Retenção foliar em lavouras de soja

Retenção foliar em lavouras de soja

Compartilhar

Retenção foliar em lavouras de soja, Percevejos ou outras causas?


Agron: Home

Soja com tecnologias para manejo de percevejo e ferrugem

Retenção foliar em lavouras de soja, Percevejos ou outras causas?

Ao adentrarmos no período de colheita da soja, é comum encontrarmos lavouras em fase de maturação fisiológica com plantas mantendo folhas e hastes verdes. A retenção foliar é um distúrbio fisiológico na maturação produzido por qualquer fator que interfira negativamente no estabelecimento das vagens ou dos grãos ou, ainda, no enchimento desses grãos, levando a um atraso na senecência das folhas (Silva et al., 2013).

Retenção foliar em lavouras de soja

A ocorrência de retenção foliar e de haste verde em soja pode ser atribuída a vários fatores que interferem diretamente na relação fonte e dreno das plantas, associados à ausência de vagens e grãos: como resultado do menor número de estruturas reprodutivas (drenos), os fotoassimilados que normalmente seriam translocados para os grãos se acumulam nas estruturas vegetativas das plantas, mantendo hastes e folhas verdes durante a fase de maturação. Essa condição encontra-se tipicamente associada aos distúrbios fisiológicos causados por danos de percevejos, mas também pode ocorrer devido ao estresse hídrico (falta ou excesso de umidade no solo) e ao desequilíbrio nutricional das plantas (Fávero et al., 2014).

Os danos por percevejos na cultura da soja interferem diretamente na formação e enchimento dos grãos, causando sérios prejuízos no rendimento e na qualidade destes. Isso ocorre devido ao hábito alimentar desses insetos, que inserem seu aparelho bucal em forma de estilete diretamente nas vagens, atingindo os grãos e provocando a sua murcha ou má-formação. Como conseqüência indireta da redução no número e tamanho dos grãos, os fotoassimilados acumulam-se nas estruturas vegetativas e a planta de soja não amadurece normalmente, permanecendo verde na época da colheita (Silva et al., 2013).

Somado a isso, o ataque de percevejos pode resultar também na queda das vagens. Essa queda impede a formação dos hormônios de senecência, como o etileno, resultando na paralisação da fase reprodutiva e prolongando ainda mais o estádio vegetativo, fenômeno comumente denominado de “soja louca”. Cabe destacar que o potencial para causar retenção foliar varia de acordo com a espécie em questão: segundo Sosa-Gomez e Moscardi (1995), o percevejo Piezodorus guildinii possui maior capacidade de induzir retenção foliar do que o percevejo-marrom Euschistus heros e o percevejo-verde Nezara viridula.

A sensibilidade à ocorrência de haste verde e retenção foliar varia de acordo com a cultivar de soja. Estudos demonstraram, por exemplo, que variedades precoces como IAC 93-345, IAC 93-386, IAC 90-3395 e IAC17 apresentaram os menores valores de retenção foliar e de danos nas vagens. Segundo Lourenção et al. (2002), a cultivar IAC18, apesar de ser produtiva na presença de percevejos, apresenta altos índices de retenção foliar, enquanto que a cultivar IAC17 apresenta os menores índices de retenção foliar e produtividade elevada (Silva et al., 2013).

Na safra 2020/2021, lavouras semeadas com a cultivar DM5958 no noroeste do Rio Grande do Sul apresentaram altos índices de retenção foliar, mesmo na ausência de ataque de percevejos (Figura 4). Esse fenômeno pode estar relacionado às características intrínsecas da cultivar, como uma baixa produção do hormônio etileno, responsável por induzir a abscisão e queda das folhas. É possível que outras cultivares apresentem comportamento semelhante. Ainda, os períodos de déficit hídrico registrados na região durante essa safra podem ter contribuído para acentuar a ocorrência de retenção foliar.

A maturação tardia das plantas de soja, como consequência da retenção foliar, pode gerar problemas no momento da colheita da lavoura. O alto volume de hastes verdes e vagens não amadurecidas pode resultar, por exemplo, na saturação dos cilindros das colhedoras. A fim de uniformizar as plantas com problemas de haste verde e retenção foliar, pode-se efetuar a dessecação da soja com herbicidas registrados para tal uso. Esta técnica permite antecipar a colheita com a vantagem de uniformizá-la e facilitá-la, reduzindo perdas, impurezas e melhorando a qualidade dos grãos colhidos (Guimarães et al., 2012). Entretanto, essa medida deve ser adotada somente em áreas de produção de grãos, já que em lavouras destinadas à produção de sementes pode ocorrer redução nos potenciais de germinação e vigor das mesmas.

Revisão: Henrique Pozebon, Mestrando PPGAgro  e Prof. Jonas Arnemann, PhD. e Coordenador do Grupo de Manejo e Genética de Pragas – UFSM.

REFERÊNCIAS:

CORREA-FERREIRA, BEATRIZ S.; PANIZZI, ANTÔNIO R. Percevejos da soja e seu manejo. Embrapa Soja-Circular Técnica (INFOTECA-E), 1999.

FÁVERO, Fernando; LANA, Maria do Carmo. Redução de haste verde e retenção foliar na soja em razão de maior disponibilidade de nitrogênio pelo tratamento de sementes. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 38, n. 5, p. 1432-1438, 2014.

FERNANDES, Francisco Marques; ATHAYDE, Monoel Luiz Ferreira; LARA, Fernando Mesquita. Comportamento de cultivares de soja no campo em relação ao ataque de percevejos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 29, n. 3, p. 363-367, 1994.

GUIMARÃES, V. F. et al. Produtividade e qualidade de sementes de soja em função de estádios de dessecação e herbicidas. Planta Daninha, v. 30, n. 3, p. 567-573, 2012.

JUNQUEIRA, Paulo Carneiro et al. Efeito das vagens e grãos verdes da colheita em características de qualidade da soja durante o armazenamento. In: Embrapa Soja-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE PÓS-COLHEITA, 6., 2014, Maringá. Anais… Londrina: ABRAPOS, 2014., 2014.

LOURENÇÃO, André L. et al. Avaliação de danos de percevejos e de desfolhadores em genótipos de soja de ciclos precoce, semiprecoce e médio. Neotropical entomology, v. 31, n. 4, p. 623-630, 2002.

LOURENÇÃO, André Luiz et al. Avaliação de danos causados por percevejos e por lagartas em genótipos de soja de ciclos precoce e semiprecoce. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 35, n. 5, p. 879-886, 2000.

SARMENTO, Renato de Almeida et al. Danos causados por Piezodorus guildinii (Heteroptera, Pentatomidae) em sementes de soja, em Gurupi, Tocantins. 2002.

SILVA, Alexandre José da; CANTERI, Marcelo Giovanetti; SILVA, Andre Luis da. Haste verde e retenção foliar na cultura da soja. Summa Phytopathologica, v. 39, n. 3, p. 151-156, 2013.

SOSA-GÓMEZ, Daniel R.; MOSCARDI, Flavio. Retenção foliar diferencial em soja provocada por percevejos (Heteroptera: Pentatomidae). Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 24, n. 2, 1995.

Fonte: Equipe Mais Soja. Autora: Lauren Brondani.


Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *