Intensificação da produção com pastejo rotacionado

Compartilhar

Por André Pastori D’Aurea

A utilização do pastejo rotacionado é uma alternativa competitiva ao pecuarista que busca melhorar a lucratividade de sua propriedade. Com esse tipo exploração é possível aumentar o aproveitamento do pasto e a taxa de lotação, o que resulta em maior produtividade.

De maneira geral, o período de descanso da pastagem vai ser de 21 a 42 dias, tempo suficiente para que a maior parte das forrageiras recuperem seu vigor. Vale destacar que o período vai depender das condições do solo e do clima, e que o pastejo também deve ultrapassar 7 dias dentro do mesmo piquete.

O pastejo rotacionado

Existem diversos tipos e sistemas de manejo de pastagens, entre eles o contínuo, o alternado e o rotacionado, que nada mais é do que um pasto dividido em vários piquetes que sofrem períodos alternados de descanso e pastejo.

Os piquetes mais eficientes são os de formação quadrada ou retangular, uma vez que projetam um pastejo mais uniforme, e o seu comprimento não deve passar de três vezes a medida da largura.

O número de piquetes é muito variável. Por isso, existe uma fórmula para ajudar o pecuarista a organizar, planejar e encontrar o número ideal para a propriedade: número de piquetes = período de descanso + 1 período de ocupação.

Na prática, o que acontece é que enquanto um lote é pastejado, o outro piquete descansa. Após consumir a forragem disponível, esse lote é transferido para o piquete seguinte.

O sistema é capaz de aumentar a produção por área, oferecendo vantagens como baixo custo de implantação, aumento da lotação e produção por área, melhor controle e intensificação do uso da pastagem e forragem disponível.

Além disso, o pastejo rotacionado contribui para a recuperação e fortalecimento do rebrote do pasto, melhorando a distribuição de resíduos animais e a ciclagem de nutrientes no solo.

Serve também para intensificar os animais de produção, principalmente os mais produtivos e com potencial para ganho. No entanto, todos os animais do rebanho podem pastejar em rotacionado desde que o sistema tenha sido dimensionado com espaço suficiente para todos.

A importância da avaliação

Antes de implantar o pastejo rotacionado é preciso avaliar a forragem que será explorada, o número de dias necessários para o descanso, as estruturas de cochos e bebedouros e a disponibilidade adequada de sal, suplemento e água.

O criador também deve corrigir e adubar o solo (caso seja necessário), verificar os dias de ocupação que os animais farão no piquete e não se esquecer de treinar seus colaboradores sobre o manejo do novo sistema.

Vale ressaltar que o manejo no curral, corredores, entrada e saída do piquete afetam diretamente o sucesso do sistema. Por isso, é importante disponibilizar um espaço que permita a boa circulação do rebanho e preparar a equipe para conduzir os animais sem estresse.

A melhor forrageira

Diversas discussões já foram feitas a esse respeito, porém não existe a espécie de forrageira milagrosa para se cultivar. O apoio e a avaliação de um técnico são importantes para entender qual é a forrageira ideal para o solo da propriedade.

O profissional também indicará se há necessidade de ajustes no solo ou a implantação de um novo tipo de capim, tudo para que a forrageira se adeque às carências do solo.

Atenção à suplementação

Algumas pessoas interpretam erroneamente o sistema rotacionado, acreditando que se o sistema aumenta a produção, consequentemente aumentará o pasto no inverno e por esse motivo o gado não precisará de suplementação. Mas essa ideia está equivocada, já que a estacionalidade de produção de forragem ocorrerá normalmente, por isso será necessário suplementar os animais.

Pastejo alternado

Outro recurso muito comum para evitar o esgotamento da pastagem pelo manejo contínuo é o pastejo alternado. Tão eficiente quanto o sistema rotacionado, consiste em transferir os animais para pastos mantidos em reserva a fim de proporcionar descanso à pastagem.

André Pastori D’Aurea é zootecnista, doutor em nutrição animal e coordenador técnico da Premix


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: