grãos de soja

Preços da soja sofrem forte recuo em Chicago

Compartilhar

Cotações de soja sofrem forte recuo no final da semana em Chicago. Comentários referentes ao período entre 24/09/2021 a 30/09/2021.

Agron Home

Veja também: Saiba qual o melhor momento para o manejo de daninhas na soja

Valor da soja em Chicago

As cotações da soja, em Chicago, sofreram forte recuo no final da semana, após trabalharem em estabilidade nesta última semana de setembro. O fechamento da quinta-feira (30), para o primeiro mês cotado, ficou em US$ 12,56/bushel, contra US$ 12,84 uma semana antes.

Neste dia 30/09 foi divulgado o relatório trimestral de estoques, posição 1º de setembro nos EUA. O mesmo indicou um recuo de 51% sobre a posição de um ano atrás, porém, mesmo assim Chicago caiu pois o mercado esperava um recuo ainda maior de tais estoques.

Por outro lado, a colheita da soja nos EUA, até o dia 26/09, atingia a 16% da área, contra 13% na média histórica para a data, enquanto o mercado esperava 15%. Quanto a condição das lavouras a serem colhidas, 58% estavam entre boas a excelentes, 28% regulares e 14% entre ruins a muito ruins. Vale ainda destacar que 75% das lavouras de soja estariam derrubando suas folhas.

Quanto aos embarques estadunidenses de soja, na semana encerrada em 23/09 os mesmos atingiram a 440.742 toneladas, ficando dentro do esperado pelo mercado. No acumulado do atual ano comercial, os EUA embarcaram 941.822 toneladas, o que representa 81% abaixo das mais de 5 milhões de toneladas exportadas na mesma época do ano passado.

Ainda no campo internacional, a China se vê às voltas agora com problemas energéticos igualmente. A empresa Louis Dreyfus Company (LDC), uma das maiores tradings e processadoras de commodities do mundo, interrompeu o funcionamento de uma de suas fábricas de esmagamento na China devido a restrições no consumo de energia. Em diversas regiões chinesas o problema energético se faz presente, paralisando operações industriais e demais atividades, o que compromete a recuperação econômica do país. Com isso, os preços do farelo de soja, muito consumido na China, passou a subir. Nesta semana cerca de 20 fábricas de esmagamento de soja haviam sido atingidas naquele país. E não se sabe por quanto tempo o problema irá durar. Por enquanto, as empresas paralisadas representam 10% do esmagamento de soja na China. Mesmo assim, o mercado acredita que a China irá importar volumes importantes de soja neste restante de ano. (cf. Brandalizze Consulting).

Enquanto isso, na Argentina a safra de soja 2020/21 está com 30,5 milhões de toneladas vendidas neste final de setembro, contra 32,2 milhões no mesmo período do ano passado. A safra argentina 2020/21 terminou em junho com 43,1 milhões de toneladas, pois fortemente atingida por problemas climáticos. Já a futura safra está estimada em apenas 44 milhões de toneladas pelas autoridades argentinas, destoando da projeção do USDA que aponta 52 milhões de toneladas.

Aqui no Brasil, com o câmbio voltando a desvalorizar o Real a ponto de a moeda nacional bater em R$ 5,43 por dólar durante a semana, e a manutenção de prêmios ainda elevados, os preços subiram mais um pouco. A média gaúcha no balcão fechou a semana em R$ 161,11/saco, enquanto nas demais praças nacionais os preços oscilaram entre R$ 157,00 e R$ 164,00/saco.

O plantio da nova safra diminuiu de ritmo nos últimos dias de setembro devido a falta de chuvas adequadas nas regiões centrais do país. Com isso, o plantio da safra 2021/22 chegava a 0,8% da área esperada até o dia 24/09, contra a média histórica de 1,4% nesta época. No Paraná o mesmo atinge a 4% da área e no Mato Grosso a 1%. (cf. Safras & Mercado) A maior parte dos produtores espera chuvas melhores para avançar e/ou iniciar o plantio da oleaginosa.

Já no Mato Grosso do Sul, entre janeiro e setembro de 2021, confirmando o novo patamar de preços da soja neste período, o preço médio da oleaginosa subiu 60% em relação ao mesmo período do ano anterior. Dificilmente isso irá se repetir nesta nova safra. Na melhor das hipóteses, em condições normais de colheita, a tendência é de os preços se manterem nos atuais níveis, com viés de baixa dependendo do comportamento do câmbio no Brasil. Em setembro deste ano o preço médio era 13,8% superior ao de setembro de 2020, chegando a R$ 159,01/saco. Para a nova safra o Estado espera colher 12,7 milhões de toneladas em clima normal. Este volume será 533.000 toneladas menor do que o colhido na última safra, mesmo com área semeada 7% maior. Já o custo operacional de produção subiria 12%, com o Mato Grosso do Sul colhendo a média de 56 sacos/hectare, contra 62 sacos na safra passada, graças a um clima muito positivo.

Já no Mato Grosso, a alta do custo de produção total está estimada em 22% sobre a safra anterior, com o hectare chegando a R$ 5.133,06. Certos tipos de fertilizantes chegaram a subir 80% em seu valor. Por enquanto, os bons preços da soja desta última safra vêm compensando a elevação no custo de produção, porém, nesta próxima safra, como em todo o Brasil, também no Mato Grosso a tendência é de menor rentabilidade para os produtores. A questão principal, neste contexto, passa a ser o clima, o qual já está atrasando parcialmente o plantio da nova safra. (cf. Imea). Comentários referentes ao período entre 24/09/2021 a 30/09/2021 de Chicago.

Fonte: Informativo CEEMA UNIJUI, do prof. Dr. Argemiro Luís Brum (1). Imagem principal: Depositphotos/fotokostic (Dusan Kostic).

1 – Professor Titular do PPGDR da UNIJUI, doutor em Economia Internacional pela EHESS de Paris-França, coordenador, pesquisador e analista de mercado da CEEMA (FIDENE/UNIJUI).


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *