Clima seco no Brasil deve manter preços do milho elevado

Clima seco no Brasil deve manter preços do milho elevado

Compartilhar

Clima seco no Brasil deve manter preços do milho em patamares elevados.

Agron Home

Veja também: Fungicidas no controle de mancha branca no milho

Clima seco no Brasil deve manter preços do milho elevado

O mercado brasileiro de milho deve seguir com preços em patamares elevados. O clima seco segue prejudicando a safrinha e pode contribuir para quebras ainda maiores nas lavouras, o que faz com que os produtores mantenham a estratégia de reter as ofertas. No cenário internacional a Bolsa de Chicago estende os ganhos da última sessão.

Ontem (3), o mercado brasileiro de milho abriu a semana apresentando preços em alta em muitos estados. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, as dificuldades de abastecimento são recorrentes em grande parte do Centro-Sul, situação que só deve se normalizar com a entrada da safrinha, a partir de agosto devido a todo o atraso. “O clima segue como uma variável chave para a evolução do mercado durante o mês de maio, com possibilidade de quebras ainda mais severas na safrinha em caso de manutenção de chuvas irregulares”, comenta.

No Porto de Santos, o preço ficou na faixa de R$ 87,00 a R$ 97,00 a saca (CIF). Já no Porto de Paranaguá, cotação entre R$ 87,00/100,00.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 105,00/107,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 102,00/105,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 104,00/107,00 a saca.

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 100,00/102,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 95,00/98,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 92,50/R$ 95,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 85,00/90,00 a saca em Rondonópolis.

Chicago

Os contratos com entrega em julho de 2021 operam com alta de 10,75 centavos em relação ao fechamento anterior, ou 1,58%, cotados a US$ 6,90 1/4 por bushel.

O tempo seco no Brasil segue como fator de suporte, pois traz dúvidas sobre a oferta global – apesar do ritmo rápido de plantio nos Estados Unidos.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução do plantio das lavouras de milho. Até 2 de maio, a área plantada estava estimada em 46%. O mercado esperava 44%. Em igual período do ano passado, o número era de 48%. Na semana passada, os trabalhos cobriam 817 da área. A média para os últimos cinco anos é de 36%.

Ontem (3), os contratos de milho com entrega em julho/21 fecharam a US$ 6,79 1/2, alta de 6,25 centavos de dólar, ou 0,92%, em relação ao fechamento anterior.

Câmbio

O dólar comercial registra alta de 0,99% a R$ 5,4730.

Indicadores financeiros

    As principais bolsas da Ásia encerraram mistas. Xangai e Tóquio não operam por feriado local. Hong Kong teve alta de 0,94%.

    As principais bolsas na Europa registram cotações firmes. Paris, +0,28%. Londres, +0,36%.

    O petróleo opera em alta. Junho do WTI em NY: US$ 65,29 o barril (+1,22%).

    O Dollar Index registra ganho de 0,35% a 91,26 pontos.

Fonte: Agência SAFRAS.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *