentrações elevadas podem causar efeitos clínicos em animais e representam uma grande ameaça à produção de proteínas animais. No entanto, quantidades menores também afetam o desempenho dos animais, principalmente nos sistemas gastrointestinal e imunológico. E isso impacta a produtividade e a consequente produção de alimentos de origem animal. Os desafios são imensos”, diz.

Fonte: Assessoria de imprensa Biomin.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *