Análises Cepea

Análises Cepea: Indicador cotação suínos, boi, frango, soja e milho

Compartilhar

Análises CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.

Agron Home

Veja também: Grupo para monitoramento e assessoramento de fertilizantes

SUÍNOS/ANÁLISES CEPEA: Recuperação do poder de compra é interrompida em novembro

As desvalorizações do suíno vivo no mercado independente no início de novembro superaram os recuos observados para as cotações do milho e do farelo de soja, os principais insumos consumidos na atividade. Diante disso, simulações realizadas pelo Cepea mostram que, na parcial de novembro (até o dia 25), o poder de compra dos suinocultores caiu frente ao de outubro, interrompendo o movimento de recuperação que vinha sendo observado nos últimos meses, sobretudo frente ao milho. No front externo, os embarques de carne suína recuaram em outubro após terem atingido volume recorde em setembro. Mesmo com a demanda externa aquecida, a crise logística mundial provocada pela escassez de contêineres tem atrasado e limitado os envios brasileiros ao exterior. Agentes do setor suinícola consultados pelo Cepea relatam que o desempenho das vendas externas de outubro poderia ter sido ainda superior ao registrado em setembro caso não fossem esses gargalos logísticos. De acordo com dados da Secex compilados por pesquisadores do Cepea, em outubro, o Brasil embarcou 97,6 mil toneladas de carne suína, volume 11,9% menor que o de setembro, mas ainda 11,5% acima do de outubro de 2020. De janeiro a outubro deste ano, 955,3 mil toneladas de carne suína foram exportadas pelo Brasil, volume 13,3% maior que o escoado no mesmo período de 2020 e um recorde para o período.

BOI/ANÁLISES CEPEA: Em forte ritmo de recuperação, Indicador sobe mais de 20% em novembro

Depois de recuarem com certa intensidade em setembro e outubro, os preços da arroba do boi gordo voltaram a subir em novembro. No dia 26, o Indicador do boi CEPEA/B3 (mercado paulista, à vista) fechou a R$ 317,90, significativo avanço de 23,65% no acumulado da parcial de novembro. Pesquisadores do Cepea indicam que, apesar da continuidade da suspensão dos envios de carne à China, os valores da arroba são impulsionados pela retração na oferta de bois prontos para abate. E a menor disponibilidade de animais ao longo deste ano é evidenciada por dados divulgados em novembro mês pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que mostram queda no abate de bois no País. Além disso, embora os pastos ainda não tenham se recuperado totalmente em muitas regiões, os bons volumes de chuvas dos últimos meses já favoreceram as pastagens, o suficiente para fazer com que alguns pecuaristas mantenham os animais no campo, restringindo ainda mais a oferta.

FRANGO/ANÁLISES CEPEA: Valores seguem em queda; competitividade da carne cresce

Os preços da carne de frango seguiram em queda no mercado brasileiro em novembro. Segundo pesquisadores do Cepea, o movimento de baixa esteve atrelado ao fraco ritmo de vendas da proteína no mercado atacadista. Agentes consultados pelo Cepea indicaram que vendedores reajustaram negativamente as cotações, no intuito de elevar a liquidez e evitar aumento de estoques. Já as carnes concorrentes, a bovina e a suína, registraram valorizações em novembro. Diante disso, a competitividade da carne de frango frente a essas concorrentes avançou ao longo do mês. No front externo, mesmo com a diminuição no volume de carne de frango embarcado em outubro, a receita em Reais obtida pelos exportadores brasileiros foi a maior da série da Secex, iniciada em 1997 e compilada pelo Cepea. A desvalorização do Real frente ao dólar e a elevação do preço médio dos produtos exportados garantiram o resultado financeiro recorde. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior, em outubro, 397,1 mil toneladas de carne de frango foram exportadas pelo Brasil, volume 5,1% menor que o de setembro, mas 24,2% acima do escoado em outubro/20. Segundo agentes do setor, a demanda internacional esteve aquecida, mas o volume exportado acabou sendo limitado pela falta de contêineres.

FARELO DE SOJA/ANÁLISES CEPEA: Consumidores adquirem de forma cautelosa

A comercialização envolvendo o farelo de soja esteve em ritmo lento no Brasil em boa parte de novembro. Segundo pesquisadores do Cepea, consumidores nacionais estiveram cautelosos em adquirir grandes volumes, atentos à maior oferta da matéria-prima e a expectativas de produção de soja recorde na safra 2021/22. Além disso, a firme demanda por óleo de soja segue desafiando as indústrias na comercialização de farelo, uma vez que, para cada tonelada de grão processado, cerca de 78% produzem farelo e apenas 18%, óleo. Quanto à soja em grão, no campo, a umidade do solo em algumas regiões produtoras de soja começou a ficar baixa no final de novembro, mas a ausência de chuvas permitiu que sojicultores avançassem com a semeadura em muitas áreas. Agências meteorológicas indicam possibilidade de bons volumes de chuvas em dezembro, o que pode favorecer ainda mais o desenvolvimento das lavouras.

MILHO/ANÁLISES CEPEA: Após oito semanas em queda, valores reagem

Após caírem por oito semanas consecutivas, os preços do milho voltaram a subir no encerramento de novembro na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Nos portos de Santos (SP) e de Paranaguá (PR), os valores foram influenciados pelo alto patamar do dólar e pelos avanços nos futuros externos. No interior do País, vendedores, atentos a esse cenário e também ao menor volume de chuvas em novembro – que gera certa preocupação quanto ao desenvolvimento da safra de verão –, se afastaram do spot nacional, à espera de intensificação do recente movimento de alta nos preços. Compradores da grande parte das praças acompanhadas pelo Cepea se mostraram abastecidos – o que, inclusive, limitou o avanço dos valores. Diante disso, o ritmo de comercialização tanto no interior como nos portos ainda esteve lento e abaixo do observado em anos anteriores. No campo, mesmo com a redução nas chuvas ao longo de novembro e das consequentes preocupações, o desenvolvimento das lavouras da safra de verão seguia satisfatório até o encerramento de novembro.

Textos elaborados pela Equipe Cepea.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *