Saiba como a coinoculação influência na lavoura

Saiba como a coinoculação influência na lavoura

Compartilhar

Saiba como a coinoculação influência na produtividade da lavoura.

Agron Home

Veja também: Presidente da aprosoja defende mudança na classificação dos grãos

Saiba como a coinoculação influência na lavoura

A boa produtividade da soja é reflexo de um conjunto de fatores os quais podem exercer influência direta ou indireta sobre a quantidade ou qualidade dos grãos ou sementes produzidos, sendo um desses fatores a nutrição de plantas. O adequado aporte nutricional é essencial para suprir as exigências nutricionais da cultura, promovendo bom crescimento e desenvolvimento vegetal, refletindo em boa produtividade.

Um dos nutrientes mais requeridos pela soja é o Nitrogênio (N), conforme destacado por Martins (2019), para produção de uma tonelada de grãos ou sementes de soja são extraídos e exportados em média 80,4 kg de N e 56,9 kg de Nitrogênio respectivamente. O Nitrogênio é constituinte de aminoácidos, amidas, proteínas, ácidos nucleicos, nucleotídeos, coenzimas, hexosamina entre outros, estando diretamente relacionada ao crescimento vegetal (Taiz et al., 2017).

Felizmente, a simbiose entre plantas de soja e bactérias fixadoras de nitrogênio do gênero o Bradyrhizobium contribui para o fornecimento de praticamente todo o nitrogênio necessário para boas produtividades de soja, produtividades na ordem de até 3600 kg.ha-1, proporcionando ainda valores entre 20 e 30 kg.ha-1 de nitrogênio para a cultura sucessora (Gitti, 2015).

Embora parte dessas bactérias estejam presentes no solo, a prática da inoculação das sementes de soja visa aumentar a população de bactérias fixadoras de nitrogênio por meio do incremento via inoculante. Conforme destacado por Prando et al. (2019), a prática da inoculação pode proporcionar o incremento de até 8% na produtividade da soja, enquanto a coinoculação pode incrementar em mais 8% a produtividade, somando-se assim, um ganho de produtividade de 16%.

 Entretanto, diferentemente da relação simbiótica que ocorre entre plantas de soja e bactérias do gênero Bradyrhizobium, a coinoculação com bactérias do gênero Azospirillum promove uma relação de associação, em que nem todo o nitrogênio sintetizado é fornecido a planta. Contudo, as bactérias do gênero Azospirillum possuem a habilidade em sintetizar fitormônios que promovem o crescimento vegetal, principalmente do sistema radicular, o que favorece a nodulação e a FBN realizada pelo Bradyrhizobium, além de trazer outros benefícios, como ampliação do volume de solo explorado (Prando et al., 2019).

A maior nodulação de plantas de soja em consequência da coinoculação foi observada por Gitti (2016) em estudos realizados pela Fundação MS, onde a coinoculação da soja proporcionou não só o aumento do número e massa de nódulos, como também de massa seca de raízes e parte aérea de plantas.

Como os nódulos são consequência da simbiose entre plantas de soja e bactérias fixadoras de nitrogênio no gênero Bradyrhizobium, o aumento do número de nódulos por planta em consequência do favorecimento promovido pela coinoculação pode representar o aumento da quantidade de nitrogênio fixado e da disponibilização do nutriente para planta, refletindo em maiores produtividades.

Referências:

GITTI, D. C. INOCULAÇÃO E COINOCULAÇÃO NA CULTURA DA SOJA. Fundação MS, Tecnologia e Produção: Soja 2015/2016, 2016. Disponível em: < https://www.fundacaoms.org.br/base/www/fundacaoms.org.br/media/attachments/234/234/newarchive-234.pdf >, acesso em: 23/04/2021.

GITTI, D. C. INOCULAÇÃO E COINOCULAÇÃO NA CULTURA DA SOJA. Fundação MS, Tecnologia e Produção: Soja 2014/2015, 2015. Disponível em: < https://www.fundacaoms.org.br/base/www/fundacaoms.org.br/media/attachments/209/209/newarchive-209.pdf >, acesso em: 23/04/2021.

MARTINS, G. TABELA DE EXTRAÇÃO E EXPORTAÇÃO DOS NUTRIENTES NA CULTURA DA SOJA. Nutrição de Safras, 2019. Disponível em: < https://www.nutricaodesafras.com.br/tabela-de-extracao-e-exportacao-dos-nutrientes-na-cultura-do-soja/#:~:text=Tabela%20de%20Extra%C3%A7%C3%A3o%20e%20Exporta%C3%A7%C3%A3o%20dos%20nutrientes%20na%20Cultura%20da%20SOJA,-Gabriel%20Martins%20agosto&text=A%20busca%20por%20altas%20produtividades,Tisdale%20et%20al%2C%201985). >, acesso em: 26/04/2021.

PRANDO, A. M. et al. COINOCULAÇÃO DA SOJA COM Bradyrhizobium E Azospirillum NA SAFRA 2018/2019 NO PARANÁ. Embrapa, Circular Técnica, n. 156, 2019. Disponível em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1117312/1/Circtec156.pdf >, acesso em: 23/04/2021.

TAIZ, L. et al. FISIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Porto Alegre, ed. 6, 2017. Disponível em: < https://grupos.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/474835/mod_resource/content/0/Fisiologia%20e%20desenvolvimento%20vegetal%20-%20Zair%206%C2%AAed.pdf >, acesso em: 23/04/2021.

Fonte: Equipe Mais Soja. Por: Maurício Siqueira dos Santos.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *