Como tornar o cultivo em terras baixas mais eficiente e lucrativo

Como tornar o cultivo em terras baixas mais eficiente e lucrativo

Compartilhar

Como tornar o cultivo em terras baixas mais eficiente e lucrativo. Existem grandes áreas de várzeas disponíveis para o cultivo de culturas de sequeiro, em rotação com o arroz irrigado.

Através da técnica de sulcos-camalhões, grandes produtividades em terras baixas têm sido alcançadas.

Entenda como funciona essa técnica em culturas de sequeiro e como melhorar a produtividade.

O que são terras baixas

As terras baixas são áreas de várzea, com relevo plano e altitude próxima ao nível do mar.

Essas áreas apresentam algumas características limitantes para o cultivo de culturas de sequeiro. Isso porque apresentam drenagem deficiente do solo.

A drenagem do solo é uma premissa básica para iniciar o cultivo de culturas de sequeiro nessas áreas.

Quando essas limitações em terras baixas são solucionadas, a rotação de culturas de sequeiro com arroz irrigado pode proporcionar benefícios como:

    manutenção do potencial produtivo do arroz;

    quebra do ciclo de pragas;

    melhoria da qualidade química e física do solo;

    redução da competição por nutrientes.

Diversas culturas de sequeiro podem ser utilizadas em rotação com o arroz irrigado:

    trigo;

    centeio;

    sorgo;

    soja;

    milho;

    feijão.

A soja é a principal cultura de sequeiro utilizada em rotação com arroz em terras baixas.

Como tornar eficiente o cultivo em terras baixas

O cultivo em terras baixas é eficiente após a correção das suas limitações.

Após a correção, as culturas de sequeiro são produtivas e rentáveis nas áreas de várzea. Veja quais são os principais fatores limitantes:

    a deficiente drenagem natural do solo;

    a ocorrência frequente de períodos de estiagem;

    a alternância entre o excesso e o déficit de umidade no solo;

    a compactação do solo.

O solo precisa ter um ambiente radicular favorável e sem limitações físicas para o crescimento das plantas. Essas características tornam o cultivo em terras baixas eficiente e lucrativo.

Nesse ambiente, a planta expressa o seu máximo potencial produtivo.

cultivo em terras baixas
Relação tridimensional entre rendimento de grãos, parâmetros físicos do solo e nodulação na soja em terras baixas
(Fonte: Adaptado de Sartori et al. 2015)

Como contornar as dificuldades do cultivo em terras baixas

É importante se atentar a essas limitações. Assim, você poderá realizar uma implantação e manejo da lavoura adequados.

Nessas áreas, são necessárias técnicas de manejo que proporcionem um ambiente melhor drenado.

Uma alternativa eficiente para investir em áreas de várzea é o sistema de sulco-camalhão. Conheça melhor essa técnica!

Técnica de sulco-camalhão

O sistema de sulco-camalhão é uma técnica de irrigação e drenagem. Ela é indicada para áreas de relevo pouco declivoso e com solo de baixa permeabilidade.

A técnica é baseada na construção de um “canteiro”. Na parte alta, ou camalhão, são cultivadas as culturas de sequeiro.

Entre os camalhões, são formados os sulcos laterais. Eles servem para o escoamento da água de drenagem e irrigação.

Entre eles, transitam os rodados das máquinas agrícolas.

cultivo em terras baixas
Esquema de como a cultura de sequeiro é implantada no sistema sulco-camalhão
(Fonte: Bredemeier, 2020)

A utilização da técnica melhora a drenagem superficial do solo e, ao mesmo tempo, permite irrigação suplementar pelos sulcos. Ou seja, o mesmo sulco que irriga também drena o solo.

O principal objetivo da técnica é atingir níveis altos e estáveis de produtividade, com rentabilidade. Ela já gerou bons resultados na produtividade da soja sequeiro.

Como aplicar a técnica de sulco-camalhão?

Para construir os sulcos-camalhões, você precisa realizar a:

    suavização da área (se for necessário);

    descompactação do solo;

    correção da acidez e fertilidade do solo;

    construção dos camalhões;

    semeadura da cultura de sequeiro.

Para a construção, você pode utilizar os equipamentos disponíveis na propriedade. Os sulcos-camalhões podem ser adotados por pequenos, médios e grandes produtores.

Em propriedades pequenas, é possível utilizar o arado de aiveca para construção dos camalhões, no sentido da declividade da área.

Já para médias e grandes propriedades, existem no mercado implementos específicos para a construção dos camalhões.

Na figura abaixo, você pode verificar como eles são construídos.

Esquema da confecção dos camalhões
(Fonte: Beauchamp, 1952; Silva et al. 2006)

Após a construção dos camalhões, são semeadas duas linhas da cultura de sequeiro na parte mais alta. Faça isso com auxílio da semeadora disponível na propriedade, com o espaçamento recomendado para a cultura.

Resultados do cultivo de soja em terras baixas e outras vantagens

Em culturas de sequeiro em áreas de terras baixas, têm surgido resultados positivos do emprego da técnica de sulco-camalhão.

Veja algumas vantagens:

    Evita problemas relacionados ao excesso ou deficiência hídrica;

    Os sulcos fazem drenagem e irrigação;

    Os camalhões podem ser construídos antes ou no momento da semeadura;

    O uso do sistema é essencial para a obtenção de renda e estabilidade produtiva da soja em terras baixas.

A safra 2019/2020 foi extremamente seca, com perdas de produtividade nas áreas não irrigadas.

Nas áreas irrigadas por meio dessa técnica, os ganhos de produtividade chegaram a 20 sacas/ha em comparação às não irrigadas.

Produtividade da soja na safra 2019/2020 em áreas irrigadas por sulco-camalhão em comparação às não irrigadas
(Fonte: Pipe Brasil, 2021)

A safra 2020/2021 apresentou chuvas adequadas. Apesar disso, as áreas irrigadas com sulco-camalhão produziram, em média, 26 sacas/ha a mais que as áreas não irrigadas.

Produtividade da soja na safra 2020/2021 em áreas irrigadas por sulco-camalhão e áreas referências não irrigadas
(Fonte: Pipe Brasil, 2021)

Os custos adicionais para a implantação e execução do sistema sulco-camalhão na safra 2019/2020 foram de 3,5 sacas/ha.

Na safra 2020/2021, os custos foram um pouco maiores, atingindo 4,0 sacas/ha. A técnica proporciona ótimo retorno econômico.

Custos de produção da soja na safra 2019/2020 e 2020/2021 em áreas irrigadas por sistema sulco-camalhão
(Fonte: Pipe Brasil, 2021)

Na soja cultivada em áreas de várzea e em rotação com o arroz irrigado, a técnica soluciona problemas de drenagem nos períodos de encharcamento.

Esses períodos são comuns no ciclo vegetativo da soja.

A soja cultivada em camalhões de base larga apresentou maior produtividade de grãos (kg ha-1), comparada aos sistemas de cultivo convencional, com e sem escarificação
(Fonte: Silva et al. 2020)

Desvantagens do cultivo em terras baixas

Essa técnica também apresenta algumas desvantagens, como:

    baixo rendimento operacional;

    maior consumo de combustível;

    dificuldade de uso em áreas de relevo irregular;

    necessário o preparo do solo para implantação da cultura seguinte (arroz irrigado).

Conclusão

A drenagem do solo é a premissa básica para o cultivo de culturas de sequeiro em terras baixas. A soja é a principal cultura de sequeiro utilizada em rotação com arroz irrigado nessas terras.

A técnica de sulco-camalhão é uma alternativa para solucionar o problema de drenagem nessas áreas. A técnica é capaz de, ao mesmo tempo, drenar e irrigar o solo.

Invista nesse sistema em terras baixas para garantir o máximo potencial produtivo da sua lavoura.

Você tem investido ou pensa em investir em técnicas de cultivo em terras baixas? Adoraria ler seu comentário abaixo!

Agron Home

Veja também: Site próprio para registro de ocorrência de roubo e furto de gado

—SIGA NAS REDES SOCIAIS —

Twitter: https://twitter.com/agrotwit

Facebook: https://www.facebook.com/PortalAgron
Instagram: https://www.instagram.com/portalagron
Youtube: https://www.youtube.com/portalagron
Grupo Telegram Agron pecuária: https://t.me/portalagron_pecuaria
Grupo Telegram Agricultura: https://t.me/portalagron_agricultura
Canal Telegram: https://t.me/portalagron
Site: https://www.agron.com.br
https://linktr.ee/Portalagron

Fonte: Lavoura. Por: Denise Prevedel. Imagem Pirncipal: DepositPhotos.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *